ADVFN Logo ADVFN

Não encontramos resultados para:
Verifique se escreveu corretamente ou tente ampliar sua busca.

Tendências Agora

Rankings

Parece que você não está logado.
Clique no botão abaixo para fazer login e ver seu histórico recente.

Hot Features

Registration Strip Icon for tools Aumente o nível de sua negociação com nossas ferramentas poderosas e insights em tempo real, tudo em um só lugar.

Omã sinaliza afinidade com corte na produção, mas não vai sozinho

LinkedIn

De acordo com declaração do gabinete do governo de Omã, o país está disposto em cortar em até 10% a produção (já excedente) da commodity caso outros países exportadores façam o mesmo. Segundo o ministro do Petróleo Mohammed bin Hamad al-Rumhy, no intervalo de uma conferência em Abu Dabi, hoje: “Omã está disposto a fazer qualquer coisa que estabilizasse o mercado de petróleo”; de acordo com o ministro esse percentual deveria ser aplicado a todos os países exportadores.

O sultanato de Omã passa por um corte feroz nos subsídios de combustíveis (principalmente a gasolina) acompanhado por um indesejado aumento de impostos, na tentativa de equilibrar a sua balança comercial. Ainda assim com déficit de 3,3 bilhões de riales, ou 13 por cento do PIB.

Países da OPEP, como a Venezuela, também sugerem que se tenha um corte na produção a fim de retomar o preço do barril. Situação antagônica do que acontece com o Irã; pois o país, devido a remoção das sanções comerciais internacionais, anunciou que tem planos para a produção de 500.000 barris por dia a serem adicionados no excesso de produção mundial.

Enquanto não se chega a um acordo coletivo, apesar da OPEP já sinalizar que espera um “processo de reequilíbrio” do preço do petróleo a partir deste ano, os preços do BRENT em Londres continuam em “queda livre”, cotado a menos de U$ 28,00 o barril.

No Brasil a Petrobras (BOV: PETR4), que acumula a maior dívida de uma empresa petroleira, deve R$ 506 bilhões de reais de dívida bruta sofre horrores com os papéis negociadas no Bovespa a R$ 4,98, cenário de altíssima volatilidade para traders experientes, visto que os preços praticados no presente estão sem referência; o que faz com que estratégias de “entrar vendido” (para position/swing) e “virar a mão” (daytrade e opções) estão entre as mais “clicadas”.

Deixe um comentário