Top picks: economia doméstica e chance de fusão e aquisição pautam analistas

LinkedIn
Depois da divulgação de um Produto Interno Bruto (PIB) acima das expectativas no segundo trimestre, algumas equipes de análise optaram por recomendar ações de empresas que combinam exposição à economia doméstica e boa gestão. Há ainda indicações de companhias que podem protagonizar uma operação de fusão ou aquisição. Outro destaque foi Petrobras (BOV:PETR4), que foi incluída na carteira do Santander e passou a fazer parte de sete carteiras no total.
A empresa de turismo CVC (BOV:CVCB3) foi uma das escolhas do Bradesco. Os analistas lembram que o setor de varejo teve um dos melhores trimestres dos últimos anos e a crença é de que o ambiente macroeconômico esteja ficando mais favorável ao consumo, graças ao declínio da inflação, à melhora da confiança e à redução dos juros. “Além disso, temos visto que as empresas com produtos de maior tíquete médio e em que há demanda reprimida, como a CVC, estão passando por uma fase ainda mais forte”, justificam.
A Klabin (BOV:KLBN11) também entrou na carteira do banco. Além de ser beneficiada pela recuperação dos preços e commodities na China, a fabricante de papel ondulado e sacos industriais deve ser favorecida pela recuperação gradual da atividade econômica do País e pela consequente retomada da indústria.
Já o Santander indicou MRV (BOV:MRVE4) e Petrobras. Sobre a construtora, os analistas do banco dizem que, apesar das dificuldades do setor de construção, tem apresentado bons resultados e se posicionado como uma referência em execução. “Vemos a desvalorização atual da ação descasada do momento da companhia. A baixa alavancagem permitirá entregar crescimento de lucro de 25% em 2017 na comparação anual”, diz o time de análise.
Eles lembram ainda que, por causa da crise econômica, a MRV reteve caixa para formar um colchão de liquidez. “O reaquecimento do mercado imobiliário permitirá à companhia se desfazer de parte deste colchão de liquidez, que deve ser distribuído sob a forma de dividendos a médio prazo. Projetamos uma distribuição extraordinária de R$ 400 milhões em dividendos para 2018, além do montante mínimo”, explicam.
A respeito de Petrobras, dizem acreditar que o processo de venda de ativos e a nova política de preços de combustíveis sejam alguns dos fatores positivos para a companhia.
O Citi, por sua vez, incluiu Suzano (BOV:SUZB5) em seu portfólio. O time de análise citou otimismo com os fundamentos de curto prazo para os preços da celulose, expectativa de melhora na governança corporativa com a possibilidade de migração para o Novo Mercado e perspectiva de que a companhia faça parte de alguma operação de fusão e aquisição.
A Ser Educacional (BOV:SEER3) foi a indicação da Coinvalores. “Após a confirmação do novo marco regulatório do ensino a distância, a companhia anunciou um agressivo plano de expansão de polos de ensino nesse segmento, o que vemos de forma positiva para sua rentabilidade e geração de caixa. Além disso, sua confortável situação financeira também permite que movimentos de consolidação de mercado”, diz o time de análise.
A Magliano indicou a Cemig (BOV:CMIG4), empresa que tem conseguido reduzir o endividamento e pode ser beneficiada pela venda de ativos, e Carrefour (BOV:CRFB3), citando sinais de melhora da atividade econômica. Esse também foi um dos motivos que levou a Terra Investimentos a recomendar a empresa de shopping centers BRMalls (BOV:BRML3), que tende a ser beneficiada pela inflação sob controle e pela queda da taxa de juros.
d
d
d
d
d
Fonte: Karin Sato/o Estado de S. Paulo

Deixe um comentário