Rússia rejeita as críticas internacionais e o ceticismo em relação à sua vacina

LinkedIn

A Rússia rejeitou as críticas internacionais e o ceticismo em relação à sua vacina contra o coronavírus, dizendo que é segura e funciona.

A Rússia anunciou na terça-feira que sua vacina foi aprovada por seus reguladores de saúde, tornando-se a primeira vacina contra o coronavírus no mundo a ser registrada. A produção em grande escala deve começar no próximo mês. O presidente russo, Vladimir Putin, insistiu que era seguro e eficaz  e que uma de suas filhas já havia recebido a vacina.

A notícia atraiu muitas críticas e preocupações quanto à sua segurança e eficácia. Só foi submetido a testes clínicos rápidos de Fase 1 e 2 em um pequeno número de pessoas e nenhum dado deles foi publicado. Os ensaios de fase 3 devem começar em breve, mas a Rússia espera começar a produzir a vacina em setembro.

O ministro da Saúde russo, Mikhail Murashko, disse na quarta-feira que as alegações de que a vacina não era segura eram infundadas e impulsionadas pela competição, informou a agência de notícias Interfax.

Kirill Dmitriev, o presidente-executivo do fundo de riqueza soberana da Rússia, RDIF, que está apoiando a vacina chamada “Sputnik V”, disse que as críticas ocidentais – e especificamente dos EUA – à vacina foram tendenciosas.

“Isso (o anúncio) realmente dividiu o mundo entre aqueles países que acham que é uma ótima notícia … e alguns da mídia dos EUA e alguns americanos que se envolvem em uma grande guerra de informações sobre a vacina russa”, disse ele ao “Squawk Box Europe ”Quarta-feira.

“Não esperávamos mais nada, não estamos tentando convencer os EUA”, acrescentou. “Nosso ponto para o mundo é que temos essa tecnologia, ela pode estar disponível no seu país em novembro / dezembro se funcionar com o seu regulador … (enquanto) as pessoas que são muito céticas não terão essa vacina e nós desejamos a elas boa sorte em desenvolver o deles. ”

Preocupação de especialista

O anúncio de que o país conseguiu aprovação regulatória para a primeira vacina contra Covid-19 do mundo – após menos de dois meses de testes em humanos – desperta preocupação.

Especialistas e funcionários da saúde pública expressaram preocupação com a vacina, dada a rapidez de sua aprovação e a falta de dados.

Danny Altmann, professor de Imunologia do Imperial College London, disse que “não há como saber” ainda se o vírus é seguro e que era “muito, muito incomum” que a Rússia não tivesse publicado dados sobre seus testes clínicos iniciais.

“O teste de fase 3 é onde você estabelece em milhares de pessoas (participantes) se algo é seguro e eficaz e esta (vacina) parece ter passado por um dos menores de todos os testes de fase 2 de todas as dezenas de vacinas sendo comentadas em todo o mundo. Então, na verdade, não temos ideia no momento se é seguro ou protetor ”, disse Altmann.

Anthony Fauci, consultor de coronavírus da Casa Branca, disse na terça-feira que esperava “que os russos tenham realmente provado definitivamente que a vacina é segura e eficaz”, acrescentando: “Duvido seriamente que eles tenham feito isso”.

Enquanto isso, Daniel Salmon, diretor do Instituto de Estudos de Vacinas da Universidade Johns Hopkins, considerou a notícia “realmente assustadora. É realmente arriscado ”, e o Dr. Scott Gottlieb, ex-comissário da Food and Drug Administration dos EUA, disse à CNBC na terça-feira que“ certamente não ”faria isso fora de um ensaio clínico onde os pacientes são monitorados de perto.

Enquanto outras instituições como a Universidade de Oxford e as farmacêuticas Sinovac e Moderna divulgam dados há algum tempo sobre a fase final de testes em suas vacinas, Moscou surgiu recentemente nos estudos.

Ainda há muitas dúvidas acerca da imunização russa. Os testes em seres humanos foram realizados durante apenas dois meses, o que deixa incógnitas sobre efeitos colaterais posteriores. Além disso, pouco foi divulgado sobre os estudos, métodos e resultados obtidos por essa vacina.

“Essa vacina é a maior incógnita que existe nesse momento”, afirma o pesquisador. “Na verdade, não sabemos nada sobre ela”.

Ele também afirma que é complicado julgar a eficiência da vacina sem dados mais concretos revelados: “Se não tem dados, eu sempre desconfio”.

