Irani migra para o Novo Mercado no dia 15 de dezembro

LinkedIn

A Irani Papel e Embalagem divulgou que a partir de 14 de dezembro de 2020, tendo em vista a conversão das ações preferenciais em ações ordinárias, as ações preferenciais de emissão da companhia deixarão de ser negociadas na B3.

O Fato Relevante foi divulgado pela empresa (BOV:RANI3) (BOV:RANI4) na noite desta terça-feira (08).  O conselho de administração da Irani Papel e Embalagem aprovou em outurbro ingresso da empresa ao Novo Mercado, segmento de maior grau de governança da B3.

As ações preferenciais convertidas em ações ordinárias serão creditadas aos seus titulares em 15 de dezembro de 2020. Com isso, a companhia concluirá seu processo de migração ao Novo Mercado.

Confira o Fato Relevante na íntegra.

Para entrar no Novo Mercado, a empresa precisa cumprir alguns requisitos, como a conversão dos papéis preferenciais em ordinários, que dá direto ao voto, e adotar práticas de governança corporativa adicionais às que são exigidas pela legislação brasileira.

“A listagem nesse segmento especial implica a adoção de um conjunto de regras societárias que ampliam os direitos dos acionistas, além da divulgação de políticas e existência de estruturas de fiscalização e controle”, informa a B3 em seu site.

VISÃO DO MERCADO

XP Investimentos

Segundo o analista Yuri Pereira, da XP Investimentos, a aprovação da B3 trata-se de um passo importante para a melhoria das métricas ESG da companhia.

“Ressaltamos novamente que esse avanço já era previsto e, portanto, não esperamos fortes reações do mercado no pregão de hoje”, afirmou.

→ A Irani Papel e Embalagem, uma principais indústrias nacionais dos segmentos de papel para embalagem e embalagem de papelão ondulado, tendo presença em 4 estados brasileiros, possui R$ 1,15 bilhão de valor de mercado. Confira a Análise completa da empresa com informações exclusivas.

Lucro líquido de R$ 25,5 milhões no 3T20

Irani Papel e Embalagem registrou lucro líquido de R$ 25,5 milhões no terceiro trimestre deste ano, revertendo prejuízo de R$ 58,8 milhões no terceiro trimestre de 2019. Segundo a empresa, a alta foi puxada pelo aumento da receita líquida e a melhora das margens apresentadas nos segmentos de atuação.

A receita líquida da companhia subiu 9,4%, para R$ 261,4 milhões, impulsionada pelo aumento no volume de vendas de embalagem de papelão ondulado, no comparativo anual.

Deixe um comentário