Petróleo reverte perdas no dia e fecha em alta

LinkedIn

Os contratos futuros de petróleo fecharam em alta nesta segunda-feira (15) impulsionados por sinais de declínios contínuos na produção global, mesmo com um potencial ressurgimento nos casos globais de covid-19 alimentando preocupações com a demanda por energia.

Os preços se recuperaram de perdas antecipadas, depois que o ministro da Energia dos Emirados Árabes Unidos expressou confiança de que os países da Opep+ com pouca conformidade com os cortes acordados cumpririam seus compromissos e relataram sinais de que a demanda por petróleo estava aumentando.

“Isso pareceu tirar parte da negatividade do mercado”, disse Phil Flynn, analista sênior do Price Futures Group. ″É o medo do coronavírus versus a realidade do que está acontecendo no terreno”.

Um painel de monitoramento liderado pela OPEP se reunirá na quinta-feira para discutir se os países entregaram sua parcela de reduções na produção.

O Iraque concordou com suas principais companhias de petróleo em reduzir ainda mais a produção de petróleo em junho, disseram autoridades iraquianas que trabalham nos gigantescos campos de petróleo do sul do país à Reuters no domingo.

A Arábia Saudita também reduziu o volume de petróleo bruto fornecido para julho para pelo menos cinco compradores na Ásia, disseram fontes.

Também positiva para os preços, a produção de petróleo bruto da China em maio subiu 8,2% em relação ao ano anterior, enquanto as refinarias independentes aumentaram o processamento para atender à recuperação da demanda de combustível após o alívio dos bloqueios.

Ainda assim, as preocupações com a demanda de combustível pesaram sobre o sentimento do mercado. Mais de 25.000 novos casos de coronavírus foram registrados no sábado nos Estados Unidos, onde mais de 2 milhões de pessoas foram infectadas, cerca de um quarto dos casos em todo o mundo.

Depois de quase dois meses sem novas infecções, as autoridades de Pequim registraram 79 casos de coronavírus nos últimos quatro dias, provocando temores de um surto em uma das cidades mais populosas do mundo.

Dados econômicos da China sugeriram que a segunda maior economia do mundo estava lutando para voltar aos trilhos. A produção industrial em maio cresceu 4,4% em relação ao ano anterior, abaixo do esperado.

A produção econômica da Alemanha também cairá ainda mais no segundo trimestre, informou o Ministério da Economia na segunda-feira.

Fonte CNBC

Deixe um comentário