INDICADORES: Resumo Econômico para sexta-feira

LinkedIn

Acompanhe o resumo da agenda econômica desta sexta- feira (07/02/2020) e que está direcionando o mercado global. O destaque fica para o Payroll dos Estados Unidos.

ÁSIA

No Japão, os gastos das famílias caíram 4,8% em dezembro em relação ao ano anterior, mostraram dados do Governo nesta sexta-feira, ficando bem abaixo da previsão mediana de um declínio de 1,7%. Depois do aumento dos impostos de 8% para 10%, o primeiro aumento desse tipo em quatro anos e meio, caiu 5,1% em outubro, o ritmo mais rápido de queda desde março de 2016 e caiu 2,0% em novembro.

No Japão, o principal índice subiu em dezembro, depois de cair no mês anterior, mostraram dados preliminares do Gabinete do Governo. O índice líder, que mede a atividade econômica futura, subiu para 91,6 em dezembro, ante 90,8 em novembro. Os economistas esperavam uma pontuação de 91,3. Uma leitura semelhante foi vista em outubro. O índice coincidente que reflete a atividade econômica atual permaneceu inalterado em 94,7 em dezembro. Isso estava de acordo com as expectativas dos economistas. O índice de atraso subiu para 106,9 em dezembro, ante 104,4 no mês anterior.

EUROPA

Na Alemanha, em dezembro de 2019, a produção industrial recuou 3,5% em relação ao mês anterior, com base em preços, com ajuste sazonal e calendário, de acordo com dados provisórios do Departamento Federal de Estatística (Destatis).

Em novembro de 2019, o número corrigido mostra um aumento de 1,2% (primário + 1,1%) em relação a outubro de 2019.Em dezembro de 2019, a produção na indústria, excluindo energia e construção, caiu 2,9%. Na indústria, a produção de bens de capital diminuiu 3,5% e a produção de bens de consumo, 2,0%. A produção de bens intermediários apresentou queda de 2,6%.

Na Alemanha, em 2019, as exportações e importações alemãs excederam os recordes anteriores de 2018. No entanto, o crescimento do comércio exterior diminuiu em comparação com os anos anteriores. Em 2019, a Alemanha exportou mercadorias no valor de € 1.327,6 bilhão e importou no valor de € 1.104,1 bilhão.

Com base em dados provisórios, o Departamento Federal de Estatística (Destatis) também informa que as exportações aumentaram 0,8% em relação a 2018. As importações aumentaram 1,4%. Em 2018, as exportações aumentaram 3,0% e as importações 5,6% em comparação com o ano anterior. Em 2017, as exportações foram de 6,2% e as importações 8,0% maiores que no ano anterior.

Na França, em dezembro de 2019, a produção diminuiu na indústria de transformação em 2,6%, depois da queda de 0,4%, bem como em toda a indústria, queda de 2,8%, depois da estabilidade. No último trimestre, a produção industrial caiu 0,4% no último trimestre, a produção caiu um pouco na indústria manufatureira, -0,4%, assim como em toda a indústria, queda 0,6%. Os dados são do INSEE.

Na França, em 2019, as exportações francesas desaceleraram, alta de 3,3% ante os 3,9% de 2018. As importações desaceleraram significativamente na alta de 2,2% em 2019 depois da alta de 4,3% em 2018. A balança comercial melhorou em € 3,9 bilhões e ficou em queda de € 58,9 bilhões, depois da queda de € 62,8 bilhões em 2018.

O saldo da manufatura melhorou € 1,2 bilhão e parece marcar um platô após a tendência de queda observada por quase duas décadas. Este ano foi caracterizado por exportações dinâmicas de produtos aeronáuticos, farmacêuticos e de perfumaria, que superaram o aumento nas compras externas de carros e máquinas.

A queda dos preços do petróleo reduz o déficit de energia em € 0,8 bilhões. O ligeiro aumento do superávit agrícola e o crescimento das exportações de equipamentos militares também contribuíram para a melhoria da balança comercial. Os dados são do Governo da França.

No Reino Unido, os preços das casas começaram o ano com um modesto aumento mensal, 0,4% em janeiro, depois dos ganhos mais fortes de 1,8% e 1,2% observados em dezembro e novembro, respectivamente. Como resultado, o crescimento anual permaneceu relativamente estável em 4,1%, apenas uma fração em relação ao final de 2019. O preço médio é de £ 240.054. Os dados são do Halifax.

