A nova geração do mercado financeiro no Brasil

LinkedIn

A exemplo dos mercados competitivos mundiais, o setor financeiro brasileiro tem passado por um movimento silencioso, porém consistente, que tem ganhado força e ditado uma nova tendência no perfil do pequeno investidor nos últimos tempos.

Limitar-se às vendas de ações, principalmente em meio às instabilidades geradas pela crise, têm levado as corretoras, tanto independentes quanto ligadas a bancos, a constatarem redução da quantidade e atividade de seus clientes, notadamente aqueles que evitam se arriscar em investimentos de longo prazo.
De olho nessas mudanças de mercado, o Home Broker, sistema utilizado por corretoras há 16 anos para automatizar e facilitar o processo de investimentos de pessoas físicas no estilo “invista você mesmo dentro de sua própria casa”, deixa de se concentrar apenas no mercado de ações e passa a ampliar o seu leque de serviços oferecidos.

A empresa pioneira a mergulhar no mercado de Home Broker foi a mesma que, recentemente, identificou pela primeira vez as novas necessidades do investidor brasileiro de varejo. A CMA, que trabalha com soluções de alta tecnologia para o mercado financeiro, percebeu a exigência desse novo perfil de cliente, disposto a investir de forma isolada ou simultânea em outros produtos, mudou e aperfeiçoou o Home Broker existente até então no Brasil.

A CMA aplicou o conceito One Stop Shop – tudo sobre investimentos em uma só plataforma – com o objetivo de funcionar como a vitrine de investimentos mais completa do mercado, onde é possível investir em renda variável, abarcando ações, opções e futuros; fundos e clubes de investimento; e renda fixa privada, incluindo LCI, LCA, CRI, CRA, CDB, COE e debêntures, e pública, focada em LTN, LFT, NTN-B, NTN-B Principal, NTN-F; e integrar com o Tesouro Direto.

Oportunidades

De acordo com Raphael Juan, diretor de Produtos e Mercados da CMA, a ideia foi desenvolver um novo software que representasse uma oportunidade para as corretoras aumentarem a oferta de serviços ao público final. “Acompanhando uma tendência mundial, desenvolvemos um produto para que as corretoras ofereçam novas oportunidades de investimento aos seus clientes, aumentando a diversificação da oferta de serviços e gerando novas receitas. Além disso, essa é a maneira mais econômica de as corretoras lidarem com os grandes volumes de clientes”.

A partir de um visual agradável e moderno, o investidor tem à sua disposição conteúdos e ferramentas especiais, abrangendo notícias em tempo real que explicam os movimentos dos mercados, indicadores macro e microeconômicos e moedas, sistema de análise gráfica completo e de fácil utilização, módulo iTrade que envia alertas e sugestões de operações para os clientes da corretora e integração com redes sociais. Disponível também em smarphones e tablets, garante mobilidade para as negociações, cujas informações são necessárias à tomada de decisão dos investimentos de modo seguro e ágil.

Trata-se de uma nova maneira de lidar com o varejo de investimentos e exerce o papel de facilitador para ancorar o investidor junto às corretoras. “Com esse novo produto – argumenta o diretor da CMA – a corretora amplia, muito além do mercado de ações, a oferta de serviços, fidelizando os clientes atuais e atraindo outros novos, que tenham interesse em algumas das opções de investimentos, conteúdos e ferramentas especiais dessa nova plataforma”.

Segundo Juan, a instituição que captar e se inserir nessa nova cultura tende a conquistar diferentes perfis de clientes, que, estando imersos nesse ambiente, pode começar a realizar ofertas cruzadas, denominado de cross selling.

Deixe um comentário