O que é "Golden Cross", o termo que está empolgando Bitcoin traders

LinkedIn

Com o Bitcoin (BTC) puxando o mercado para cima mais uma vez, seus ganhos recentes elevaram os preços de volta a uma área de resistência intermediária entre US$ 5.500 e US$ 6.000 pela primeira vez desde a derrocada de 2018. O criptoativo trouxe à voga recentemente o termo “Golden Cross”, jargão do ramo financeiro que é referência ao cruzamento de médias de preço. O termo foi empregado nesta semana pela Bloomberg.

“Golden Cross” é o nome dado pelos traders para mapear movimentos de preços onde uma média móvel de curto prazo cruza uma média móvel de longo prazo em um caminho ascendente. A maioria dos traders entende isso como um claro sinal de tendência de alta, em oposição à “death cross” – quando ocorre o inverso e o ativo começa a apresentar uma tendência de baixa. Os períodos observados pela  “golden cross” do Bitcoin envolve as médias moderadas de 50 e 200 dias.

Especialistas em criptomoedas têm mapeado o evento nas últimas horas e vêm espalhando a notícia nas redes sociais, graças à curva ascendente da maior criptomoeda por valor de mercado – o Bitcoin – que têm superado seu preço recorde em meses nas semanas recentes. Dentre alguns dos traders que alertaram para o evento estão Holger Zschaepitz, Eric LAm e Alistair Milne.

Como observaram alguns especialistas do mercado, o recente “golden cross” seria o primeiro evento desse tipo para o Bitcoin desde outubro de 2015 – que levou o Bitcoin a uma tendência de alta lenta, mas constante, até o fim de 2017. O movimento de preço começou em torno de US$ 300 e terminou no frenesi do fim de 2017 – período em que o ativo digital alcançou US$ 20.000.

Historicamente, quando o Bitcoin apresentou um “Golden Cross” das médias de 50 e 200 dias, logo após um período de queda, o ativo manteve uma tendência de alta. Entretanto a grande maioria das altcoins recentemente apresentou uma queda no seu valor com relação ao BTC, os últimos movimentos do mercado revelam mais do que isso.

 

Por Rafael Ferreira

Deixe um comentário