Na Itália, em dezembro de 2019, as estimativas do comércio varejista aumentaram em valor e em volume em 0,5% na série mês a mês. No 4º trimestre de 2019, as estimativas mostram que não houve crescimento, pois o valor das vendas permaneceu estável e o volume de vendas aumentou 0,1% em comparação com o trimestre anterior. Na comparação anual, o valor e o volume do comércio varejista subiram pelo sétimo mês consecutivo em dezembro de 2019, aumentando 0,9% e 0,6%, respectivamente. As vendas totais da distribuição em larga escala aumentaram ligeiramente 0,1% em relação a dezembro de 2018, enquanto a distribuição em pequena escala diminuiu 0,9%. Os dados são do Istat.

CANADÁ

No Canadá, o emprego aumentou em 35 mil (+ 0,2%) em janeiro, todos em tempo integral. A taxa de desemprego caiu 0,1 pontos percentuais, para 5,5%. O emprego adicional em janeiro contribuiu para ganhos totalizando 268 mil dólares canadenses (+ 1,4%) desde janeiro de 2019. Todo esse aumento foi resultado do crescimento do emprego em período integral. No mesmo período, o total de horas trabalhadas aumentou 0,5%.

ESTADOS UNIDOS

Nos Estados Unidos, o total de empregos não-agrícolas na folha de pagamento (Payroll) subiu para 225 mil em janeiro, acima da estimativa de 163 mil. A taxa de desemprego pouco mudou em 3,6%, informou hoje o Departamento do Trabalho dos Estados Unidos.

Os maiores ganhos ocorreram nos setores de construção, assistência médica e no transporte e armazenamento. Tanto a taxa de desemprego, de 3,6%, quanto o número de desempregados, de 5,9 milhões, mudaram pouco em janeiro.

Nos Estados Unidos ainda serão apresentados dois indicadores.

BRASIL

No Brasil, a inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), desacelerou para 0,21% em janeiro, depois de registrar alta de 1,15% em dezembro, divulgou hoje (7) o IBGE. É o menor resultado para um mês de janeiro desde o início do Plano Real, em julho de 1994. No acumulado dos últimos 12 meses, o indicador registrou 4,19%. Em janeiro de 2019, a taxa havia ficado em 0,32%.

A variação dos preços no mês passado foi calculada com base na nova cesta de produtos e serviços, que foi atualizada, a partir da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2017-2018, para acompanhar mudanças nos hábitos de consumo da população brasileira. O IPCA de janeiro contém ainda preços do transporte por aplicativo, coletados pela primeira vez por um robô virtual.

No Brasil, o Índice Nacional da Construção Civil (Sinapi), divulgado hoje (07) pelo IBGE, variou 0,30% em janeiro, ficando acima da taxa de dezembro de 2019, que havia sido de 0,22%. Esse indicador mede o custo nacional para o setor habitacional por metro quadrado, que passou para R$ 1.162,24, sendo R$ 609,39 relativos aos materiais e R$ 552,85 à mão de obra.

Os materiais apresentaram variação de 0,62%, registrando altas significativas tanto em relação a dezembro de 2019 (-0,13%), como em relação ao mesmo mês do ano anterior (0,19%). Já o valor da mão de obra teve queda de 0,06%, uma redução em relação a dezembro de 2019 (0,59%). Comparando com janeiro do ano anterior (0,68%), houve queda mais significativa devido à ocorrência de dissídios.

No Brasil, o Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI) variou 0,09% em janeiro, percentual inferior ao apurado no mês anterior, quando o índice havia sido de 1,74%. Com este resultado, o índice acumula alta de 7,72% em 12 meses. Em janeiro de 2019, o índice havia subido 0,07% e acumulava elevação de 6,56% em 12 meses.

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) caiu 0,13% em janeiro, ante alta de 2,34% em dezembro. Na análise por estágios de processamento, o grupo Bens Finais variou de 2,88% em dezembro para -1,42% em janeiro. O principal responsável por este recuo foi o subgrupo alimentos processados que passou de 5,86% para -4,09%. O índice de Bens Finais (ex), que resulta da exclusão de alimentos in natura e combustíveis para o consumo, caiu 1,30% em janeiro, contra alta de 2,11% em dezembro.

Deixe um comentário