BP compra 40,5% de participação em enorme projeto de energia renovável e hidrogênio verde

LinkedIn

A BP (NYSE:BP), gigante de petróleo e gás, concordou em adquirir uma participação acionária de 40,5% no Asian Renewable Energy Hub, um vasto projeto planejado para a Austrália com uma área de 6.500 quilômetros quadrados.

Em um anúncio na quarta-feira (15), a BP disse que se tornaria a operadora do empreendimento, acrescentando que tinha “o potencial de ser um dos maiores centros de energia renovável e hidrogênio verde do mundo”.

Localizado na região de Pilbara, na Austrália Ocidental, prevê-se que o projeto desenvolva até 26 gigawatts de capacidade combinada de geração solar e eólica.

A ideia é que o hub forneça energia para os clientes locais. O hidrogênio e a amônia seriam usados ​​na Austrália e exportados internacionalmente.

“Em plena capacidade, espera-se que a AREH seja capaz de produzir cerca de 1,6 milhão de toneladas de hidrogênio verde ou 9 milhões de toneladas de amônia verde, por ano”, disse a BP.

A empresa disse que assumiria a operação do projeto em 1º de julho, acrescentando que isso estava “sujeito a aprovações”.

As ações da BP, listada em Londres, foram negociadas 1,2% mais baixas na tarde de quarta-feira.

A BP também é negociada na B# através do ticker (BOV:B1PP34).

O hidrogênio, que tem uma gama diversificada de aplicações e pode ser implantado em uma ampla gama de indústrias, pode ser produzido de várias maneiras. Um método inclui o uso de eletrólise, com uma corrente elétrica dividindo a água em oxigênio e hidrogênio.

Se a eletricidade usada neste processo vem de uma fonte renovável, como eólica ou solar, alguns chamam de hidrogênio “verde” ou “renovável”. Hoje, a grande maioria da geração de hidrogênio é baseada em combustíveis fósseis.

O anúncio da BP não divulgou o valor que estava pagando por sua participação no projeto AREH. Os outros acionistas são InterContinental Energy, CWP Global e Macquarie Capital e Macquarie’s Green Investment Group. Suas participações são de 26,4%, 17,8% e 15,3%, respectivamente.

Embora as notícias de quarta-feira sejam um tiro no braço para o Asian Renewable Energy Hub, o desenvolvimento do projeto não ocorreu sem seus desafios, incluindo uma decisão de junho de 2021 das autoridades.

Anja-Isabel Dotzenrath, vice-presidente executiva de gás e energia de baixo carbono da BP, disse que o Asian Renewable Energy Hub foi “definido para ser um dos maiores centros de energia renovável e de hidrogênio verde do mundo e pode dar uma contribuição significativa para a Austrália e a transição energética mais ampla da região Ásia-Pacífico”.

Grande produtora de petróleo e gás, a BP diz que pretende se tornar uma empresa líquida zero até o ano de 2050 ou antes. É uma das muitas grandes empresas que fizeram uma promessa líquida de zero nos últimos anos.

Embora tais compromissos chamem a atenção, realmente alcançá-los é uma tarefa enorme com obstáculos financeiros e logísticos significativos.

Os combustíveis fósseis continuam a ser uma parte fundamental do mix global de energia e as empresas continuam a descobrir e desenvolver campos de petróleo e gás em locais ao redor do mundo.

Em março, a Agência Internacional de Energia informou que 2021 viu as emissões de dióxido de carbono relacionadas à energia atingirem seu nível mais alto da história.

A AIE descobriu que as emissões globais de CO2 relacionadas à energia aumentaram 6% em 2021, atingindo um recorde de 36,3 bilhões de toneladas.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, criticou na terça-feira o novo financiamento para a exploração de combustíveis fósseis , descrevendo-o como “ilusório” e pedindo o abandono do financiamento de combustíveis fósseis.

Com informações de CNBC

Deixe um comentário