EUA: Bolsonaro tem reuniões com ex-secretário do Tesouro e empresários

LinkedIn

Em Washington (EUA), o presidente  Jair Bolsonaro tem reuniões hoje (18) com o ex-secretário do Tesouro norte-americano Henry “Hank” Paulson, participa de cerimônia de assinatura de atos e janta com executivos do Conselho Empresarial Brasil-Estados Unidos. É a primeira viagem internacional com caráter bilateral. Antes, o presidente foi a Davos, na Suíça, para o Forum Econômico Mundial.

Às 15h30, Bolsonaro se reúne com Henry “Hank” Paulson. No final da tarde, participa da cerimônia de assinatura de atos. As atenções estão voltadas para o Acordo de Salvaguardas Tecnológicas entre o Brasil e os Estados Unidos.

A medida permitirá o uso comercial da Base de Lançamentos Aeroespaciais de Alcântara (MA). Estima-se que, em todo o mundo, exista uma média de 42 lançamentos comerciais de satélites por ano.

Blair House

O presidente da República está hospedado na Blair House, um palácio no qual ficam os convidados do governo norte-americano.  A construção, de meados do século XIX, fica próxima à Casa Branca.

Bolsonaro chegou sob protesto mas comemorou.

O prédio foi comprado em 1942 pelo governo dos Estados Unidos e tornou-se um complexo formado por quatro casas interligadas, incluindo o edifício original.

Amanhã (19) está previsto o encontro de Bolsonaro com o presidente Donald Trump. Haverá uma declaração à imprensa no Rose Garden. Em seguida, ele irá ao cemitério de Arlington.

Bolsonaro deve chegar a Brasília na quarta-feira (20). Em seguida, no dia 21, irá para o Chile onde participa da Cúpula do Prosur, grupo que se destina a implementar medidas de interesse dos países da América do Sul.

“Comunismo não pode imperar”

O presidente Jair Bolsonaro aproveitou a plateia conservadora de seu primeiro compromisso da visita de três dias a Washington, um jantar que reuniu na mesma mesa o escritor Olavo de Carvalho e o ex-estrategista da Casa Branca Steve Bannon, para reiterar sua intenção de evitar o ressurgimento de ideias de esquerda.

 Segundo o porta-voz da Presidência, general Otávio Rêgo Barros, Bolsonaro fez um discurso no início do jantar e “levantou algumas ideias” sobre comércio e diplomacia.

“As ideias do nosso presidente são de fortalecer o nosso comércio, reconhecendo que os EUA são o segundo mercado para os produtos brasileiros, reconhecendo que a diplomacia de fortalecer a democracia nesse lado do Ocidente é extremamente importante, e que aspectos relativos ao antigo comunismo não podem mais imperar nesse ambiente que nós vivenciamos”, disse o porta-voz, que saiu do jantar durante alguns momentos para falar com jornalistas do lado de fora.

Na lista de convidados, além dos sete ministros que acompanham Bolsonaro na viagem aos Estados Unidos, e de Olavo e Bannon, entraram nove outras expoentes do pensamento conservador norte-americano, como Matt Schlapp, presidente da União Conservadora Americana, e Chris Buskirk, editor do site American Greatness.

 O porta-voz do Planalto fez questão de afirmar que as ideias de Bolsonaro estavam sendo “muito bem recebidas” pelos convidados.

No Twitter, o presidente publicou uma foto do evento com o chanceler Ernesto Araújo e Olavo de Carvalho. Mais tarde, o filho do presidente, deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), comemorou o encontro do pai com Carvalho, que se tornou guru de uma parte considerável do governo, incluindo do chanceler, além dos próprios filhos do presidente.

EMBAIXADOR NOS EUA

O porta-voz reafirmou a decisão do presidente de trocar o embaixador em Washington, Sérgio Amaral, mas disse que Bolsonaro ainda analisa nomes que possam “identificar as possibilidades de mudança”, por reconhecer que a embaixada é um posto de “extrema importância”.

 Rêgo Barros negou que tenha havido constrangimento no encontro entre o presidente e Amaral, a quem Bolsonaro acusou poucos dias antes de viajar aos Estados Unidos de não ter trabalhado suficientemente para reverter sua imagem pessoal negativa.

“Foi muito fidalgo da parte do embaixador e também da parte dele, até fez um reconhecimento de toda a caracterização dessa visita que foi liderada pelo nosso embaixador. O embaixador é uma pessoa especial”, disse o porta-voz.

Bolsonaro pretende trocar em breve os embaixadores de pelo menos 15 postos considerados chave para o governo, entre eles EUA e a representação na Organização das Nações Unidas.

Deixe um comentário