PMC: Volume de vendas no comércio varejista brasileiro caiu em 15 dos 27 locais pesquisados pelo IBGE em Fevereiro de 2019

LinkedIn

Na passagem de janeiro para fevereiro de 2019, na série com ajuste sazonal, a taxa média nacional de vendas do comércio varejista mostrou estabilidade (0,0%) com predomínio de resultados negativos em 15 das 27 Unidades da Federação, com destaque, por magnitude de taxa, para: Paraná (-1,5%), Distrito Federal (-1,1%) e Piaui (-1,1%). Por outro lado, pressionando positivamente, figuram, 12 das 27 Unidades da Federação, com destaque para: Tocantins (8,9%), Espírito Santo (5,0%) e Sergipe (2,6%).

Para a mesma comparação, no comércio varejista ampliado, a variação entre janeiro e fevereiro foi de decréscimo de 0,8%, com predomínio de resultados negativos em 14 das 27 Unidades da Federação, com destaque para: Acre (-2,2%), Distrito Federal (-1,7%) e Minas Gerais (-1,3%). Por outro lado, pressionando positivamente, figuram 13 das 27 Unidades da Federação, com destaque para: Tocantins (4,8%), Amapá (4,2%) e Bahia (1,2%).

Frente a fevereiro de 2018, a variação do volume de vendas do comércio varejista nacional foi 3,9%, com predomínio de resultados positivos, que atingiram 22 das 27 Unidades da Federação, com destaque para: Espírito Santo (12,6%), Acre (9,0%) e Pará (8,2%). Por outro lado, pressionando negativamente, figuram cinco das 27 Unidades da Federação, com destaque para: Piaui (-6,8%), Roraima (-3,0%) e Paraná (-1,8%). Quanto à participação na composição da taxa do varejo, destacam-se São Paulo (4,9%), Rio de Janeiro (4,2%) e Santa Catarina (6,8%).

Considerando o comércio varejista ampliado, no confronto com fevereiro de 2018, o aumento de 7,7% foi acompanhado por 26 das 27 Unidades da Federação que apresentaram variações positivas, com destaque, em termos de volume de vendas, para Mato Grosso (12,1%), Goiás (11,3%) e Pará (10,8%). Por outro lado, pressionando negativamente, figura somente Roraima (-0,8%). Quanto à participação na composição da taxa do varejo ampliado, o destaque foi para São Paulo (8,6%), Rio Grande do Sul (9,6%) e Santa Catarina (9,9%).

Entenda a Pesquisa Mensal do Comércio

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), através da Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), produz indicadores de curto prazo relativos ao setor varejista brasileiro.

Iniciada em janeiro de 1995, a pesquisa cobre todo o território nacional e é divulgada mensalmente, após coleta de dados em mais de 5.700 empresas comerciais, selecionadas a partir do cadastro das empresas com vinte ou mais pessoas ocupadas (assalariadas e não assalariadas).

A PMC abrange dez grupos de atividades: combustíveis e lubrificantes; supermercados, hipermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo; tecidos, vestuário e calçados; móveis e eletrodomésticos; artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos; equipamentos e materiais para escritório, informática e de comunicação; livros, jornais, revistas e papelaria; outros artigos de uso pessoal e doméstico; veículos e motocicletas, partes e peças; e materiais de construção. Os oito primeiros segmentos listados têm receitas geradas predominantemente na atividade varejista. Já os dois últimos (veículos e motos, partes e peças e materiais de construção), englobam varejo e atacado.

Para realização da pesquisa, o IBGE coleta dados sobre a receita bruta mensal das empresas, proveniente da revenda de mercadorias, não deduzidos os impostos incidentes e nem as vendas canceladas, abatimentos e descontos incondicionais. Também não estão incluídas as receitas financeiras e não-operacionais. A partir da receita bruta de revenda investigada são construídos indicadores para duas variáveis: Receita Nominal de Vendas e Volume de Vendas.

Clique aqui para saber mais detalhes sobre a Pesquisa Mensal do Comércio realizada em Fevereiro de 2019.

Deixe um comentário