Cautela impera nos mercados antes da inflação dos EUA

LinkedIn

ÁSIA: As bolsas asiáticas caíram nesta quarta-feira, com os investidores digerindo os dados de inflação da China e de olho no relatório do IPC dos EUA.

Os preços ao consumidor da China subiram 2,7% em julho em comparação com o mesmo período de 2021, o maior desde julho de 2020. Os analistas esperavam que a leitura ficasse em 2,9%, enquanto o índice de preços ao produtor da China para julho subiu 4,2% em relação ao ano anterior, abaixo do aumento de 4,8% previsto em uma pesquisa da Reuters. Analistas acreditam que as pressões inflacionárias permanecem limitadas na China porque os bloqueios esporádicos contra o Covid pesaram nos gastos do consumidor e na atividade econômica geral e que o impulso inflacionário relativamente moderado da China contrasta com a inflação persistentemente forte dos EUA.

Na China continental, o Shanghai Composite caiu 0,54%, para 3.230,02 pontos e o Shenzhen Component caiu 0,87%, em 12.223,51 pontos.

O índice Hang Seng de Hong Kong caiu 1,96%, fechando em 19.610,84 pontos, com o índice Hang Seng Tech caindo 2,83%. Os pesos pesados de tecnologia ​​Meituan e JD.com caíram 3,64% e 4,46%, respectivamente. As ações de saúde, consumo e imobiliário também arrastaram o Hang Seng para baixo, de acordo com dados do Eikon. A incorporadora imobiliária Longfor despencou 16,4% depois que a empresa informou que as vendas nos primeiros sete meses do ano caíram quase 58% em comparação com o mesmo período do ano passado.

No Japão, o Nikkei caiu 0,65%, fechando em 27.819,33 pontos. A Toyota Motor anunciou que suspenderia algumas operações de produção devido a casos positivos de Covid nos locais de trabalho.

Na Coreia do Sul, o Kospi caiu 0,9%, fechando em 2.480,88 pontos.

O S&P/ASX 200 da Austrália perdeu 0,53%, fechando em 6,992,70 pontos, arrastado pelo setor de tecnologia. O ASX 200 quebrou uma sequência de quatro dias de altas, mergulhando abaixo da marca de 7000 pontos que havia superado na sexta-feira. Entre as mineradoras, BHP caiu 0,9%, enquanto Fortescue Metals e Rio Tinto avançaram 0,2% e 0,3%, respectivamente. As petrolíferas Santos e Woodside recuaram 0,7% e 0,4%, respectivamente.

O índice MSCI para a Ásia-Pacífico exceto Japão caiu 1,24%.

EUROPA: Os mercados europeus operam com cautela nesta quarta-feira, enquanto os investidores globais aguardam a divulgação da inflação nos EUA.

O pan-europeu Stoxx 600 opera praticamente estável no final da manhã, com ações de viagens e lazer subiram, enquanto as ações de saúde caiam.

O alemão DAX 30 sobe 0,20%, o francês CAC 40 avança 0,02% e o FTSE MIB da Itália adiciona 0,22%.

Na Península Ibérica, o IBEX 35 da Espanha cai 0,02% e o português PSI 20 recua 0,27%.

Em Londres, o FTSE 100 sobe 0,07%. Entre as mineradoras listadas na LSE, Anglo American cai 0,2%, Antofagasta cai 0,8%, BHP cai 1%, enquanto Rio Tinto avança 0,2%. A petrolífera British Petroleum sobe 0,2%.

EUA: Os futuros dos índices de ações operam com leves altas, enquanto os investidores aguardando o relatório de inflação que deve ser divulgado antes da sessão de quarta-feira.

Os movimentos vem depois que o Dow Jones Industrial Average caiu 0,18%, para 32.774,41 pontos, o S&P 500 caiu 0,42%, para 4122,47 pontos, sua quarta sessão consecutiva de perdas e o NASDAQ Composite caiu 1,19%, para 12.493,93 pontos, sua terceira queda consecutiva, depois que Micron, Novavax e Upstart alertaram que lucros e receitas futuras podem ser menores do que se pensava anteriormente.

