Crédito para antecipar restituição do IR vale a pena? Confira dicas de consultores e as condições dos bancos

LinkedIn

Os principais bancos já estão oferecendo linhas de crédito para antecipação da restituição do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) 2018. Orientadores financeiros destacam que a modalidade tem juros mínimos a partir de 1,79% ao mês, mas as taxas médias variam de acordo com o perfil e histórico do cliente, ficando em torno de 3%, 3,5% ao mês — portanto, mais baixas que nos empréstimos pessoais, cheque especial e cartão de crédito., que podem chegar a 10% ao mês. “É opção interessante para quem busca se livrar desses créditos mais caros, mas não vale a pena para antecipação de consumo”, afirma o diretor executivo da Associação Nacional de Executivos de Finanças (Anefac), Miguel de Oliveira.

Avaliando riscos e custos

É importante, segundo Oliveira, ficar alerta para os riscos da operação. O principal deles é a possibilidade de se cair na malha fina da Receita Federal, pois caso a restituição atrase e o valor não entre na conta na data contratada, o empréstimo será cobrado pelo banco de qualquer forma, às vezes exigindo que o contribuinte tome algum outro financiamento para honrar o compromisso.

Também é preciso considerar que, mesmo ficando abaixo dos cobrados por outras modalidades de crédito — cheque especial e cartão de crédito cobram em média 13% ao mês e empréstimo pessoal, segundo pesquisa da Anefac, perto de 5,5% ao mês — os juros na modalidade antecipação de IR também continuam altos.

Bancos não repassaram queda da Selic e juros continuam salgados

“Mesmo se tratando de linhas mais seguras para os bancos, por oferecerem a restituição do IR como garantia real de pagamento, também não houve, nesses empréstimos, repasse aos clientes da forte queda da Selic”, explica Oliveira. Ele lembra que enquanto a taxa básica de juros recuou a menos da metade, de 14,25% ao ano em agosto de 2016 para 6,75% ao ano, na antecipação da restituição as taxas permanecem estáveis em comparação com o ano passado, em torno de 3,5% ao mês.

Pagamento de dívidas mais caras e contas acumuladas

O mesmo alerta faz o economista e professor da Saint Paul Escola de Negócios, Carlos Honorato. Segundo ele, quando vemos taxas comparativamente mais baixas, há um apelo para tomar novos empréstimos e os bancos, por sua vez, vendem a ideia de crédito fácil. “Na realidade, os juros ainda se mantêm muito elevados na ponta do tomador; é preciso cautela para não ceder a esses apelos sem necessidade, com risco de as pessoas se complicarem mais adiante”, orienta. “O ideal é a pessoa se organizar e equacionar seu orçamento, tentando adequar receitas e despesas, e não recorrer a empréstimos e acumular mais dívidas.”

Tanto Oliveira como Honorato destacam que a principal vantagem dessas linhas de antecipação de IRPF é pagar dívidas mais caras, se possível quitando de vez os empréstimos anteriores. Também pode ser interessante, segundo eles, tomar o crédito caso se tenha dívidas acumuladas ou urgentes com escolas, condomínios ou planos de saúde, por exemplo, desde que já se tenha esgotado a via da negociação com os credores.

Também para o especialista em investimentos do Banco Ourinvest e fundador da Academia do Dinheiro, Mauro Calil, o usa dessas linhas de antecipação da restituição somente vai valer a pena se o valor cobrir alguma dívida importante, como a fatura do cartão de crédito, que envolve juros altos quando está em atraso. ” Já se a ideia for usar a antecipação para pagar metade do cheque especial, não vale a pena, pois os juros continuarão a ser cobrados no restante da dívida; daqui alguns meses, o valor terá voltado ao patamar anterior e o contribuinte terá duas dívidas: a do cheque especial e da antecipação da restituição”, alerta.

Não vale a pena antecipar a restituição para usar em consumo

A modalidade não é interessante, segundo os consultores financeiros, para antecipação de compras. “Isso seria indicado se estivéssemos em momento de inflação em alta, o que não é o caso”, diz Oliveira, da Anefac. “Para consumo, o ideal é que a pessoa aguarde receber a restituição, que virá corrigida pela Selic. Assim, não pagará juros (ainda elevados), e terá vantagem comprando o que desejar à vista, com possibilidade de negociar descontos.”

Bradesco: taxa mínima de 1,79% ao mês e opção de usar aplicativo a partir de abril

No Bradesco, a linha de antecipação da restituição do IRPF destinada aos clientes que indicarem o banco para receber sua restituição cobra taxa a partir de 1,79 % ao mês. Os clientes poderão antecipar até 100% do valor de sua restituição com valor máximo de R$ 50 mil reais. O crédito deverá ser quitado em uma única parcela, de acordo com o recebimento da restituição do IR, e o prazo limite para pagamento da parcela é 15 de dezembro de 2018.

