Perdições da carne

Share On Facebook

Numa semana em que parte da lista de Janot aparece com meia dúzia de ministros, as ruas são tomadas por protestos contra a Reforma da Previdência e as duas maiores produtoras de carnes do país protagonizam escândalo, a agência de classificação de risco Moody’s anuncia a melhora da perspectiva para a nota de crédito do Brasil.

Sempre mais otimista que outras agências, a Moody´s foi a última a retirar o grau de investimento do Brasil e agora muda a perspectiva de negativa para estável. “O surgimento no ano passado de um ambiente positivo para as reformas sinaliza a melhora do funcionamento das instituições que darão suporte à implementação da Reforma Fiscal e à aprovação da Reforma da Previdência neste ano”, destaca o comunicado. A agência acredita que as incertezas políticas que pressionavam a nota de crédito do país diminuíram em relação ao ano passado, o que ajudará na aprovação de reformas fiscais. Será?

Mesmo estando mais otimista com relação ao Brasil, a Moody´s faz a ressalva sobre o risco de desarticulação política. Deste lado, o destaque da semana fica com a lista de Janot. Apenas a parte vazada traz seis ministros, além de governadores e parlamentares. A S&P já havia apontado os escândalos políticos como o vento que sopra ao contrário da recuperação e a delação da Odebrecht, que culminou na lista, só reafirma a situação que leva aos protestos populares.

A S&P, primeira a retirar o selo de bom pagador do Brasil, em setembro de 2015, reafirmou no mês passado a perspectiva negativa para o país. Segundo a nota da agência, “apesar do progresso de ajuste fiscal no médio prazo sob o governo Temer, a continuidade de incertezas políticas, maiores pressões fiscais dos governos locais e a fraqueza da economia implicam em um ajuste mais lento e prolongado”.

Não é de se estranhar a contradição das duas perspectivas. Basta observar que os indicadores brasileiros também são paradoxais. Existem sinais de que há recuperação econômica, porém são insipientes para que se vislumbre a saída da crise. Quanto ao lado fiscal, não há clareza suficiente quanto a que tipo de Reforma da Previdência passará. O projeto na Câmara dos Deputados já conta com quase 150 emendas e outras mudanças devem ocorrer, o que reduzirá o seu impacto no orçamento público.

Ao mesmo tempo, o setor produtivo como um todo exibe fragilidades. Outras grandes companhias se veem em novos escândalos. Primeiro foram as construtoras e agora multinacionais do setor de alimentos, acusadas de venda ilegal de carnes pela Operação Carne Fraca. A Justiça Federal do Paraná determinou o bloqueio de R$ 1 bilhão das investigadas. Tal fato afetará mais uma importante cadeia de produção do País. São cerca de 30 empresas investigadas, incluindo fornecedores.

A cadeia produtiva da pecuária do Brasil movimentou mais de R$ 483,5 bilhões em 2015, quando o PIB era de cerca de R$ 5 trilhões. As perspectivas para o segmento eram positivas antes escândalo. O estudo “Outlook Fiesp 2026 – Projeções para o Agronegócio Brasileiro”, que se refere à expectativa de desempenho do agronegócio brasileiro no período de 2016 a 2026, apostava num crescimento acima da média mundial para as carnes (bovina, suína e frango), o que aumentaria a participação do Brasil no mercado global. Com as novas notícias, resta saber qual país irá querer importar carne brasileira.

Mas nem é preciso estar com a marca estampada em algum escândalo no jornal para exibir problemas. O endividamento dos bancos e empresas brasileiros é tão escandaloso quanto: US$ 73,2 bilhões que vencem até 2021, o equivalente a 36% do total da América Latina, segundo a S&P.

Fazer projeções sobre a economia brasileira diante de fragilidades políticas, éticas e econômicas torna-se uma armadilha que leva às contradições entre economistas, bancos e agências de classificação de risco.

Ana Borges

Ana Borges é diretora da Compliance Comunicação. Atuando como jornalista, vem acompanhando nos últimos 15 anos o dia a dia do mercado financeiro. Também é graduada em Economia pela UFRGS e pós graduada em Finanças pela FIA. Leciona no as disciplinas Estratégias Econômicas Empresariais, Finanças Internacionais, Políticas Econômicas e Administração Financeira, no Senac-SP.
Acesse: http://www.compliancecomunicacao.com.br

Deixe um comentário

Esta área do website ADVFN.com é destinada para comentários e anáises individuais independentes. Estes blogs são administrados por autores independentes através de uma plataforma de alimentação comum, não representando as opiniões da ADVFN. A ADVFN não monitora, aprova, altera ou exerce controle editorial sobre estes artigos, não aceitando, portanto, ser responsabilizada por tais informações. As informações disponibilizadas no website ADVFN.com destina-se para sua informação em geral mas não, necessariamente, para suas necessidades particulares. As informações não constituem qualquer forma de recomendação ou aconselhamento por parte da ADVFN.COM.
 
Seu Histórico Recente
BOV
VALE5
Vale PNA
BOV
IBOV
iBovespa
BOV
PETR4
Petrobras
BOV
IGBR3
IGB SA
FX
USDBRL
Dólar EUA ..
Ações já vistas aparecerão nesta caixa, facilitando a volta para cotações pesquisadas anteriormente.

Registre-se agora para criar sua própria lista de ações customizada.

Ao acessar os serviços da ADVFN você estará de acordo com os Termos e Condições

P:31 V: D:20170525 08:41:03