A China testa o Yuan digital na Starbucks, McDonalds e Subway

LinkedIn

Para se preparar para o lançamento do Yuan digital, a China testou sua moeda digital em um tentativo para descobrir o apetite do público em adotar moedas digitais.

A China está em uma posição única para iniciar um processo como esse, pois possui uma das maiores populações “bancárias” do mundo, 79%, com 1,1 bilhão de pessoas.

No início deste ano, o governo chinês anunciou uma estrutura legislativa que visa desbloquear o potencial da tecnologia blockchain – algo inesperado considerando a proibição de criptomoeda chinesa introduzida em setembro de 2017.

Atualmente, o Yuan digital foi testado pouco e foi adotado em um pequeno número de lojas franqueadas, como Subway, McDonald’s e Starbucks, mas foi o primeiro verdadeiro teste de uma moeda digital a pagar por bens e serviços cotidianos. Em um revendedor.

Também é significativo que todas as lojas franqueadas sejam empresas ocidentais de alimentos e bebidas, mostrando potencialmente como um aumento generalizado nas compras de ativos digitais está procurando transações relativamente pequenas.

Embora o Yuan digital não seja considerado uma criptomoeda no sentido tradicional, é centralizado e controlado pelo Banco da China – o teste é o primeiro do tipo que utiliza um ativo digital.

As empresas multinacionais dos EUA que oferecem assistência ao governo chinês para testar sua moeda, podem ser o alerta que alguns varejistas estão esperando para implementar opções de pagamento generalizadas para criptomoedas em outras áreas de negócios. Atualmente, a adoção está mais limitada às compras on-line; portanto, cabe aos varejistas, inspirados no Yuan chinês, dar o primeiro passo.

À medida que os pagamentos móveis sem contato aumentam ano a ano e o uso da liquidez diminui, a China, por meio deste projeto, tenta controlar com mais rigor a oferta de dinheiro e a economia em geral. Os defensores do Bitcoin argumentam que centralizar uma moeda digital sem dinheiro é a antítese do que a tecnologia blockchain deve fornecer: uma reserva de valor descentralizada e confiável para os consumidores.

Todos nós conhecemos a reputação da China relativamente à censura e a sua recusa em aceitar leis de direitos humanos. É por isso que não surpreende que eles tentem usar a idéia de moedas digitais para controlar suas economias mais de perto. A notícia mostra que as multinacionais americanas estão abertas a experimentar moedas digitais para o amplo uso de pagamentos sem contato que surgiram nos últimos anos.

No entanto, a China está em uma posição única para iniciar um processo como esse, pois possui uma das maiores populações “bancárias” do mundo, 79%, com 1,1 bilhão de pessoas, combinada com uma alta porcentagem de proprietários de telefones celulares, o que significa muitos pagamentos sem contato.

Portanto, grande parte da infraestrutura para o lançamento de uma moeda digital já está presente na China, particularmente impressionante por sua enorme população e pelo rápido desenvolvimento econômico das últimas décadas, que agora a colocam em segundo lugar, debaixo dos Estados Unidos, como a mais grande economia do mundo.

Por Ailbhe Hennigan

Deixe um comentário