Para contratação dessa linha nas agências, o cliente deve apresentar cópia do recibo/protocolo de entrega da declaração de IR do ano base. Caso não seja correntista, é necessária abertura de conta corrente para indicar o banco e ter acesso à linha. Ela já está disponível, a partir deste mês, em toda rede de agências do banco, e pode inclusive ser contratada pelo APP Bradesco, a partir de abril/2018.

No Santander, taxas entre 1,99% e 4,36% ao mês

Os clientes do banco Santander também já podem fazer a contratação da linha de antecipação do IR, tendo a opção disponível desde 1º de março. As taxas do financiamento dependem do perfil do cliente, mas, segundo o banco, variam de 1,99% a 4,36% ao mês. O interessado poderá receber até 100% do valor da restituição no mesmo dia da contratação. Estão habilitados a solicitar o empréstimo clientes que indicaram na declaração a sua conta corrente do banco para o crédito da restituição.

O contrato é liquidado automaticamente assim que a Receita Federal creditar o dinheiro na conta do cliente. A linha de crédito para antecipação pode ser contratada no APP Santander, Internet Banking, caixas eletrônicos, Central de Atendimento Telefônico e nas agências do banco. Caso a agência seja o meio escolhido, basta o cliente levar a declaração enviada à Receita Federal.

Juros variam de acordo com histórico do cliente com o banco, diz o Itaú

O Itaú Unibanco disponibiliza aos clientes que receberem a restituição pelo banco a linha Credipré IR. Não é necessário a apresentação da declaração. As taxas de juros, segundo a instituição “variam de acordo com o histórico do cliente com o banco”, com possibilidade de antecipar até R$ 5 mil para clientes Varejo e Uniclass, e até R$ 10 mil para clientes Personnalité.

Os correntistas do banco podem acessar a modalidade com valor pré-aprovado ou até 100% da restituição. A contratação pode ser realizada pelos canais eletrônicos de atendimento, como internet banking, aplicativos Itaú (mobile banking), caixas eletrônicos, telefone e agências.

Banco do Brasil: juros a partir de 1,89% ao mês e limite de R$ 20 mil

O Banco do Brasil reabriu na quinta-feira, dia 1/03, a contratação do CDC Antecipação do Imposto de Renda (IRPF). Os juros cobrados partem de 1,89% ao mês.

Os interessados podem fazer a contratação da linha tanto nas agências como diretamente pelo App ou Internet banking. Pelo próprio aplicativo e na página do banco, é possível enviar uma foto do recebido da declaração ou até mesmo anexar o documento em pdf. Após a confirmação da proposta, o valor da restituição entra automaticamente na conta do cliente.

É possível antecipar até 100% do valor do crédito a ser restituído, limitado a R$ 20 mil. O pagamento é feito somente na data do crédito da restituição ou no vencimento do contrato, que será no dia 15 de janeiro de 2019, o que ocorrer primeiro. Para ter acesso, os correntistas precisam indicar uma conta no BB para o crédito da restituição e devem ter limite de crédito aprovado.

Na Caixa, limite de empréstimo é de até 75% do valor da restituição, com taxa a partir de 2,10% ao mês

Já a Caixa Econômica Federal informa que a antecipação do IRPF estará disponível aos clientes até o último dia útil do mês de novembro. Para obter o crédito, o cliente deve se dirigir à agência em que possui a conta e apresentar, além dos documentos pessoais, a declaração completa do IR com o recibo de entrega à Receita Federal, com a indicação do banco para crédito da restituição.

O limite de empréstimo disponibilizado é de até 75% do valor da restituição que consta na declaração 2016/2017 do cliente, limitado ao valor aprovado em análise de crédito. O valor máximo de contratação é de até R$ 30 mil, com taxas de juros a partir de 2,10% ao mês, considerando o relacionamento e a reciprocidade do cliente com o banco. O pagamento do empréstimo é debitado em conta corrente, no momento em que for creditada a restituição, ou no dia 30 de dezembro de 2018, o que ocorrer primeiro

Deixe um comentário

Esta área do website ADVFN.com é destinada para comentários e anáises individuais independentes. Estes blogs são administrados por autores independentes através de uma plataforma de alimentação comum, não representando as opiniões da ADVFN. A ADVFN não monitora, aprova, altera ou exerce controle editorial sobre estes artigos, não aceitando, portanto, ser responsabilizada por tais informações. As informações disponibilizadas no website ADVFN.com destina-se para sua informação em geral mas não, necessariamente, para suas necessidades particulares. As informações não constituem qualquer forma de recomendação ou aconselhamento por parte da ADVFN.COM.