O ressegurador IRB reportou lucro líquido de R$ 79,1 milhões no primeiro trimestre de 2024 (1T24), montante 825% superior ao reportado no mesmo intervalo de 2023.

A companhia explica que o lucro líquido foi “impactado tanto pelo resultado de underwriting quanto pelo resultado financeiro, ambos positivos”. O ressegurador afirma que este salto é fruto da limpeza da carteira de resseguros, que ampliou o resultado agregado dos contratos e reduziu a sinistralidade.

O resultado de underwriting (subscrição) ficou positivo em R$ 122,4 milhões no 1T24 contra um resultado de R$ 3,7 milhões no 1T23.

No 1T24, o sinistro retido total diminuiu 43,3% para R$ 529 milhões. Já o índice de sinistralidade foi de 58,2% no 1T24, melhor em 19,1 pontos percentuais (p.p.) quando comparado com 1T23.

O índice combinado, por sua vez, atingiu 99,0% no 1T24, 11,9 p.p. melhor que o 1T23.

Ao considerar o prêmio emitido total, o valor ficou em R$ 1,440 bilhão no primeiro trimestre de 2024, o que representa uma baixa de 9,1% no comparativo anual. No Brasil, houve alta de 5,3%, para R$ 1,060 bilhão, enquanto no exterior, o recuo foi de 34,2% em termos anuais, para R$ 379,9 milhões.

Já o resultado do IRB antes dos impostos e participações foi de R$ 150,9 milhões, um crescimento de 978% na comparação anual. O resultado financeiro e patrimonial teve baixa de 2,7% em um ano, para R$ 141,6 milhões, na mesma base comparativa.

“Sobre o primeiro trimestre de 2024, reforço que trabalhamos para produzir resultados sustentáveis, no longo prazo, e, mais uma vez, nossos números mostram que estamos evoluindo”, afirma em nota o CEO do IRB, Marcos Falcão. “Vamos seguir controlando os itens que estão sob nossa gestão: preço, despesas e custos.”

O custo de aquisição no 1T24 totalizou R$ 252,5 milhões, comparado a R$ 233,2 milhões no 1T23, principalmente em função de contas técnicas específicas do segmento de vida no Brasil, ligadas a adiantamento de comissão.

As despesas gerais e administrativas no 1T24 totalizaram R$ 75 milhões, comparado a R$ 88 milhões no 1T23.

Os resultados da IRB (BOV:IRBR3) referentes às suas operações do primeiro trimestre de 2024 foram divulgados no dia 14/05/2024.

Teleconferência

O ressegurador IRB descarta grande impacto da tragédia de inundações que atinge o Rio Grande do Sul em seus resultados. Ainda sem nenhum aviso de sinistros, a diretoria trabalha com impacto inicial de capital segurado de R$ 80 milhões a R$ 160 milhões, segundo afirmou o CEO, Marcos Pessôa de Queiroz Falcão, em teleconferência de resultados na manhã desta terça-feira (14). As ações de IRB caíam 3,24%, a R$ 36,43, às 12h45.

A dimensão total dos impactos da tragédia do RS para o setor de resseguros ainda vai demorar para aparecer e irá variar ao longo do tempo. “Estamos com pouca informação. O evento é muito recente. Mas estamos muito bem protegidos por retrocessões. Os sinistros catastróficos vêm ao longo do tempo. E vamos acompanhar e refinar esse número. Nosso papel é pagar os sinistros o mais rápido possível. Montamos operação para pagar com mais rapidez, permitindo que a cadeia de resseguros funcione”, destacou ele.

IRB (IRBR3): resultados

Segundo o CEO, a tragédia fará o Brasil refletir sobre a importância do setor de seguros no Brasil. Ele comparou a situação com o furacão Katrina, dos EUA, em 2005, em que metade dos sinistros teriam sido cobertos por seguros, enquanto que no caso do Rio Grande do Sul, não deve passar de 5%.

Hugo Daniel Castillo Irigoyen, Diretor Vice-Presidente de Resseguros do IRB, destacou que o maior impacto para a companhia deverá ser no ramo de automóveis, principalmente em seguros de coberturas de veículos em pátios de concessionárias.

“Nosso programa de retrocessão [transferência de riscos para outros resseguradores] é robusto. Não vislumbramos nenhuma descontinuidade nos negócios”, afirma.

O CEO destacou que o evento do Rio Grande do Sul vai ser de muita reflexão para o país.

“O mercado de seguros tem que crescer muito, tem que proteger a sociedade e estou curioso, mas preocupado, que as perdas no RS vão ser significativas, mas as perdas protegidas vão ser insignificantes. Ou seja, o mercado de seguros não está protegendo a sociedade. Precisaremos passar a pensar a questão dos seguros para proteger a sociedade”, destacou.

Números do balanço

Na teleconferência, a diretoria comemorou mais um lucro líquido alcançado em um trimestres pelo IRB. O ressegurador reportou lucro líquido de R$ 79,1 milhões no primeiro trimestre de 2024 (1T24), montante 825% superior ao reportado no mesmo intervalo de 2023.

O lucro líquido foi “impactado tanto pelo resultado de underwriting quanto pelo resultado financeiro, ambos positivos”. Este salto é fruto da limpeza da carteira de resseguros, que ampliou o resultado agregado dos contratos e reduziu a sinistralidade.

Ronaldo Pinelli, diretor de IRB, destacou que a empresa observou mais estabilidade e previsibilidade nas renovações de contratos em 2024 se comparado com 2023. O primeiro trimestre é tradicionalmente o mais importante para a área de contratos, onde renovam-se em torno de 50% do prêmio anual.

O foco deste período foi na disciplina e rentabilidade nas renovações dos contratos. De acordo com a estratégia da companhia, continua o crescimento dos negócios no Brasil, com expansão para América Latina.

Questionado sobre possibilidade de pagamento de dividendos, o CEO Marcos Falcão afirmou que a distribuição de lucros não ocorrerá este ano. Mas, talvez, possa ocorrer em 2025 ou então em 2026.

Índices importantes

O IRB  saiu de um índice de sinistralidade de 124% no 2T22 para 58% no 1T24. A sinistralidade no Brasil cresceu para 45% no 1T24 (de 38% do 4T23) e no exterior caiu para 93% no 1T24 (de 126% no 4T23).

Apesar disso, segundo Hugo Daniel Castillo Irigoyen, Diretor Vice-Presidente de Resseguros, o negócio está sujeito à volatilidade e, segundo ele, é mais importante a análise da tendência ao longo dos trimestres.

Os indicadores de IRB são acompanhados com lupa pelo mercado, desde que a resseguradora foi desenquadrada pelo órgão regulador em 2021.

O Índice combinado da empresa, que demonstra a saúde de subscrições, ainda traz efeito dos anos anteriores, segundo os diretores.

No 1T24, o índice ficou em 99% frente a 111% do 1T23, o que demonstra que “estamos no caminho certo”, pois já está abaixo dos 100%, segundo Castillo.

* Com informações da ADVFN, RI das empresas, Valor, Infomoney, Estadão
IRB BRASIL ON (BOV:IRBR3)
Gráfico Histórico do Ativo
De Jun 2024 até Jul 2024 Click aqui para mais gráficos IRB BRASIL ON.
IRB BRASIL ON (BOV:IRBR3)
Gráfico Histórico do Ativo
De Jul 2023 até Jul 2024 Click aqui para mais gráficos IRB BRASIL ON.