Pedidos por seguro-desemprego nos EUA atingem 6,6 milhões na semana passada, acima do esperado pelos economistas

LinkedIn

O número de pedidos de auxílio-desemprego nos Estados Unidos cresceu de 6,6 milhões na semana encerrada no dia 04, acima da expectativa dos economistas do mercado financeiro, que apontava para um aumento de 5 milhões de pedidos. A semana anterior já havia sido de recorde histórico de pedios.

O dado era o mais esperado desta quinta-feira (9), porque o aumento nos pedidos por auxílio-desemprego dá uma dimensão palpável do impacto econômico da pandemia de coronavírus no país mais rico do mundo.

Antes do coronavírus fechar a maior parte da economia dos EUA, o recorde anterior tinha sido em 1982, com 695 mil pedidos. Durante a crise financeira de 2008-2009, o recorde aconteceu em março de 2009, quando foram registrados 665 mil pedidos.

O número mais recente representa um declínio de 261.000 em relação a uma semana atrás, que foi revisado em 219.000 para quase 6,9 ​​milhões.

O aumento contínuo dos pedidos de seguro-desemprego foi exacerbado pela expansão daqueles que podem registrar uma reclamação. A Lei CARES expandiu o grupo para incluir os contratados por conta própria e independentes.

Antes dos esforços de distanciamento social usados ​​para combater a disseminação do coronavírus, o mercado de trabalho era forte. No período de seis meses antes de um desligamento que retirou grande parte da capacidade da economia dos EUA, o crescimento da folha de pagamento não-agrícola tinha em média 221.000 por mês.

No entanto, março viu um declínio de 701.000 que apenas começou a medir a profundidade do impacto do vírus na situação de emprego.

A maior parte desse declínio de emprego ocorreu em restaurantes e estabelecimentos de bebidas, embora os cuidados de saúde e a assistência social também tenham sofrido um impacto. Um número mais representativo do impacto real no emprego veio da pesquisa de domicílios do Departamento do Trabalho, que indicou uma queda de quase 3 milhões nos pedidos de empregos.

Um grande contribuinte para esse número foram as 1,3 milhão de pessoas que abandonaram a força de trabalho quando perderam o emprego, mas não conseguiram procurar emprego devido às restrições relacionadas ao coronavírus. Esses números ajudaram a elevar a taxa básica de desemprego de 3,5% para 4,4% e elevaram um número mais abrangente que inclui aqueles que não procuram trabalho e os subempregados de 7% para 8,7%, o maior ganho de um mês na história dessa medida. .

Deixe um comentário