Dólar amplia queda após STJ negar pedido de habeas corpus a Lula

LinkedIn

O dólar ampliou a queda nesta terça feira (6), depois que o pedido de habeas corpus preventivo em favor do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ser recusado pelo  Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Histórico 

A moeda teve queda de 1,16%, cotada a R$ 3,2097 para compra e R$ 3,2105 para venda.

Após 4 pregões em março, a moeda desvalorizou 1,00%. Já se foram 3 fechamentos negativos contra 1 positivo. Em fevereiro, a divisa americana fechou cotada a R$ 3,2421 para compra e R$ 3,2428 para venda.

Em 2018, após 43 pregões, o dólar apresenta uma desvalorização de 3,13%. Já se foram 20 pregões em alta, contra 23 em baixa. Em 2016, a divisa dos Estados Unidos fechou cotada a R$ 3,3133 para compra e a R$ 3,3144 para venda.

Influências

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva teve o pedido de habeas corpus negado por unanimidade no Superior Tribunal Justiça (STJ) nesta terça-feira (6). O petista foi condenado após o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) manter a condenação de primeira instância por corrupção e lavagem de dinheiro no processo do tríplex do Guarujá (SP).

Ao todo, cinco ministros da 5ª Turma do STJ rejeitaram o pedido de habeas corpus preventivo. A defesa de Lula quer a medida para que só haja uma detenção após o trânsito em julgado, ou seja, o esgotamento de todos os recursos possíveis no Judiciário.

O Banco Central brasileiro não anunciou intervenção para o mercado cambial nesta sessão. Em abril, vencem US$ 9,029 bilhões em swaps cambiais tradicionais, equivalentes à venda de dólares no mercado futuro.

No exterior, o presidente norte-americano, Donald Trump, enfrentou pressão por parte de aliados políticos e de companhias, para que o governo não dê sequência no plano de impor tarifas sobre o aço e alumínio.

Deixe um comentário

Esta área do website ADVFN.com é destinada para comentários e anáises individuais independentes. Estes blogs são administrados por autores independentes através de uma plataforma de alimentação comum, não representando as opiniões da ADVFN. A ADVFN não monitora, aprova, altera ou exerce controle editorial sobre estes artigos, não aceitando, portanto, ser responsabilizada por tais informações. As informações disponibilizadas no website ADVFN.com destina-se para sua informação em geral mas não, necessariamente, para suas necessidades particulares. As informações não constituem qualquer forma de recomendação ou aconselhamento por parte da ADVFN.COM.