Mercados tentam recuperar após números da China melhores do que o esperado

LinkedIn

ÁSIA: As bolsas da região Ásia-Pacífico fecharam sem direção nesta terça-feira, após um índice chinês para março sair melhor do que alguns analistas esperavam.

A China disse na terça-feira que seu índice PMI oficial de manufatura para março ficou em 52,0, indicando uma expansão e desafiando as expectativas de uma contração. Analistas consultados pela Reuters esperavam que o número chegasse a 45 no mês. As leituras do PMI abaixo de 50 significam uma contração, enquanto os valores acima desse nível indicam uma expansão.

Segundo economistas, esse salto não é surpreendente se lembrarmos da drástica contração em fevereiro, a maior queda em 15 anos. “As perspectivas para o segundo trimestre continuam preocupantes devido a uma queda acentuada na demanda externa e uma demanda doméstica morna”.

Em fevereiro, o PMI oficial de manufatura caiu para um recorde de 35,7, enquanto o país tentava conter o surto de coronavírus. Os investidores estão acompanhando a divulgação de dados econômicos da China em busca de pFistas sobre o impacto econômico do surto sobre a sua economia, visto que o país foi o primeiro a relatar. Agora espera-se os dados privados da Caixin, a título de comparação.

Na China continental, o composto de Xangai subiu 0,11%, para 2.750,30 pontos, enquanto o composto de Shenzhen subiu 0,51%. O índice Hang Seng de Hong Kong fechou 1,85% maior.

Na Coreia do Sul, as bolsas lideraram os ganhos entre os principais mercados da região. O Kospi subiu 2,19% no dia, para 1.754,64 pontos, enquanto o índice Kosdaq avançou 4,97%, fechando em 569,07 pontos.

Após alta espetacular de 7% na sessão anterior, ações australianas reverteram os ganhos e o S & P / ASX 200 fechou em queda de 2,02%, a 5.076,80 pontos. Entre as mineradoras, BHP caiu 2,5% e Rio Tinto recuou 2,4%, enquanto a produtora de petróleo Woodside Petroleum recuperou e avançou 2,7%.

O benchmark da Austrália encerrou o primeiro trimestre com uma queda de 24%. Desde o início do ano, o índice caiu de uma alta de sessão de 7197 pontos em 20 de fevereiro para uma baixa de 4402,50 pontos em 23 de março.

O Nikkei do Japão também fechou em baixa, com queda de 0,88%, para 18.917,01 pontos, enquanto o índice Topix caiu 2,26%,.

No geral, o índice MSCI Asia ex-Japan foi 1.3% maior.

Os contratos futuros de petróleo dos EUA recuperaram da queda do dia anterior na tarde do pregão asiático na terça-feira, subindo 5,18%, para US $ 21,13 por barril. Os contratos futuros do Brent foram negociados em alta de 2,72%, a US $ 23,38 por barril.

Os movimentos ocorreram depois que os preços do petróleo despencaram na segunda-feira para níveis nunca vistos em quase duas décadas – Os futuros do petróleo dos EUA caíram 6,6%, para US $ 20,09, nível mais baixo desde fevereiro de 2002, enquanto o Brent caiu 8,7%, para se fixar em US $ 22,76 por barril, preço visto também pela última vez em 2002.

EUROPA: As bolsas europeias seguem a caminho de seu sétimo ganho em nove sessões na terça-feira, aumentando a crença de que o pior do surto de coronavírus está passando.

O Stoxx Europe 600 sobe 1,9% em relação à sessão anterior e cerca de 15% em relação às mínimas de 18 de março. DAX 30 da Alemanha sobe 1,95%, FTSE 100 do Reino Unido avança 1,63%, CAC 40 da França sobe 0,90%, enquanto FTSE MIB da Itália avança 1,23%.

Em Londres, Anglo American sobe 3,7%, Antofagasta avança 4%, BHP sobe 2,4% e Rio Tinto opera em alta de 0,2%. Entre as produtoras de petróleo, BP sobe 4,3% e Royal Dutch Sell dispara 6,1% após a gigante do petróleo anunciar uma nova linha de crédito de US $ 12 bilhões.

Enquanto isso, o coronavírus continua a dominar o sentimento do mercado global e dos governos. A Organização Mundial da Saúde diz que agora existem mais de 782.000 casos globais e pelo menos 37.000 pessoas morreram. A Itália registrou mais 812 mortes, mas o número de novos casos registrou forte queda. Os novos casos aumentaram 4.050, número mais baixo desde 17 de março. Os EUA ainda lideram o número de casos, com mais de 164.000, seguidos pela Itália, Espanha, China e Alemanha.

O PIB da Espanha no quarto trimestre cresceu 0,4%, segundo dados oficiais na terça-feira, ligeiramente abaixo de uma estimativa anterior, representando um crescimento anual de 1%.

A inflação na zona do euro caiu para 0,7% em março, nível mais baixo desde outubro, devido queda dos preços da energia e aos bloqueios implementados para conter o coronavírus, mas abaixo da taxa de inflação de 1,2% de fevereiro. Essa queda ocorreu em grande parte devido aos preços da energia, que foram 3,1% menores que em fevereiro e 4,3% menores que no ano anterior. Excluindo energia e outros preços voláteis, a taxa básica de inflação caiu para 1,2%.

O declínio da taxa de inflação afasta ainda mais da meta do Banco Central Europeu, de pouco menos de 2%. O BCE respondeu à desaceleração econômica por conta dos bloqueios, aumentando consideravelmente seu programa de compra de títulos e fornecendo empréstimos mais baratos e de longo prazo a bancos com objetivo de que mantenham empréstimos para famílias e empresas afetadas pelo surto virótico.

Os economistas esperam que a taxa anual de inflação caia ainda mais nos próximos meses, mas sua trajetória de longo prazo dependerá da rapidez com que o vírus seja contido e do retorno da demanda, bem como da rapidez com que as empresas podem restaurar sua capacidade à níveis anteriores ao surto.

EUA: Os futuros dos índices de ações dos EUA operam em ligeira alta na manhã de terça-feira, após a recuperação do mercado na sessão anterior após a Johnson & Johnson anunciar que testará uma possível vacina para o coronavírus num futuro não tão longínquo.

De madrugada, os índices futuros apontavam perdas de abertura para os três índices.

O presidente Donald Trump estendeu o cronograma das diretrizes de distanciamento social para 30 de abril, o que muitos acreditam que reduzirão os danos econômicos a longo prazo.

O Dow e o S&P 500 registraram suas melhores séries de altas de três dias desde a década de 1930. Com os ganhos de segunda-feira, o Dow agora subiu 20% em relação à baixa alcançada em 23 de março, enquanto o S&P 500 subiu mais de 17% ante esses níveis.

Mas os investidores continuam a lidar com o agravamento do surto nos EUA, como os casos confirmados subindo para mais de 153.200, de acordo com dados da  Universidade Johns Hopkins. Os EUA também é oficialmente o país mais afetado. Trump disse no domingo que espera que o país “esteja a caminho da recuperação” até 1º de junho.

Na agenda econômica, está prevista a divulgação do Chicago PMI às 10h45 e o índice de confiança do Consumidor às 11h00.

ÍNDICES FUTUROS – 8h00:
Dow: +0,08%
SP500: +0,02%
NASDAQ: +0,20%

OBSERVAÇÃO: Este  material é um trabalho voluntário, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado e a europeia no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário de disponibilização dos dados.

Deixe um comentário