ADVFN Logo ADVFN

Não encontramos resultados para:
Verifique se escreveu corretamente ou tente ampliar sua busca.

Tendências Agora

Rankings

Parece que você não está logado.
Clique no botão abaixo para fazer login e ver seu histórico recente.

Hot Features

Registration Strip Icon for discussion Cadastre-se para interagir em nossos fóruns de ativos e discutir com investidores ideias semelhantes.

O prejuízo líquido da Boeing atinge o recorde de US$ 11,9 bilhões em 2020

LinkedIn

A Boeing (NYSE:BA) divulgou os resultados do quarto trimestre e de 2020 antes da abertura do mercado na quarta-feira (27), enquanto detalha os danos do aterramento estendido de seu 737 Max e a pandemia da Covid-19.

A Boeing relatou um prejuízo líquido recorde de US$ 11,9 bilhões em 2020 – resultados que pioraram quando ela empurrou a estreia de seu avião 777X para o final de 2023.

Resultados:

  • EPS (Lucro por ação): Uma perda de US$ 15,25 por ação, não está imediatamente claro se isso é comparável a uma perda de US$ 1,80/ação das estimativas de consenso da Refinitiv.
  • Receita: US$ 15,30 bilhões, contra US$ 15,07 bilhões esperados pelas estimativas da Refinitiv

A empresa irá delinear suas perspectivas de recuperação no que parece ser outro ano desafiador para a aviação, à medida que novas restrições a viagens e infecções por coronavírus restringem a demanda por voos.

Analistas de Wall Street esperavam um prejuízo ajustado por ação de US$ 1,80 sobre uma receita de US$ 15,07 bilhões nos últimos três meses do ano, de acordo com as estimativas do consenso da Refinitiv. Era estimada uma queda nas vendas de 2020 de 24%, para US$ 57,94 bilhões.

As entregas de aeronaves da Boeing caíram para o menor nível em décadas e os cancelamentos atingiram recordes no ano passado, com o prolongamento do encalhe de seu 737 Max após dois acidentes fatais e um colapso na demanda de viagens devido à pandemia. Os analistas esperam que a Boeing mostre um prejuízo líquido recorde chegando a US$ 4,1 bilhões no ano.

Os executivos da Boeing discutirão seus resultados em uma teleconferência às 10h30, hora do Leste, com analistas.

O fabricante de aeronaves com sede em Chicago está tentando virar a página de duas quedas de seu 737 Max que mataram todos os 346 a bordo. Em novembro, os reguladores da aviação dos EUA autorizaram os aviões mais vendidos a voar novamente, permitindo que a Boeing começasse a entregar cerca de 400 novos jatos produzidos em suas instalações na área de Seattle, mas não foi capaz de entregá-los aos clientes. American Airlines, United Airlines, Alaska Airlines, Aeromexico e Gol do Brasil estão entre as companhias aéreas que receberam jatos Max até agora.

As entregas são fundamentais para a Boeing porque é quando as companhias aéreas pagam a maior parte do preço do avião.

Os investidores também querem saber as perspectivas da Boeing para aviões widebody. Já foi cortada a produção de seus aviões 787 Dreamliner, jatos usados ​​em aviões internacionais de longo curso, o tipo de viagem mais afetado pela pandemia.

O CEO da Boeing, Dave Calhoun, previu em abril que a demanda por viagens não retornará aos níveis de 2019 por dois a três anos.

A Boeing também é negociada na B3 através da BDR (BOV:BOEI34).

As ações da Boeing caíram cerca de 2% no pré-mercado para US$ 198.

CapturadeTela2021-01-27às10.57.40Gráfico candle (6 meses) diário da BA – br.advfn.com

Fontes: CNBC, FX empire, FX Street, Wall Street, Reuters

Deixe um comentário