Padilha diz que governo "segue firme" para aprovar TLP

Share On Facebook

Para acalmar o mercado, que fechou os negócios ontem (11/08) sob a incerteza da aprovação da Medida Provisória 777, o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, usou o Twitter para assegurar que o governo trabalha “firme” pela aprovação da proposta, que trata da substituição da Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), usada em contratos do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), pela Taxa de Longo Prazo (TLP).

O dólar, que estava em movimento de queda ao longo desta sexta-feira (11/08), disparou no fim do dia, chegando a R$ 3,2188 e fechando em R$ 3.1741.

“O governo segue firme para a aprovação da TLP, sob o comando do ministro [da Fazenda, Henrique] Meirelles. A TLP é tema de relevância para a política econômica. #Meirelles”, tuitou Padilha.

A reação do mercado foi provocada pelo atraso no cronograma de análise da MP e pelas especulações sobre o anúncio da nova meta fiscal. Por falta de quórum, a comissão mista que debate a matéria adiou a votação do relatório do deputado Betinho Gomes (PSDB-PE) da última quarta-feira (09/08) para a próxima terça-feira (15/08).

A MP 777 enfrenta resistência de diversos parlamentares sob a alegação de que a TLP será maior do que a TJLP, encarecendo o crédito do BNDES, principal financiador de projetos de médio e longo prazo do país.

A TJLP, atualmente em 7% ao ano, é subsidiada pelo Tesouro Nacional. Quanto maior sua distância da Selic, taxa básica de juros da economia, hoje em 9,25% ao ano, maior o custo para o Tesouro.

Em audiência pública realizada pela comissão especial que analisa a MP 777, o secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda, Mansueto de Almeida, disse que a política de subsídio não é adequada para grandes empresas. “[Parte do subsídio concedido] foi para empresas que não precisavam de ajuda nenhuma do setor público. Alguns falam que foi política industrial. Isso está equivocado”, disse.

Segundo o secretário, o Brasil investiu R$ 723 bilhões com subsídios para o setor privado no período de 10 anos encerrado em dezembro de 2016.

Para ver mais sobre o que os investidores estão falando sobre esse ou outros assuntos, clique aqui

Agência Brasil

A Agência Brasil é um dos canais de comunicação do Grupo EBC - Empresa Brasil de Comunicação. O Grupo EBC é instituição pública de comunicação criada em 2007, que busca distinguir-se dos canais estatais ou governamentais através da produção de conteúdos diferenciados e complementares aos canais privados. Também fazem parte do Grupo EBC os seguintes canais de comunicação: TV Brasil, TV Brasil Internacional e Radioagência Nacional.

Deixe um comentário

Esta área do website ADVFN.com é destinada para comentários e anáises individuais independentes. Estes blogs são administrados por autores independentes através de uma plataforma de alimentação comum, não representando as opiniões da ADVFN. A ADVFN não monitora, aprova, altera ou exerce controle editorial sobre estes artigos, não aceitando, portanto, ser responsabilizada por tais informações. As informações disponibilizadas no website ADVFN.com destina-se para sua informação em geral mas não, necessariamente, para suas necessidades particulares. As informações não constituem qualquer forma de recomendação ou aconselhamento por parte da ADVFN.COM.
 
Seu Histórico Recente
BOV
VALE5
Vale PNA
BOV
IBOV
iBovespa
BOV
PETR4
Petrobras
BOV
IGBR3
IGB SA
FX
USDBRL
Dólar EUA ..
Ações já vistas aparecerão nesta caixa, facilitando a volta para cotações pesquisadas anteriormente.

Registre-se agora para criar sua própria lista de ações customizada.

Ao acessar os serviços da ADVFN você estará de acordo com os Termos e Condições

P:35 V: D:20170822 03:41:30