Quem dá as cartas no petróleo mundial

LinkedIn

Os baixos valores da commodity despencaram mais ainda após a OPEP anunciar em reunião na última sexta-feira (04/12/2015) que manterá os elevados níveis de produção. As cotações em Londres (Brent) e EUA (WTI) apesar de indicar uma reação e volatilidade na zona de preço mínimo (ambiente amado pelo traders), cede aos poucos à pressão devida a queda na oferta global e pelo excesso de oferta. Nesse cenário a OPEP vem se mostrando bastante enfraquecida, em oposição aos áureos tempos de Sheik Yamani (ex-ministro do petróleo na Arábia Saudita e ex-ministro da OPEP).

Com a produção mantida aumentam os estoques da commodity forçando os preços a níveis mais baixos do que estão atualmente.

Link permanente da imagem incorporada

No Brasil, os reflexos serão sentidos no reajuste da gasolina, que de certa forma aliviam um pouco mais os preços na bomba. Também é discutido o impacto da mudança na bandeira tarifária, autorizada pela ANEEL, onde espera-se que as usinas termelétricas movidas a óleo combustível ou óleo diesel reduzam seu uso usando menos derivados de petróleo para isto.

Grandes players em petróleo, como a Petrobras (BOV:PETR4), se posicionam de forma a definir o cenário de baixa nesses preços. Fiquemos de olho nos próximos movimentos.

Comentários

  1. Cosme Drumond diz:

    Caro Colunista,
    Gostaria de saber se com a alta do dólar e a desvalorização da Pretrobras, em sua opinião, essa conjuntura favorece investimentos nas ações da estatal, ou não?
    Parabéns pelo artigo.

  2. Mustafá Quazi diz:

    Elton,
    Na sua visão, BOV:PETR4 vai seguir a mesa linha que os Ex-presidentes do BACEN discutiram no último encontro ? As coisas só começaram a melhorar quando estivermos próximos da próxima eleição? Por conseguinte, vale a pena segurar esse papel para essa possível situação de melhora?

  3. Elton Lincoln diz:

    Caros Cosme Drumond e Mustafá Quazi,

    A PETR4 atualmente se confirma com um viés baixista forte. Após a perda dos suportes imediatos em R$ 7,53 e R$7,23 confirma-se cada vez mais a tendência baixista (que era esperado).

    Vejo em curto e médio prazo a manutenção desta tendência, visto que o clima político no Brasil não está atrativo para investimentos no momento, sem falar que a agência de risco Moody’s colocou a nota de crédito do Brasil em revisão para eventual rebaixamento, nessa leva o rating da petrolífera também foi cortado. Para quem já está posicionado vale a pena fazer a sua análise de risco: defendendo a posição fazendo edge com opções e ajustando os seus “stop’s” nessa tendência até que seja visualizado uma reação no papel.

    Mas como “mercado é mercado”, day traders experientes aproveitam também essa tendência para “entrar vendido” e seguir a tendência baixista.

    Em todo caso é sempre bom ter cautela nesse cenário.

  4. Edmar Candeia diz:

    Elton,

    parbéns pelo artigo. Sinceramente, fique surpreso com o gráfico. Primeiro pela posição do Iraque, depois pelo não apareceimento de Brasil. Nossa escala de produção é tão pequena assim?

  5. Elton Lincoln diz:

    Edmar Candeia,

    O Iraque era o segundo país produtor de petróleo até os atentados de setembro de 2001 nos EUA. Desde então, além de várias ocupações e incessantes guerras civis, a economia do petróleo ficou em frangalhos. Hoje não é possível precisar o quantitativo da produção iraquiana. É certo que o país não está estocando petróleo, pois muito do que ainda é explorado sofre constantes saques e grande parte dessas reservas encontram-se em zonas de conflito (zonas dominadas pelo Estado Islâmico por exemplo).
    No Brasil a produção de petróleo gira em torno de 2,5 a 3 milhões de barris por dia (dados da OPEP) o que não é pouco. Ainda produzimos mais do que consumimos, entretanto frente aos demais países exportadores da OPEP o nosso petróleo sofre uma desaceleração na produção. Justo pela demanda ser muito baixa.

Deixe um comentário