ADVFN Logo ADVFN

Não encontramos resultados para:
Verifique se escreveu corretamente ou tente ampliar sua busca.

Tendências Agora

Rankings

Parece que você não está logado.
Clique no botão abaixo para fazer login e ver seu histórico recente.

Hot Features

Registration Strip Icon for alerts Cadastre-se para alertas em tempo real, use o simulador personalizado e observe os movimentos do mercado.

Azul (AZUL4): prejuízo líquido ajustado de R$ 360,2 milhões no 3T23, queda de 31,7%

LinkedIn

A Azul registrou prejuízo líquido ajustado de R$ 360,2 milhões no terceiro trimestre de 2023, montante 31,7% inferior ao prejuízo ajustado de R$ 527,3 milhões reportado em igual período do ano anterior.

A companhia aérea já havia divulgado no dia 14 de novembro números preliminares para o trimestre encerrado em setembro, mas sem o resultado líquido.

Na época, as ações da Azul saltaram quase 9% com os dados reportados reforçando a racionalidade da empresa.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ficou em R$ 1,56 bilhão entre julho e setembro deste ano, um crescimento de 68,6% ano a ano. Na versão preliminar, o Ebitda era de R$ 1,55 bilhão.

A margem Ebitda foi de 31,7% no trimestre, avanço de 10,6 pontos percentuais na comparação contra igual período de 2022. Em novembro, a Azul havia divulgado margem Ebitda de 31,6%.

O lucro operacional foi ajustado de R$ 957,4 milhões para R$ 962,4 milhões, um crescimento de 138,1% na comparação com o 3T22.

A receita líquida somou R$ 4,916 bilhões no terceiro trimestre deste ano, crescimento de 12,3% na comparação com igual etapa de 2022, mas abaixo dos R$ 4,99 bilhões previstos pelo consenso LSEG. Na versão preliminar, a receita havia ficado em R$ 4,914 bilhões.

A companhia aérea encerrou o trimestre com liquidez total de R$ 6,7 bilhões, incluindo investimentos e recebíveis de longo prazo, depósitos de segurança e reservas de manutenção. A liquidez imediata em 30 de setembro de 2023 foi de R$ 3,5 bilhões, 70,2% acima do 2T23 mesmo após o pagamento de cerca de R$ 3,2 bilhões em arrendamentos de aeronaves, amortizações e juros da dívida, diferimentos e Capex.

A Azul informou no mês passado que, junto a auditores, não pôde concluir suas demonstrações de resultado dentro do prazo estabelecido pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) devido à implementação recente de um plano de otimização de capital, envolvendo novos contratos com a maioria de seus arrendadores e fabricantes de equipamentos.

À época, a empresa afirmou que não esperava mudanças relevantes nas informações preliminares divulgadas até então.

Os resultados da Azul (BOV:AZUL4) referentes às suas operações do terceiro trimestre de 2023 foram divulgados no dia 08/12/2023.

* Com informações da ADVFN, RI das empresas, Valor, Infomoney, Estadão

Deixe um comentário