As bolsas seguem bastante voláteis em 2022. Apesar de ter atingido a mínima em meados de junho, o S&P 500 permanece em baixa de 13,5% no ano até agora. A queda foi impulsionada por temores de que a inflação mais alta em 40 anos tenha minado a confiança dos consumidores e fará com que o Federal Reserve aumente os custos de empréstimos agressivamente e coloque a economia dos EUA em recessão.

Consequentemente, os investidores estão ansiosos para ver que a inflação já atingiu o seu pico, leitura que será divulgado hoje às 9h30. Acredita-se que o relatório de inflação possa mostrar que os aumentos de preços diminuíram após aumentos consecutivos de 75 pontos-base pelo FED em junho e julho. Economistas esperam que o índice de preços ao consumidor de julho tenha subido 0,2%, ante 1,3% em junho. Na comparação anual, o ritmo da inflação ao consumidor em julho deve cair para 8,7%, abaixo dos 9,1% de junho, principalmente por conta da redução nos custos de petróleo, mas muitos investidores temem que se os dados mostrarem que o núcleo da inflação, cuja leitura foi de 5,9% em junho, permaneça teimosamente alto, então o tom mais otimista das ações vistas durante grande parte dos últimos dois meses será colocado em cheque.

Acredita-se que o mercado ficará inicialmente mais animado com uma baixa do CPI e que uma alta seria uma surpresa, especialmente no que se refere ao apetite ao risco.

O Federal Reserve acompanha de perto o relatório juntamente com outros dados econômicos importantes antes de sua reunião de setembro, onde deve aumentar as taxas de juros novamente.

O rendimento do Título do Tesouro de 10 anos de referência subia abaixo de um ponto base para 2,7992% no início da manha de hoje, enquanto o rendimento do título do Tesouro de 30 anos também subia abaixo de um ponto base para 3,0098%. Os rendimentos movem-se inversamente aos preços e um ponto base é igual a 0,01%. O rendimento do Tesouro de 2 anos cai mais de 1 ponto-base para 3,2699%, mas permanece muito acima da taxa de 10 anos de longo prazo. Essa relação é amplamente observada em Wall Street como um potencial indicador de recessão.

Ainda segundo a agenda econômica, estão previstos o relatório de atacado de junho que deve ser divulgados às 11h00. Os estoques semanais de petróleo sairá às 11h30 e o orçamento federal mensal de julho sairá às 15h00.

Na agenda das autoridades do Federal Reserve, o presidente do Fed de Chicago, Charles Evans e o presidente do Fed de Minneapolis, Neel Kashkari, devem fazer comentários sobre as condições econômicas dos EUA em eventos separados nesta quarta-feira.

A temporada de ganhos continua, com os resultados trimestrais da Disney sendo divulgado após o sino de fechamento.

CRIPTOMOEDAS: Bitcoin e outras criptomoedas operam em baixa nesta quarta-feira antes do lançamento dos dados de inflação dos EUA.

Especialistas dizem que uma “inflação mais suave pode ser o catalisador que o Bitcoin precisa para reverter a resiliência que a moeda tem mostrado recentemente.

Bitcoin: -1,80%, em US $ 23.061,70
Ethereum: -2,42%, em US $ 1.696,28
Cardano: -2,46%
Solana: -4,50%
Dogecoin: -4,75%
Terra Classic: -5,15%

ÍNDICES FUTUROS – 7h45:
Dow: +0,21%
SP500: +0,21%
NASDAQ: +0,25%

COMMODITIES:
MinFe Dailan: -1,70%
Brent: -0,99%
WTI: -1,03%
Soja: +0,74%
Ouro: -0,12%

OBSERVAÇÃO: Este material é um trabalho voluntário, independente, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado, enquanto a europeia e a americana estão no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário de disponibilização dos dados. O texto não é indicação de compra, manutenção ou venda de ativos.

Deixe um comentário