Gol tem aumento na taxa de ocupação e soma R$ 500 milhões em vendas brutas em agosto

LinkedIn

As vendas brutas da Gol (BOV:GOLL4) somaram R$ 500 milhões em agosto e a taxa de ocupação das aeronaves foi em média de 79,4%.

O fato relevante foi divulgado na manhã desta quinta-feira (10). A empresa encerrou agosto com aproximadamente R$ 2,1 bilhões de reais em liquidez total, de acordo com dados preliminares e não auditados divulgados nesta quinta-feira pela companhia aérea, valor que representa queda de 17% em relação a julho.

Gol ampliou a sua operação de voos durante o feriado do Dia da Independência. Entre 3 e 8 de setembro, a companhia operou 1.554 voos, transportando 224 mil clientes. Esse desempenho é sete vezes maior do que a operação realizada no feriado de Páscoa, em abril.

A companhia aérea também voltou a mostrar melhora em agosto, na base sequencial, à medida que tenta se recuperar após ter praticamente paralisado as operações em março devido às medidas de isolamento social para conter a pandemia da Covid-19.

Durante o mês, a empresa aumentou sua oferta para 190 voos diários, número que deve chegar a 300 voos em setembro e atingir 40% do volume de 2019. Ainda em setembro, a Gol deverá aumentar para 74 o número de aeronaves em operação e reabrir mais três bases.

A companhia encerrou o mês com 130 aeronaves em sua frota, das quais 60 operavam na malha e 70 estavam em terra. As operações no mês foram 26% das realizadas em agosto de 2019, mas 7% a mais do que em julho deste ano.

O mês foi marcado por uma busca 28% maior por passagens aéreas ante julho, com um registro de aumento de 34% nas vendas de bilhetes em todos os canais de venda. A receita com passageiros transportados aumentou 19% sobre julho.

Desconsiderando os pagamentos de dívidas, o consumo de caixa foi de R$ 6 milhões por dia no mês, incluindo aproximadamente R$ 14 milhões por dia de entradas operacionais. Para o restante do ano, a Gol prevê um consumo de R$ 3 milhões por dia, graças aos acordos trabalhistas e sem reembolsos.

Ao comentar o pagamento de US$ 300 milhões em dívidas no dia 31 de agosto, o diretor financeiro Richard Lark afirmou que a companhia não possui vencimentos significantes de dívidas até 2024.

“Não temos vencimentos significativos de dívida até 2024”, afirmou o diretor vice-presidente Financeiro da Gol, Richard Lark, no fato relevante à comissão de Valores Mobiliários (CVM).

A companhia informou que o consumo líquido de caixa diário em agosto recuou 91% ante julho, para 6 milhões de reais, conforme cálculo que desconsidera pagamentos relacionados ao serviço de dívida e inclui aproximadamente 14 milhões de reais por dia em entradas operacionais (vendas e recebíveis).

Visão do mercado

Ágora

De acordo com Victor Mizusaki e Flávia Meireles, analistas da Ágora Investimentos, a empresa está no caminho certo para emergir da crise causada pela pandemia de covid-19.

“A empresa está consistentemente adicionando capacidade de expansão, mês a mês, com taxa de ocupação de cerca de 79%”, comentaram Mizusaki e Meireles.

Pelas estimativas da Ágora, a receita por unidade de capacidade teve queda anual de 14% entre julho e agosto de 2020.

A Ágora mantém a recomendação de compra para a ação da aérea, com preço-alvo de R$ 24,00 ao fim do ano.

BTG Pactual

Para o BTG Pactual, o aumento é positivo para o setor e, de certa forma, já estava previsto devido à continuidade da reabertura econômica no país.

“As companhias aéreas também vêm aumentando gradativamente sua capacidade. No segmento, a Gol continua sendo nossa escolha principal devido a sua maior exposição ao mercado doméstico e um modelo de negócio de baixo custo “, afirmou o banco.

 

Deixe um comentário