Selic não deve mudar sem a Reforma da Previdência, avalia Goldman Sachs

LinkedIn

De acordo com o economista-chefe para América Latina do Goldman Sachs, Alberto Ramos, se a reforma da previdência não for aprovada, então o Banco Central (BC) não deve alterar na taxa Selic na próxima reunião do Comitê de Políticas Monetárias (Copom) em fevereiro.

A derrota da medida poderia provocar uma disparada no dólar frente ao real, interferindo nas expectativas para a inflação, indicou Ramos em nota após examinar a ata do Copom divulgada hoje.

Ramos acredita que caso a Reforma seja aprovada, o BC continuaria com a ciclo de cortes na taxa de juros básico, com uma redução de 0,25 pontos percentuais em fevereiro e outra do mesmo valor em março.

“A meta do Copom para a próxima reunião está longe de ser um comprometimento forte e bem cimentado”, ressalta o economista. Apesar de Ramos apostar no corte de 0,25 pontos percentuais, ele afirma que o documento deixa em aberto uma redução de 0,50 pontos percentuais.

Deixe um comentário

Esta área do website ADVFN.com é destinada para comentários e anáises individuais independentes. Estes blogs são administrados por autores independentes através de uma plataforma de alimentação comum, não representando as opiniões da ADVFN. A ADVFN não monitora, aprova, altera ou exerce controle editorial sobre estes artigos, não aceitando, portanto, ser responsabilizada por tais informações. As informações disponibilizadas no website ADVFN.com destina-se para sua informação em geral mas não, necessariamente, para suas necessidades particulares. As informações não constituem qualquer forma de recomendação ou aconselhamento por parte da ADVFN.COM.