Petróleo fecha em queda abrindo mão de fortes ganhos recentes

LinkedIn

Os preços do petróleo caíram nesta quinta-feira, abrindo mão de fortes ganhos recentes, embora as perdas tenham sido contidas por cortes de produção e esperanças de que o lançamento de vacinas levará a uma recuperação na demanda.

O petróleo bruto Brent caiu 26 centavos, ou 0,42%, para US$ 61,21 o barril, após atingir seu maior valor desde janeiro de 2020 na quarta-feira. O petróleo dos Estados Unidos fixou-se em 44 centavos, ou 0,75%, abaixo de US$ 58,24 por barril.

“Os futuros do petróleo bruto subiram após uma queda maior do que a esperada nos estoques nos Estados Unidos”, disse o ANZ em nota. “No entanto, o sentimento foi reduzido por um aumento nos estoques de gasolina.”

Os estoques de petróleo na semana passada caíram pela terceira semana consecutiva, caindo 6,6 milhões de barris para 469 milhões de barris, o menor desde março, de acordo com a Administração de Informação de Energia. Analistas em uma pesquisa da Reuters previram um aumento de 985.000 barris.

O Brent subiu nas nove sessões anteriores, seu período de ganhos sustentado mais longo desde janeiro de 2019. Na quarta-feira, foi o oitavo aumento diário do petróleo dos EUA.

No entanto, alguns analistas dizem que os preços avançaram muito além dos fundamentos subjacentes.

As ações ficaram estáveis ​​no início do pregão na Ásia, com os investidores continuando a pisar no freio nas corridas dos preços dos ativos, após ler os dados de inflação dos EUA mornos e comentários do chefe do Federal Reserve afirmando a perspectiva de uma recuperação lenta.

O petróleo subiu desde novembro, quando os governos deram início às campanhas de vacinação para COVID-19, ao mesmo tempo em que implementaram grandes pacotes de estímulo para impulsionar a atividade econômica, e os principais produtores mundiais mantiveram o fornecimento sob controle.

O principal exportador, a Arábia Saudita, está reduzindo unilateralmente a oferta em fevereiro e março, complementando os cortes acordados por outros membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e aliados, conhecidos como OPEP +.

(Com informações da CNBC)

Deixe um comentário