Trump, pontos de preço e COVID-19: 5 coisas para observar no Bitcoin esta semana

LinkedIn

O Bitcoin (BTC) subiu para US$ 10.730 antes de cair em 5 de outubro, com os mercados flutuando em linha com a contração da COVID-19 pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

A Cointelegraph analisa os fatores que devem influenciar o preço do BTC nesta semana, já que o vírus e suas consequências ditam o clima macro.

Saúde de Trump eleva os mercados

O presidente Trump impulsionou os mercados na noite de domingo, quando os traders avaliaram a possibilidade de ele deixar o hospital na segunda-feira, após tratamento para a COVID-19.

Os futuros subiram, revertendo as perdas da sexta-feira, junto com os principais mercados de ações, incluindo o S&P 500, com o qual o Bitcoin continua mostrando alta correlação.

O diagnóstico de coronavírus de Trump causou um modesto pânico na semana passada, com as ações despencando e o BTC/USD reagindo na mesma moeda, caindo de US$ 10.940 para US$ 10.380.

“Tem sido uma jornada muito interessante; aprendi muito sobre a Covid ”, disse Trump em uma atualização em vídeo postada no Twitter no final do domingo, aparentemente se dirigindo a uma multidão de apoiadores que estava na frente de seu hospital, antes que ele fosse lá fora para um aceno surpresa:

“Eu aprendi indo realmente para a escola – essa é a verdadeira escola; essa não é a escola do ‘vamos ler o livro’, e eu entendo, compreendo. É uma coisa muito interessante e vou informá-los sobre ela. ”

Wall Street ainda não havia aberto no momento da redação deste artigo, com a retomada das negociações esperada para ditar a trajetória do mercado no início da semana.

Gráfico do BTC/USD vs. S&P 500 de um ano. Fonte: Skew

Ações da Cineworld caem 56% com fechamento causado pelo coronavírus

Além de Trump, o coronavírus continua a criar incertezas nos EUA e no exterior.

Nova York seguiu com fases de paralisações de infraestrutura na segunda-feira, enquanto na Europa, o agravamento da taxa de infecção fez com que Paris fechasse alguns estabelecimentos.

Enquanto isso, em um novo prejuízo para os negócios, a Cineworld, a segunda maior rede de cinemas do mundo, disse que encerraria todas as suas operações nos Estados Unidos e no Reino Unido a partir 8 de outubro até nova ordem. Suas ações caíram 56% para um novo mínimo de todos os tempos.

No entanto, abundam os rumores de que a situação de Trump pode, de fato, estimular os dois lados políticos em Washington a chegar a um acordo de estímulo, algo que teria um impacto imediato nos mercados.

Como relatou a Cointelegraph, o secretário do Tesouro Steven Mnuchin já havia dissipado os temores de um impasse contínuo ao confirmar que, aconteça o que acontecer, o pacote incluiria outro cheque de estímulo de US$ 1.200 para americanos elegíveis.

O impacto de longo prazo da receita patrocinada pelo estado é em si mesmo controverso, com comentaristas anteriormente argumentando que, uma vez implementados, os cheques seriam difíceis de simplesmente “parar”.

Na época em que ocorreu a primeira rodada de cheques em abril, as exchanges de criptomoedas notaram um aumento no volume, especificamente no valor dos pagamentos de US$ 1.200.

Gráfico de uma semana do BTC/USD. Fonte: Coin360

O prazo final do Brexit se aproxima… de novo

A virada dos holofotes na Europa, no que diz respeito a movimentos do mercado macro, pode estar à frente, já que as intensas negociações de última hora sobre o Brexit começaram na segunda-feira.

Uma questão controversa por muito tempo para a libra esterlina e seus traders, o acordo do Brexit – ou a falta dele – já havia conseguido até mesmo produzir efeitos colaterais para o Bitcoin.

Desta vez, as negociações visam produzir um meio-termo antes de uma reunião crucial da União Europeia em 15 de outubro, com um prazo realista para a geração de consenso agora definido para o início de novembro.

Questionado sobre qual seria o impacto de ficar sem acordo, o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, disse a um programa de rádio da BBC que o país “poderia mais do que viver com isso”.

Em Londres, os futuros FTSE 100 subiram na segunda-feira, mais do que revertendo suas perdas durante as negociações da semana anterior.

Junto com o Brexit, como observou a Cointelegraph, o Banco da Inglaterra está atualmente pesquisando a ideia de introduzir taxas de juros negativas pela primeira vez em sua história.

Dificuldade e taxa de hash caem do pico

A recente pressão de venda fez com que os fundamentos do Bitcoin fossem incapazes de continuar sua sequência de vitórias recordes.

A dificuldade, talvez a medida mais importante para a saúde da mineração, quase não mudou em seu último reajuste em 4 de outubro. Anteriormente, as estimativas sugeriam que a métrica se basearia no recorde existente para disparar ainda mais alto.

No evento, uma queda de 0,09% extinguiu o otimismo, que estava em alta após o reajuste anterior ver um aumento de 11,35%.

A taxa de hash, uma medida da capacidade de computação dedicada à validação da blockchain do Bitcoin, também ficou estável na segunda-feira, pairando em 135 exahashes por segundo (EH/s).

As altas da taxa de hash em sete dias atingiram um recorde de 143 EH/s em setembro, com outro aumento para 141 EH/s em 1º de outubro.

Gráfico de taxa de hash média de sete dias do Bitcoin nos últimos dois meses. Fonte: Blockchain

Conforme relatado pelo Cointelegraph, outra métrica de dificuldade, a compressão da fita de dificuldade, mostrou uma tendência muito mais alta na semana passada.

PlanB sobre o stock-to-flow: Tempo para divergência

Afastando-se desses detalhes, os analistas de Bitcoin pareciam tão satisfeitos como sempre com o desempenho da maior criptomoeda.

Para o analista estatístico PlanB, criador da família stock-to-flow de modelos de preços BTC, agora era a hora do Bitcoin seguir sua tendência histórica e obter novos ganhos.

O ímpeto foi a média móvel de 200 semanas (200WMA), que em 4 de outubro atingiu um novo recorde de US$ 6.800.

Uma característica de preço favorito para PlanB, a média móvel de 200 semanas nunca foi quebrada em tendências de baixa de preços e atualmente aumenta em cerca de US$ 200 por mês. Analisando os dados mais recentes do stock-to-flow, PlanB resumiu no Twitter:

“É hora dos pontos vermelhos e laranja desviarem da média móvel de 200 semanas novamente.”

Tal comportamento, em que os pontos representam o BTC/USD de acordo com sua distância dos eventos de halving, se repetiu após ambos os halvings de 2012 e 2016.

Gráfico de stock-to-flow do Bitcoin em 05 de outubro. Fonte: PlanB/Twitter

Deixe um comentário