ADVFN Logo ADVFN

Não encontramos resultados para:
Verifique se escreveu corretamente ou tente ampliar sua busca.

Tendências Agora

Rankings

Parece que você não está logado.
Clique no botão abaixo para fazer login e ver seu histórico recente.

Hot Features

Registration Strip Icon for tools Aumente o nível de sua negociação com nossas ferramentas poderosas e insights em tempo real, tudo em um só lugar.

Dólar dispara com promessa da China em retaliar os Estados Unidos

LinkedIn

Tendo como pano de fundo as tensões comerciais entre os Estados Unidos e China, o dólar disparou no pregão desta quarta-feira (11) após a China mostrar “intimidação” com relação as tarifas de 10% sobre US$ 200 bilhões de bens chineses aplicados pelo governo norte-americano.

Histórico

A moeda teve alta de 2,20%, cotada a R$3,8800 para compra e R$3,8811 para venda.

Após 8 pregões em julho, a moeda valorizou 0,10%. Houve 3 fechamentos negativos contra 5 positivos. Em junho, a divisa americana fechou cotada a R$3,8758 para compra e R$3,8773 para venda.

Em 2018, após 131 pregões, o dólar apresenta uma valorização de 17,10%. Já se foram 77 pregões em alta, contra 54 em baixa. Em 2017, a divisa dos Estados Unidos fechou cotada a R$ 3,3133 para compra e a R$ 3,3144 para venda.

Influência

A China voltou a prometer retaliação aos Estados Unidos devido as novas tarifas de 10% sobre US$ 200 bilhões de bens chineses aplicada pelo governo americano. Apontando que irá levar a reclamação junto à Organização Mundial do Comércio, o Ministério do Comércio chinês disse estar “chocado” com a postura norte- americana, além de classificá-la como “completamente inaceitável”. Os países vem trocando farpas e ameaças de sobretaxas sobre produtos importados nos últimos meses, deixando os investidores em clima de atenção.

Internamente, o noticiário político segue no radar do mercado. Em comunicado na tarde desta quarta, a presidente do Superior Tribunal de Justiça, ministra Laurita Vaz, anunciou a rejeição de 143 habeas corpus apresentados a favor do ex-presidente Lula.

No documento, a ministra  destaca que “o Poder Judiciário não pode ser utilizado como balcão de reivindicações ou manifestações de natureza política ou ideológico-partidárias. Não é essa sua missão constitucional”.

Deixe um comentário