Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado desta segunda-feira

LinkedIn

O presidente Donald Trump adia o cronograma para reabrir a economia dos EUA e aumenta drasticamente sua estimativa para as fatalidades esperadas do novo coroanvírus Covid-19.

O dólar está encontrando um piso, à medida que as tensões continuam nos mercados internacionais, com a moeda da África do Sul atingindo um nível recorde depois que o rating da dívida do país foi reduzido a lixo. A libra esterlina também cai após um rebaixamento da Fitch.

O Banco Central da China flexibiliza novamente as taxas de empréstimos novamente, mas os preços do petróleo estão atingindo novamente perdas sob expectativa de menor demanda por um longo período de tempo.

Aqui está o que você precisa saber nos mercados financeiros na segunda-feira, 30 de março.

1. Trump irá manter os EUA em distanciamento social por mais tempo; vê maior número de mortes

O presidente Donald Trump adiou o dia previsto para reabrir a economia dos EUA, citando os riscos de deixar o surto de Covid-19 ainda mais fora de controle.

Em uma entrevista coletiva no domingo, Trump estendeu as diretrizes federais sobre medidas de distanciamento social até o final de abril.

Ele também aumentou drasticamente suas estimativas do impacto da pandemia, mesmo no melhor cenário, dizendo que, se o número de mortos nos EUA se mantiver entre 100.000 e 200.000, significaria que “nós, no geral, fizemos um trabalho muito bom”.

Isso implicaria que o pior da pandemia para os EUA ainda estaria por vir: os dados da Johns Hopkins registram o número total de mortes de Covid-19 nos EUA em apenas 2.500 até agora, com mais de 143.000 casos confirmados.

2. Preços do petróleo atingem o menor nível em 17 anos com perspectiva de demanda dos EUA

Os preços do petróleo caíram para uma mínima de 17 anos depois que o presidente Trump adiou a data para reabrir a economia dos EUA, criando um problema ainda maior de excesso de oferta no curto prazo.

Os analistas do Goldman Sachs estimam que a demanda global de petróleo na semana passada foi cerca de 26 milhões de barris por dia abaixo dos níveis pré-pandêmicos.

Às 8h54, os contratos futuros de petróleo dos EUA caíam 5,21%, a US$ 20,93. Os futuros de petróleo bruto Brent caíam 5,40% em US$ 26,44, perto da baixa intradia de US$ 25,16.

3. Ações dos EUA devem abrir em alta

As ações dos EUA devem abrir em alta, mesmo após o endosso de Trump ao distanciamento social. Às 9h19 (horário de Brasília), o contrato futuro do Dow Jones30 subia 43 pontos, ou 0,2%, para 21.478 pontos. O contrato futuro do S&P 500 tinha alta de 0,53% e o contrato futuro Nasdaq 100 subia 0,65%.

Enquanto isso, o dólar encontrava um piso após seu declínio vertiginoso na última semana. O índice do dólar subia 0,4% em relação a um conjunto de moedas de mercados desenvolvidos, subindo em relação à libra depois que a Fitch rebaixou o rating de crédito do Reino Unido no fim de semana.

O dólar também estava forte em relação à maioria das moedas emergentes do mercado e atingiu um novo recorde histórico contra o rand sul-africano no domingo, antes de consolidar os ganhos na segunda-feira. A divisa também atingiu seu ponto mais alto em quase dois meses contra a libra egípcia, em meio a relatos de que os bancos foram instruídos a limitar levantamentos e depósitos.

4. China volta à flexibilização monetária

O banco central da China voltou ao grupo dos bancos centrais globais, flexibilizando a política monetária após um hiato. O Banco Popular da China reduziu sua taxa de recompra reversa de sete dias, um ponto de referência importante para suas outras taxas de referência em 20 pontos base, para a mínima histórica de 2,2%.

A taxa oficial de iuans permaneceu estável em torno de 7,09 a 7,10 por dólar, enquanto a taxa offshore de iuan enfraqueceu para 7,1050.

Além disso, os maiores bancos da China alertaram que a qualidade de seus ativos poderia sofrer no final do ano devido à recessão pós-pandemia, apesar de apresentar resultados melhores do que o esperado para o último trimestre. Relatos na imprensa apontam que a taxa de mortalidade real em Wuhan foi muito maior do que os dados oficiais admitidos pelo governo chinês.

5. Bancos cortam pagamentos de dividendos, e EasyJet diminui atividades

Os bancos europeus começaram a suspender seus pagamentos de dividendos e recompras sob pressão de seu supervisor, o Banco Central Europeu.

O Unicredit (CRDI), que havia esboçado no início deste ano planos para sua primeira recompra em uma década, e o gigante holandês ING estão entre os maiores a suspender pagamentos, assim como o Banco da Irlanda. O ABN AMRO (ABNd), que alertou sobre uma perda de compensação de US$ 200 milhões em um único cliente na semana passada, também suspendeu pagamentos e alertou para uma forte perda trimestral.

Também foram adotadas medidas de conservação de dinheiro no setor de viagens. A EasyJet fundamentou toda a sua frota, colocando sua força de trabalho em um esquema estatal que pagará 80% de seus salários até um certo limite.

By Geoffrey Smith

Deixe um comentário