A Rússia negou que faça parte de uma “corrida armamentista” para desenvolver uma vacina , dizendo que deseja cooperar com outras nações. A corrida do país para desenvolver uma vacina mostra o tom competitivo no combate à pandemia. Acusações vieram do Reino Unido, Canadá e Estados Unidos de que a Rússia tentou “roubar” informações da pesquisa da vacina contra o coronavírus , uma acusação que Moscou nega. O nome da vacina, Sputnik V, é uma referência ao primeiro satélite do mundo lançado pela Rússia em 1957 durante a corrida espacial da Guerra Fria.

J. Stephen Morrison, vice-presidente sênior do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais, disse à CNBC na quarta-feira que  Putin está tentando obter “uma vitória doméstica” com o lançamento planejado da vacina da Rússia, acusado de administrar mal o surto de vírus em seu país e falhando em reavivar a economia.

Rússia registra a primeira vacina contra Covid-19 do mundo

O Ministério da Saúde da Rússia concedeu a aprovação regulatória para a primeira vacina contra Covid-19 do mundo, desenvolvida pelo Instituto Gamaleya de Moscou, após menos de dois meses de testes em humanos. O anúncio foi feito nesta terça-feira (11) pelo presidente do país, Vladimir Putin.

O desenvolvimento acelerado da substância preocupa especialistas, além de despertar dúvidas sobre a segurança, eficácia e a possível supressão de etapas essenciais no processo. Até o momento, a Rússia não divulgou dados científicos sobre os testes de sua vacina.

Falando ao vivo por teleconferência com os ministros do seu gabinete, Putin disse que a substância passou por todos os controles necessários, e espera que a Rússia comece em breve a produção em massa da vacina.

“Uma vacina contra o novo coronavírus foi registrada pela primeira vez no mundo nesta manhã”, afirmou Putin. “Eu sei que ela funciona de maneira bastante eficaz, formando uma imunidade estável”, continuou. “Somos os primeiros a registrá-la. Espero que o trabaho dos nossos colegas estrangeiros também se desenvolva, e muitos produtos vão aparecer no mercado internacional.”

O CEO do RDIF, Kirill Dmitriev, disse nesta terça que a vacina se chamará Sputnik V para os mercados estrangeiros, uma referência ao lançamento do primeiro satélite do mundo, em 1957 pela então União Soviética. “Acreditamos que a vacina é incrivelmente segura. Testei em mim mesmo e não vimos efeitos colaterais significativos”, afirmou.

Ele informou que a fase 3 dos testes vai começar nesta quarta-feira, e espera que a substância seja produzida no Brasil. “A produção na América Latina vai começar em novembro, sujeita à aprovação regulatória.”

Dmitriev ressaltou que a empresa já fechou acordos internacionais para produzir 500 milhões de doses anualmente, e recebeu pedidos de mais de 20 países por 1 bilhão de doses da vacina. “Junto aos nossos parceiros estrangeiros, estamos prontos para fabricar mais de 500 milhões de doses da vacina por ano em cinco países, e o plano é aumentar ainda mais a capacidade de produção.”

De acordo com uma fonte do governo russo, a base da substância é um adenovírus, com partes do Sars-Cov2 (causador da Covid-19) para induzir a imunização.

Rússia procurou SP para possível parceria na produção de vacina, diz governo

A Rússia procurou o Instituto Butantan para uma possível parceria na produção da vacina desenvolvida pelo país europeu, disse nesta quarta-feira (29) Dimas Covas, diretor do centro paulista de produção de vacinas.

“Fomos procurados por emissários do governo russo porque a vacina é feita em um instituto estatal russo. Enfim, queriam saber se poderíamos nos associar a eles para a produção dessa vacina”, disse Covas ao ser questionado pela CNN sobre o assunto em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes nesta quarta-feira (29).

“Num primeiro momento, dissemos que poderíamos avaliar porque é uma tecnologia diferente, não conhecemos e precisamos de mais dados técnicos e de dados mais concretos sobre estudos que já foram feitos, se já foi feito fase 1, fase 2, enfim, conhecer melhor a vacina”, completou.

O diretor do Butantan disse que ainda não recebeu um retorno desse emissário – que ele não identificou –, e que, portanto, é muito prematuro dizer que o governo paulista faria ou descartaria uma associação para a produção dessa vacina.

Fonte CNBC e CNN

Deixe um comentário