Viver aprova aumento de capital social da companhia ao preço de emissão de R$ 1,27 por ação

LinkedIn
O Conselho de Administração da Viver aprovou o aumento do capital social da Companhia, dentro do limite do capital autorizado, para subscrição privada.
O comunicado foi feito pela empresa (BOV:VIVR3) nesta terça-feira (26). Confira o documento na íntegra.
O valor do aumento de capital será de, no mínimo, R$ 6.350,00 e, no máximo, R$ 55.119.330,96 mediante a emissão de, no mínimo, 5.000 ações ordinárias e, no máximo, 43.401.048 ações ordinárias, todas nominativas e sem valor nominal, ao preço de emissão de R$ 1,27 por ação.
Caso haja a subscrição máxima, o capital social da Companhia passará de R$ 2.339.024.774,98 representado por
97.028.764 ações ordinárias, nominativas e sem valor nominal, para R$ 2.394.144.105,94 representado por 140.429.812 ações ordinárias, nominativas e sem valor nominal.
Caso haja a subscrição mínima, o capital social da Companhia passará de R$ 2.339.024.774,98 representado por
97.028.764 ações ordinárias, nominativas e sem valor nominal, para R$ 2.339.031.124,98, representado por 97.033.764 ações ordinárias ações ordinárias, nominativas e sem valor nominal.
O aumento de capital será realizado mediante subscrição de ações e integralização por meio da capitalização de créditos detidos contra a Companhia pela Polo Capital Management e NPL Brasil Gestão de Ativos Financeiros LTDA, credores extra concursais detentores de créditos oriundos de Dívida Corporativa, os quais não foram abrangidos no plano de recuperação judicial da Companhia pelos acionistas da Companhia que exercerem o direito
de preferência detalhado neste Aviso aos Acionistas e integralizado à vista na Companhia.

→ Desde 1992 a Viver atua no mercado imobiliário, operando em todas as etapas da incorporação imobiliária, da aquisição do terreno à venda das unidades. Confira a análise completa da empresa com informações exclusivas.

Prejuízo líquido é de R$ 79 milhões

A incorporadora e construtora Viver encerrou o terceiro trimestre de 2020 com um prejuízo líquido de R$ 79,6 milhões, praticamente estável quando comparado com o resultado de 2019. Segundo a empresa, o desempenho foi impactado pelo reconhecimento de impairment de imóveis a comercializar no valor de R$ 31 milhões.

Os resultados da Viver (BOV:VIVR3) referentes às suas operações do terceiro trimestre de 2020 foram divulgados no dia 13 de novembro de 2020.

Deixe um comentário