Rendimento VGBL em 2018: entenda como funciona esse plano de previdência privada

LinkedIn

É muito comum na cultura financeira do Brasil garantir uma renda melhor para a aposentadoria. Conhecida como previdência privada, alternativas para além do INSS são ofertadas por instituições financeiras em dois planos: VGBL e PGBL.

A fim de esclarecer todas as dúvidas, iremos mostrar neste artigo tudo sobre o plano Vida Gerador de Benefícios Livres (VGBL). Desta forma, você vai poder verificar se vale a pena adquirir um plano de previdência desse tipo.

A rentabilidade do VGBL

É interessante que os brasileiros entendam que os resultados da rentabilidade da previdência VGBL é incerto, pois quando se adquire um plano, é possível ter apenas a projeção de como será o desempenho ao longo dos anos.

O cálculo do rendimento do VGBL é feito com base em alguns elementos, como: a taxa de juros e as estatísticas sobre a expectativa de vida divulgada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Então, a rentabilidade do plano vai depender da influência desses elementos. Por isso, é possível que, no final, os valores sejam diferentes do que foi estimado no momento da contratação.

Para 2019, a previsão não é tão satisfatória para o rendimento VGBL nos planos de renda fixa. Em 2018, o seu retorno apresentou rentabilidade menor que 6,75%, e em 2019 a expectativa é que o seu retorno fique abaixo de 8%. A explicação para este resultado seria a grande concentração de títulos públicos nas carteiras de investimentos.

Como no mercado existem inúmeras aplicações financeiras, então é interessante que se faça um estudo dos produtos que apresentam melhor rendimento, e que se adequam ao objetivo e perfil do investidor.

O que é VGBL?

VGBL significa Vida Gerador de Benefícios Livres, que é uma modalidade de previdência privada comercializada no Brasil. É interessante salientar que a previdência privada é uma forma de aplicação muito utilizada pelas pessoas que desejam ter uma renda extra após se aposentar.

Este tipo de plano de previdência privada pode ser oferecido por seguradoras, instituições financeiras, bancos, distribuidoras de valores mobiliários e gestoras de recursos. 

Vantagens e desvantagens do VGBL

Como toda aplicação financeira, existem pontos positivos e negativos a serem considerados. Portanto, veja abaixo as principais vantagens e desvantagens desta modalidade de previdência privada.

Vantagens

Uma das vantagens do VGBL é na tributação do Imposto de Renda, que é cobrado apenas sobre a rentabilidade da aplicação e não sobre o valor total obtido.

Outra vantagem a se destacar é a possibilidade de conseguir juntar dinheiro no longo prazo, proporcionando um bom rendimento realizando depósitos frequentes ao longo dos anos.

Desvantagens

Uma desvantagem do VGBL é o pagamento de altas taxas de administração, que podem incidir anualmente sobre o valor total da aplicação. Além disso, existem instituições financeiras que cobram taxa de carregamento, que consiste na cobrança de um percentual a cada depósito realizado.

Por isso, é muito importante pesquisar bastante entre as opções de VGBL ofertadas, pois essas taxas quando altas podem afetar negativamente os rendimentos. Outro ponto negativo ocorre na declaração do Imposto de Renda, pois os valores pagos não podem ser abatidos da base de cálculo.

Taxas e tributações do VGBL

Existem 3 taxas que podem ser cobradas no plano de previdência VGBL:

  • Administração: Esta taxa pode ser cobrada anualmente por meio de um percentual que incide sobre o total da aplicação.
  • Carregamento: Esta taxa incide sobre cada contribuição que for realizada.
  • Imposto de Renda: A cobrança é feita apenas sobre a rentabilidade final da aplicação. Esta cobrança é feita levando em consideração a tabela de tributação regressiva ou progressiva.

A tributação regressiva funciona da seguinte forma: quanto mais tempo o dinheiro permanecer aplicado na previdência, as alíquotas diminuirão. Veja na prática como isso acontece:

  • Até 2 anos: 35%.
  • De 2 a 4 anos: 30%.
  • De 4 a 6 anos: 25%.
  • De 6 a 8 anos: 20%.
  • De 8 a 10 anos: 15%.
  • Acima de 10 anos: 10%.

Já na tributação progressiva, as alíquotas terão um aumento durante o tempo e isto não está ligado ao prazo, e sim ao montante anual investido. Conforme a seguinte lógica:

  • Até R$ 22.847,76 no fim de um ano: isento de Imposto de Renda.
  • Do valor anterior até R$ 33.919,80: 7,5%.
  • De R$ 33.919,92 até R$ 45.012,60: 15%.
  • De R$ 45.012,72 até R$ 55.976,16: 22,5%.
  • Acima de R$ 55.976,16: 27,5%.

Como escolher o plano de previdência privada?

Os planos de previdência privada possuem ligação com algum plano de investimento. Isto é, a pessoa coloca o seu dinheiro num plano VGBL de uma instituição, que vai fazê-lo render por meio de diversos tipos de aplicações. Por isso é muito importante que seja escolhido o plano que condiz com o perfil do investidor.

As pessoas que possuem um perfil mais conservador, normalmente, aplicam o seu dinheiro em planos 100% de renda fixa porque os riscos são menores. Já as pessoas mais ousadas, podem escolher planos mais agressivos, onde 70% do patrimônio é de renda variável e 30% renda fixa, por exemplo.

Outro ponto interessante para considerar na hora de escolher um plano de previdência privada é a tributação. Conforme mostramos, existem duas formas de tributação: progressiva e a regressiva.

Na tributação progressiva, existe a variação conforme a tabela do Imposto de Renda (IR) e aumenta de acordo com o valor do resgate. Isto é, o percentual da tributação será maior caso a retirada seja maior.

A tributação regressiva é interessante para quem possui um projeto de poupança de longo prazo, porque a tributação é descontada no momento do resgate e cai ao longo do tempo.

É interessante frisar que, quem escolher o plano com tributação progressiva, fica livre para migrar para a regressiva, mas com a regressiva não é possível fazer a migração para a tributação progressiva.

Riscos de investir no VGBL

Apesar da previdência privada possuir um baixo risco, existem alguns pontos que precisam de atenção. Um dos riscos do VGBL é a possibilidade do banco que o investidor adquiriu o plano quebrar e não conseguir arcar com seus compromissos.

Outro risco é no desempenho da aplicação. Como já explicamos anteriormente, não existe 100% de garantia para o rendimento VGBL estimado pois os resultados reais dependem de vários fatores.

Então, antes de aplicar o seu dinheiro numa previdência privada, o ideal é avaliar outras aplicações financeiras de renda fixa que podem oferecer uma melhor rentabilidade e mais vantagens para o dinheiro investido.

Deixe um comentário

Esta área do website ADVFN.com é destinada para comentários e anáises individuais independentes. Estes blogs são administrados por autores independentes através de uma plataforma de alimentação comum, não representando as opiniões da ADVFN. A ADVFN não monitora, aprova, altera ou exerce controle editorial sobre estes artigos, não aceitando, portanto, ser responsabilizada por tais informações. As informações disponibilizadas no website ADVFN.com destina-se para sua informação em geral mas não, necessariamente, para suas necessidades particulares. As informações não constituem qualquer forma de recomendação ou aconselhamento por parte da ADVFN.COM.