Sinais de correção após forte alta com Fed dovish e mercado de trabalho americano

LinkedIn

Mercado de trabalho norte-americano contraia a percepção de crescimento econômico moderado em 2019. Os dados do payroll, divulgados na sexta-feira (dia 04 de janeiro), mostraram uma criação de 312.000 empregos em dezembro; além disso, houve revisões de divulgações antecedentes, somando 58.000 empregos adicionais. O que foi considerada a maior divulgação nos últimos anos, mostra o quão aquecido foi o mercado de trabalho norte-americano em 2018. O ganho médio por hora trabalhada registrou 3,2% em sua taxa anual, o que pode pressionar adicionalmente os riscos de inflação. A taxa de desemprego subiu de 3,7% para 3,9%, impacto do aumento da participação na força de trabalho que subiu para 63,1%.

Atividade econômica

Embora a divulgação jogue um balde de água fria em uma das maiores preocupações dos mercados acionários — desaceleração da atividade econômica em 2019 — os dirigentes do Federal Reserve terão de lidar com a insatisfação dos agentes econômicos dentro do sistema financeiro ao passo que lidam com os indicadores de inflação num mercado de trabalho aquecido.

Mercados acionários

Após a leitura do payroll, na sexta-feira, os mercados avaliaram o discurso dovish de Jerome Powell de forma bastante positiva. Em evento que contou com a participação dos ex-presidentes do Fed (Janet Yellen e Ben Bernanke), Powell disse que os dirigentes estão atentos aos mercados financeiros, e que podem alterar seu caminho de aperto gradual do seu balanço a qualquer momento. Os mercados acionários internacionais subiram fortemente, retirando o peso daqueles que se preocupavam com a redução da liquidez sistema financeiro.

Na Ásia, o fechamento foi de pleno otimismo com conversas sobre a solução da guerra comercial e um Fed mais dovish. Apesar do encontro potencial entre os líderes das duas grandes potencias, EUA e China, o movimento de hoje dá sinais de correção nas bolsas ocidentais. Os índices futuros de Nova York operam com estabilidade, e os índices da Europa são negociados em campo negativo. O dólar sofre uma depreciação em relação aos seus principais pares, enquanto os preços do petróleo sobem forte (WTI retorna a US$ 49,1 o barril). O mercado internacional de juros segue sem tendência, e o rendimento da treasury de 10 anos retornou ao patamar de 2,64%.

No Brasil, o Ibovespa segue para a sua sexta alta consecutiva e demonstra um otimismo generalizado. Os juros sobem, e o dólar é negociado em baixa, cotado a RS$ 3,70. Estatais, empresas bancárias e de materiais básicos são destaque de alta.

Expectativas dos agentes

A agenda econômica do dia se concentra em relatórios sobre a situação econômica nos Estados Unidos. Os índices PMI e as encomendas à indústria são o foco desta segunda-feira. Na semana, o foco será o indicador CPI (índice de preços) que dará sinais de como se comportou a inflação em dezembro.

Deixe um comentário

Esta área do website ADVFN.com é destinada para comentários e anáises individuais independentes. Estes blogs são administrados por autores independentes através de uma plataforma de alimentação comum, não representando as opiniões da ADVFN. A ADVFN não monitora, aprova, altera ou exerce controle editorial sobre estes artigos, não aceitando, portanto, ser responsabilizada por tais informações. As informações disponibilizadas no website ADVFN.com destina-se para sua informação em geral mas não, necessariamente, para suas necessidades particulares. As informações não constituem qualquer forma de recomendação ou aconselhamento por parte da ADVFN.COM.