Construtora Tenda (TEND3) pagará R$ 16,74 milhões em dividendos

LinkedIn

Na noite desta quinta-feira, 5, a Construtora Tenda (TEND3) informou que seu Conselho de Administração aprovou o pagamento de dividendos aos seus acionistas. Dessa forma, a companhia irá distribuir um montante em dividendos no valor de R$ 16,74 milhões, correspondendo a R$ 0,16 por ação.

Tais dividendos são intercalares e serão imputados aos dividendos mínimos obrigatórios. Entretanto, o valor por ação pode sofrer variação em razão de eventual alteração do número de ações em tesouraria.

De acordo com a Tenda, o pagamento de dividendos intercalares faz parte dos esforços da companhia em maximizar valor aos seus acionistas, buscando aumentar a eficiência da estrutura de capital.

Além disso, informou que só terão direito os acionistas detentores de ações da companhia na data base de 10 de novembro de 2020. Portanto, a partir do dia 11 de novembro as ações TEND3 passarão a ser negociadas “ex-dividendos”.

Por fim, a empresa definiu o dia 20 de novembro para efetivar o pagamento do benefício aos acionistas. E que tais dividendos serão pagos sem a retenção do imposto de renda.

O Guia do Investidor desenvolveu uma ferramenta pensando em você investidor. A agenda dividendo compila todas as datas de entrega de dividendos das empresas listadas na bolsa brasileira. Dessa forma, você poderá saber exatamente quando receberá seus proventos.

Acesse a agenda aqui.

Resultados do 3T20

A construtora divulgou seus resultados do terceiro trimestre também ontem à noite. De acordo com o release, a companhia reportou um lucro líquido de R$ 70,5% milhões. Assim sendo, apresentou uma alta de 75% na comparação trimestral, além de crescimento de 9,1% na comparação anual.

Além disso, a companhia destacou que tais resultados foram obtidos graças ao volume de vendas recorde e à retomada no andamento de obras após o pior período da pandemia.

No mesmo período, a Tenda gerou R$ 111,5 milhões de caixa operacional. Já nos nove primeiros meses do ano, esse valor totaliza R$ 122,3 milhões.

Dessa forma, diminuiu a dívida líquida/PL em 16,9%, mostrando desalavancagem reforçada.

Texto escrito por Diogo Albuquerque, graduando em economia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e colaborador do Guia do Investidor.

Deixe um comentário