Bom dia, Investidor! 18 de dezembro de 2018

LinkedIn

Esse é o Bom Dia, Investidor, com tudo o que você precisa saber antes da Bolsa abrir! 

Pré Market

Por Olívia Bulla – O mercado financeiro tende a seguir vulnerável enquanto aguarda pela reunião do Federal Reserve, que começa hoje e termina amanhã. Os investidores esperam por um ritmo mais suave (“dovish”) na estratégia de alta da taxa de juros nos Estados Unidos em 2019, após o último aperto monetário neste ano, mas já temem por uma desaceleração econômica global.

O foco continua nos dados fracos de atividade ao redor do mundo e na inversão da curva de juros norte-americana, com o rendimento (yield) pago pelos títulos mais curtos sendo superior ao retorno dos bônus de mais longo prazo. As tensões comerciais entre EUA e China ainda persistem, enquanto a Europa vivencia um grande imbróglio que deve continuar em 2019.

Com isso, as bolsas de Nova York amargaram duras perdas ontem, ampliando o pior início de dezembro desde 1980, em meio aos temores de que o Fed esteja apressado demais na subida dos juros, enquanto os fundamentos econômicos se deterioram. Esse receio fez o índice Dow Jones ceder mais de 1 mil pontos em apenas dois dias, enquanto o S&P 500 caiu à mínima em 14 meses, minando as esperanças de um rali de Natal e sendo negociados como se já estivessem em um mercado de baixa (bear market).

O desempenho em Nova York ontem contaminou a sessão na Ásia hoje, após certa frustração com o discurso do presidente chinês, Xi Jiping, na comemoração dos 40 anos da reforma e abertura na China. Xangai caiu pouco menos de 1%, Hong Kong cedeu pouco mais que isso e Tóquio recuou quase 2%.

A atenção em Pequim se volta agora para a reunião anual dos líderes políticos no fim deste semana, que irá definir as metas para o próximo ano – entre elas a de crescimento econômico. Nesta manhã, porém, os índices futuros em Wall Street estão no campo positivo, ensaiando uma tímida e pontual recuperação, o que pode atenuar a abertura negativa do pregão europeu.

Nos demais mercados, o barril do petróleo tipo WTI está abaixo de US$ 50, pela primeira vez em mais de um ano, em meio às incertezas quanto à eficácia no corte de produção da commodity promovido pelo cartel de países produtores (Opep). Entre as moedas, o dólar mede forças em relação aos rivais, com um desempenho lateral.

Destaques corporativos

Banco BMG: Em comunicado, o Banco BMG informou nesta segunda-feira, 17, que protocolou um pedido de interrupção do prazo de análise do pedido de registro da oferta pública de distribuição primária e secundária de ações preferenciais. O pedido foi por um período de até 60 dias úteis contados a partir desta data. O motivo da suspensão, segundo comunicado do BMG, são “as atuais condições de mercado”.

CSN (CSNA3): A CSN informou nesta segunda, 17, após o pregão, que seu conselho de administração aprovou a 10ª emissão de debêntures simples, não conversíveis em ações no valor de até R$ 2 bilhões, com valor nominal unitário de R$ 1.000,00 na data de emissão.

Carrefour (CRFB3): O Grupo Carrefour Brasil informou que nesta segunda, 17, que foi realizado o comunicado de início da 2ª emissão de debêntures simples, não conversíveis em ações. Serão emitidas 200 mil debêntures da primeira série e 700 mil debêntures da segunda série, totalizando 900 mil.

Manguinhos (RPMG3): A Refinaria de Petróleos de Manguinhos informou que está instaurando uma sindicância para apurar as causas do incêndio que atingiu nesta segunda-feira, 17, a área de descarga e recebimento de insumos da empresa.

Energisa (ENGI11): A Energisa informou a reabertura pelo prazo de 15 dias úteis que permite aos acionistas da companhia solicitar a conversão de ações preferenciais em ações ordinárias, bem como de ações ordinárias em ações preferenciais.

Guararapes (GUAR3): Em reunião realizada nesta segunda-feira, 17, a Guararapes anunciou o creditamento de juros sobre o capital próprio a serem imputados ao dividendo obrigatório do exercício de 2018, referente ao período de outubro a dezembro de 2018, no valor bruto de R$ 173.050.800,00. A data de pagamento será deliberada na Assembléia Geral Ordinária de 2019.

Recomendação de ativos

Lopes (LPSB3): A equipe do BTG Pactual reiniciou a cobertura da construtora Lopes com recomendação de compra e preço-alvo de R$ 6,70.

Rumo Logística (RAIL3): O banco UBS elevou o preço-alvo da Rumo Logística de R$ 14,4 para R$ 17,50. A recomendação neutra foi mantida.

Commodities

Minério de ferro: Nesta terça-feira, os contratos futuros do minério de ferro encerram a sessão com desvalorização, na bolsa chinesa de mercadorias de Dalian. O ativo teve queda de 0,41% a 486,00 iuanes por tonelada.

Petróleo Brent: O barril do petróleo Brent, com vencimento em fevereiro, abriu a sessão desta terça-feira (17) em queda no mercado de futuros de Londres. Cotado a US$ 58,62, o ativo registrou uma variação de 1,60% com relação ao fechamento da sessão anterior.

Câmbio

Dólar: O dólar opera em queda nesta terça-feira (18), monitorando a trajetória externa em semana de expectativa pela decisão do Federal Reserve (banco central dos EUA) sobre a taxa de juros nos Estados Unidos. Às 9h09, a moeda norte-americana caía 0,23%, vendida a R$ 3,8867. (G1)

Agenda econômica

CapturadeTela2018-12-18às09.11.24

Deixe um comentário