Eletrobras: Furnas assinou contrato com BB para contratação de operação de crédito à exportação no valor de R$ 600 milhões

LinkedIn

A Eletrobras informou que sua subsidiária Furnas assinou contrato com o Banco do Brasil para contratação de operação de crédito por meio de emissão de Nota de Crédito à Exportação (NCE) no valor de R$ 600 milhões.

O fato relevante foi feito pela companhia (BOV:ELET3) (BOV:ELET5) (BOV:ELET6) nesta quinta-feira (26). Confira o comunicado na íntegra.

A operação terá juros de CDI +2,25% ao ano, com prazo total de 7 anos e carência de 36 meses para pagamento do principal. As amortizações do pagamento do principal são semestrais e os pagamentos dos juros são mensais.

Em face do processo competitivo realizado por Furnas junto às principais instituições financeiras, observa-se que o contrato foi realizado em condições de mercado.

O Conselho de Administração da Eletrobras, em 16 de julho de 2021, se manifestou favoravelmente à contratação da operação de crédito a longo prazo por Furnas junto ao BB., sem prestação de garantias pela Eletrobras.

Eletrobras (ELET3): lucro líquido de R$ 2,5 bilhão no 2T21, alta de 439%

A Eletrobras obteve lucro líquido de R$ 2,5 bilhões no segundo trimestre do ano, alta de 439% na comparação anual. O lucro líquido recorrente, que considera ajustes não mencionados nos destaques, teve alta de 601% no período, para R$ 4,5 milhões na mesma base de comparação.

O lucro do 2T21 foi impactado positivamente pelos resultados em transmissão, em decorrência da Revisão Tarifária Periódica com efeitos a partir de julho de 2020 e pela melhora nos resultados de geração devido, principalmente, ao aumento do volume e preços praticados e novos contratos bilaterais do ACL e maior receita no mercado de curto prazo decorrente da liquidação na CCEE devido ao aumento do preço do PLD, e negativamente pelas provisões para contingências de R$ 1.099 milhões, com destaque para R$ 600 milhões relativos ao empréstimo compulsório.

A receita operacional líquida atingiu R$ 7,959 milhões no 2T21, um crescimento de 49%, influenciada pelo efeito na receita de transmissão da revisão tarifária, melhor performance nos contratos bilaterais e maior de receita de liquidação junto à CCEE.

ebitda – lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização – avançou 61,7% na mesma comparação, para R$ 3,222 bilhões. O Ebtida recorrente apresentou aumento de 116%, de R$ 2.219 milhões no 2T20 para R$ 4.794 milhões no 2T21.

Deixe um comentário