Ata Fomc: Fed teme que falta de estímulo fiscal adicional possa prejudicar a recuperação da economia

LinkedIn

Funcionários do Federal Reserve temem que a falta de estímulo fiscal adicional possa prejudicar a recuperação da economia que está avançando mais rápido do que o esperado, de acordo com a ata divulgada na quarta-feira na reunião de setembro do banco central.

O Federal Open Market Committee divulgou na quarta-feira a ata de sua reunião de 15 a 16 de setembro. O braço de formulação de políticas do Fed manteve as taxas de juros estáveis ​​na reunião e aprovou um texto que descreve sua nova abordagem para a inflação.

 A ata descreveu a recuperação do PIB naquele ponto como sendo “rápida”.
 A reunião contou com uma ampla discussão sobre as perspectivas econômicas, já que os membros disseram que a economia estava indo melhor do que o esperado em boa parte por causa da ajuda fiscal fornecida por Washington.

Esse apoio está em risco, pois as negociações entre a Casa Branca e os democratas no Congresso foram interrompidas e podem não ser retomadas antes das eleições de novembro.

“Muitos participantes observaram que suas perspectivas econômicas pressupunham apoio fiscal adicional e que, se o apoio fiscal futuro fosse significativamente menor ou chegasse bem mais tarde do que o esperado, o ritmo da recuperação poderia ser mais lento do que o previsto”, afirmou o resumo da reunião.

Pequenos negócios e agricultores estavam sendo estimulados pelo apoio, disseram as autoridades, em meio a uma economia que havia recuperado mais empregos do que o esperado até agosto.

 Como tal, “a ausência de mais apoio fiscal exacerba as dificuldades econômicas nas comunidades de minorias e de baixa renda”, afirma a ata.

Enquanto o comitê discutia as condições econômicas, os membros passaram a incorporar mudanças recentes sobre a abordagem do Fed em relação à inflação e o que seria necessário para justificar aumentos futuros das taxas.

Os mercados têm procurado orientações futuras aprimoradas sobre quais benchmarks específicos o FOMC usaria como critérios. No entanto, os membros disseram que a nova linguagem indicando uma meta de inflação média acima de 2% por um período de tempo seria suficiente.

“A maioria dos participantes apoiava o fornecimento de orientações futuras baseadas em resultados mais explícitos para a taxa de fundos federais, que incluía o estabelecimento de critérios para elevar a taxa de fundos federais acima do [nível atual próximo a zero] em termos de trajetórias de emprego ou inflação ou ambos”, a ata disse. “No entanto, com as taxas de juros de longo prazo já muito baixas, não parecia haver necessidade de orientação futura aprimorada neste momento ou muito espaço para orientação futura para colocar pressão adicional de baixa sobre os rendimentos.”

O Fed havia anteriormente expressado sua meta de inflação como sendo “simétrica”, o que significa que aumentaria acima ou abaixo da meta de 2%. Os membros consideram que a nova linguagem torna mais explícito que o Fed está projetando uma inflação de pelo menos 2%.

Fonte CNBC

Deixe um comentário