Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado desta segunda-feira

LinkedIn

Investing.com – Confira as cinco principais notícias desta segunda-feira, 25 de fevereiro, sobre os mercados financeiros:

1. Trump adia tarifas americanas sobre produtos chineses.

O presidente Donald Trump disse no domingo que iria adiar o aumento das tarifas sobre produtos chineses que estavam agendados para sexta-feira, citando “progressos substanciais” nas negociações comerciais EUA-China no fim de semana.

O presidente disse em uma série de tuítes que o progresso havia sido feito em uma série de questões controversas, incluindo proteção à propriedade intelectual, transferências de tecnologia, agricultura, serviços e divisas.

Trump também disse que ele e o presidente chinês, Xi Jinping, se reunirão em sua propriedade em Mar-a-Lago, na Flórida, para selar um acordo se o progresso continuar.

Os desenvolvimentos marcam o progresso mais significativo até agora em direção ao final de uma guerra comercial entre as duas maiores economias do mundo.

Trump planejava elevar as tarifas de 10% para 25%, sobre importações chinesas para os EUA no valor de US$ 200 bilhões. Se um acordo entre as duas maiores economias do mundo não fosse alcançado até sexta-feira.

2. Pausa nas tarifas leva a China à mercado bullish

As ações na China continental registraram ganhos sólidos no dia, com o Shangai Composite entrando em um mercado de alta depois que o presidente Trump adiou o aumento das tarifas programadas para 1º de março.

O Índice Shanghai Composite subiu 5,6%, seu melhor ganho percentual de um dia desde junho de 2015, atingindo um pico de oito meses. As ações subiram um pouco mais de 20% em relação à baixa em 3 de janeiro , satisfazendo a definição técnica de um mercado touro.

Ainda na Ásia, o índice Nikkei do Japão também ganhou, subindo cerca de meio por cento até seu maior nível desde meados de dezembro.

O renovado otimismo comercial elevou os mercados na Europa também, onde o índice pan-europeu STOXX 600 atingiu seu maior nível desde 10 de outubro. As ações de automóveis e recursos básicos lideraram os ganhos à medida que o adiamento das tarifas desencadearam um alívio nos setores considerados de maior risco devido ao crescimento global mais lento.

3. Futuros da Dow apontam para ganhos de três dígitos

O mercado futuro dos EUA apontavam para uma abertura ligeiramente em alta com o Dow se movendo para um ganho de três dígitos, com o otimismo sobre a disputa comercial EUA-China elevando o ânimo.

Por volta das 7h30, o índice blue chip futuros do Dow subia 138 pontos, ou cerca de 0,5%, os futuros do S&P 500 somavam 11 pontos, ou cerca de 0,4%, enquanto o índice futuro de tecnologia Nasdaq 100 tinha um ganho de 38 pontos, ou aproximadamente 0,5%.

Em balanços, a Ets, Shake Shack, e Hertz Global estão entre as principais empresas que deverão apresentar seus mais recentes números trimestrais.

Na frente de dados, a leitura mais recente sobre o {{ec-523||Índice de atividade nacional do Fed de Chicago}} deve ser divulgado às 10h30, seguido pelos dados do comércio atacadista e o estudo do Fed de Dallas sobre a atividade industrial com divulgação marcada para as 12h00.

O índice dólar, que mede a força da moeda frente a uma cesta ponderada de seis principais divisas, recuava 0,1%, para 96,26.

4. Petróleo próximo à máxima de 2019

Em commodities, os preços do petróleo mantiveram-se perto de seu nível mais alto para o ano, apoiados pelo otimismo de que Washington e Pequim logo resolveriam uma série de disputas comerciais que reduziram o crescimento econômico global.

Os contratos futuros de petróleo Brent estavam cotados a US$ 67,44 por barril, um aumento de 20 centavos, ou cerca de 0,3%, não muito distante da pico de 2019, de US$ 67,73 na sexta-feira.

Os contratos futuros do petróleo bruto West Texas Intermediate subiram 18 centavos, ou cerca de 0,3%, para US$ 57,42 por barril, em comparação à uma alta de mais de três meses de US$ 57,81.

5. Incerteza do Brexit aumenta à medida que May adia votação importante

Com apenas 32 dias até que o Reino Unido deixe a União Europeia, o governo britânico está considerando diferentes opções, incluindo possivelmente atrasar o Brexit, se o parlamento não aprovar o contrato da primeira-ministra Theresa May até 12 de março.

A premiê britânica adiou no domingo uma votação no parlamento sobre seu acordo sobre o Brexit para apenas 17 dias antes da data marcada de 29 de março para a saída da Grã-Bretanha da União Européia, estabelecendo um confronto esta semana com os legisladores.

O líder da oposição trabalhista, Jeremy Corbyn, estava entre os que criticaram a decisão de adiar a votação parlamentar sobre o acordo Brexit, dizendo que o governo de May está “descuidadamente correndo o tempo todo”, perto da data da separação.

A libra estava ligeiramente maior cotada em US$ 1,3080.

– Reuters contribuiu com esta reportagem

Deixe um comentário

Esta área do website ADVFN.com é destinada para comentários e anáises individuais independentes. Estes blogs são administrados por autores independentes através de uma plataforma de alimentação comum, não representando as opiniões da ADVFN. A ADVFN não monitora, aprova, altera ou exerce controle editorial sobre estes artigos, não aceitando, portanto, ser responsabilizada por tais informações. As informações disponibilizadas no website ADVFN.com destina-se para sua informação em geral mas não, necessariamente, para suas necessidades particulares. As informações não constituem qualquer forma de recomendação ou aconselhamento por parte da ADVFN.COM.