Bom dia ADVFN - Tensão política e balanço da Hypera são os destaques desta sexta-feira

LinkedIn
Esse é o Bom dia, Investidor! 24 de Abril de 2020, com tudo o que você precisa saber antes da Bolsa abrir!
As principais bolsas europeias abrem em queda de mais de 1%, após uma sessão de perdas na Ásia –  Tóquio fechou com baixa de -0,86% no Nikkei 225, enquanto em Seul o índice Kospi recuou -1,34%. Os índices futuros das bolsas de Nova York operam oscilando entre os terrenos positivo e negativo. Os ativos de risco também são penalizados pela notícia de que fracassou o tratamento da Covid-19 com o remédio antiviral Remdesivir, desenvolvido pela Gilead. Na semana passada, a esperança de cura com tal medicamento havia iludido os investidores.
Os líderes da União Europeia anunciaram ontem no fim do dia que concordaram em aumentar os gastos com o combate à pandemia com um plano estimado entre 1 trilhão e 1,5 trilhão de euros nos próximos sete anos. Além disso, os ministros da economia confirmaram um pacote de ajuda para manutenção de empregos de 540 bilhões de euros.
A Associação Internacional de Transportes Aéreos (IATA) alertou na manhã de hoje que muitas empresas do setor não sobreviverão à queima de caixa por causa da redução drástica e mesmo paralisação dos milhares de voos diários. A receita obtida com as vendas de passagens cairá 55% neste ano, com perdas de US$ 314 bilhões, informou a CNBC.
“A situação está se deteriorando, as empresas entraram em ‘modo de sobrevivência’. Só no primeiro trimestre, a queima de caixa foi de US$ 61 bilhões”, disse Conrad Clifford, vice-presidente regional da IATA para a Ásia-Pacífico.
Os preços do petróleo WTI e Brent operam em baixa. Os futuros internacionais de petróleo Brent (NYMEX:BZ\M20) negociam agora em queda de 1,2% negociado a US$ 21,09.
O WTI (NYMEX:CL\M20) também cai 2,2% sendo negociado a US$ 16,14.
Contratos futuros do minério de ferro negociados na bolsa de Dalian fecharam em queda de -0,41%, cotados a 607.000 iuanes, equivalentes a US$ 85,70
Bitcoin é negociado em alta de +1,37%, valendo US$ 7.583

Coronavírus

Aliás, nos dados oficiais, o total de mortes registradas no Brasil chega a 3,3 mil, após o aumento de 407 óbitos em 24 horas e mais de 1,1 mil mortes nos últimos sete dias. Os casos confirmados da doença no país giram em torno de 50 mil. Já os EUA seguem no topo da lista, com quase 800 mil registros de Covid-19 e mais de 40 mil mortes.

Brasil

Os ruídos políticos vindos de Brasília, após a saia justa envolvendo dois “super ministros”, deixam a sensação de que o cenário doméstico ainda pode piorar mais, antes de melhorar. O temor é de uma escalada da crise, ainda mais após a decisão da Suprema Corte (STF) de investigar os protestos contra a democracia e a omissão da Câmara sobre o pedido de impeachment contra Bolsonaro.

O ministro da Justiça, Sérgio Moro, fará um pronunciamento às 11h.

Somadas, essas preocupações tendem a manter os negócios locais pressionados hoje, com a Bolsa brasileira podendo sucumbir à perda de força dos mercados no exterior nesta manhã e o real continuar não valendo muito, apesar da atuação (sem surpresas) do Banco Central.

Ibovespa e dólar ontem

O Ibovespa terminou em 79.673 pontos, queda de 1,26%, com notícias de falha de remédio para a Covid-19 e susto com possível saída de Moro após se aproximar dos 82 mil pontos na máxima do dia. O ânimo se deu com a alta do petróleo e a retomada gradual das atividades – Lojas Renner anunciou que volta hoje. Petrobras, Vale, Klabin e Suzano foram os destaques positivos. Os principais destaques negativos do índice foram B3, bancos, Notre Dame e Hypera, que dá largada à temporada de balanços do primeiro trimestre.

O dólar emendou o terceiro pregão de alta e o segundo batendo recorde histórico, mesmo após três leilões surpresa de swap cambial do BC, em que colocou 28 mil contratos no total, além de uma rolagem para junho de 10 mil contratos e leilão de linha para amanhã. Após atingir uma máxima no dia em R$5,56, a moeda ficou em inéditos R$5,538, com alta de 1,35%.

Agenda Econômica

A semana chega ao fim com a agenda econômica sem grandes destaques. No Brasil, saem a prévia do índice de confiança da indústria em abril (8h) e a nota sobre o setor externo em março (9h30). Os dados do BC vêm ganhando importância, em uma tentativa de mensurar o impacto da recessão no mundo sobre as contas externas do país.

O déficit nas transações correntes gira um pouco abaixo de 3% do PIB, mas deve piorar. A conferir também a disposição dos estrangeiros em investir por aqui.

O mercado acompanha os números da Hypera, que inaugura a temporada de balanços do primeiro trimestre, e os dados de contas externas brasileiras de março. Nos EUA, saem os Pedidos de Bens Duráveis e de Bens de Capital e, na Alemanha, o índice IFO de Expectativas, indicadores que não devem trazer boas notícias para os mercados.

O que vai rolar hoje

➡️ EUA: balanços da American Express e American Airlines
➡️ Resultados da Hypera após o fechamento
➡️ Arábia Saudita/G20: reunião com ministros do Turismo

➡️ Bélgica: Videoconferência informal do Conselho Europeu
➡️ Alemanha/Ifo: sentimento das empresas em abril (5h)
➡️ FGV: prévia da confiança da indústria em abril e expectativa de inflação (8h)
➡️ IPC-S Capitais em abril (8h)
➡️ Conta corrente e IDP (9h30)
➡️ EUA: encomendas de bens duráveis em março (9h30)
➡️ BC faz leilão de linha de até US$ 3 bi (10h15)
➡️ Paulo Guedes participa de live do Itaú BBA (10h30)
➡️ EUA/Michigan: sentimento do Consumidor (abril) (11h)
➡️ BC faz leilão de swap de até 10 mil contratos (11h30)
➡️ EUA/Baker Hughes: atividade semanal de petróleo (14h)
➡️ Braga Netto discute Pró-Brasil com ministérios (14h)
➡️ Live da XP com lideranças do setor financeiro (17h30)

Destaques Corporativos do dia

Momento B3: Dividendos Pão de açúcar, resultados Hypera e outros destaques corporativos

Destaques Wall Street: Google, Boeing, Intel, resultados trimestrais e mais destaques nesta sexta-feira

Usuários ADVFN acompanham, gratuitamente e em tempo real, a cotação de todas as ações negociadas na B3 (BOV:IBOV) e em mais de 80 bolsas mundiais através das ferramentas Monitor, Cotação e Gráfico.

* Com Infomoney e a bula do mercado

Comentários

  1. JOÃO MANUEL MARQUES DE SOUSA diz:

    Agradeço ao REPÓRTER ADVFN-BRASIL pelas noticias com credibilidade internacional.
    Espero continuar a receber o BOM DIA ADVFN.
    Grato !

Deixe um comentário para JOÃO MANUEL MARQUES DE SOUSA