Tegra Incorporadora, antiga Brookfield, protocola pedido de IPO na CVM e

LinkedIn

Tegra Incorporadora, antiga Brookfield, quinta maior empresa brasileira de construção de imóveis no Brasil, protocolou pedido de IPO na CVM e as ações serão listadas no Novo Mercado da B3.

Segundo o prospecto preliminar enviado à CVM, a oferta será primária e secundária terá como coordenador líder o Itaú BBA. BTG Pactual, Bank of America, Bradesco BBI, Santander e ABC Brasil serão coordenadores da oferta.

A oferta primária, com emissão de novas ações e aumento de capital, e secundária, com o Fundo Brookfield, que possui 99,73% da empresa, vendendo parte de sua fatia. Antigamente, a companhia levava o nome do fundo que tem a maior parte do seu capital e já foi listada em bolsa, tendo tido seu capital fechado em 2014 em meio à crise econômica e a problemas internos.

Segundo o prospecto preliminar, a Tegra utilizará 83% dos recursos levantados através da oferta primária para adquirir novos terrenos. Os 17% restantes serão destinados a reforçar o caixa da companhia.

Não há informações, até então, do total de papéis da Tegra que serão vendidos. O documento deixa em aberto a possibilidade de um lote suplementar, de 15% do total de ações ofertadas inicialmente, ser adicionado, e também de um lote adicional com até 20% do total inicial de ações.

Sobre a Tegra Incorporadora

Fundada em 1978, a Tegra é focada na construção de apartamentos de médio e alto padrão e atua, principalmente, nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro e Campinas. Segundo a companhia, ela possui atualmente um estoque de terrenos avaliado em R$ 11,5 bilhões.

Em 2020, a empresa teve uma receita líquida de R$ 1,3 bilhão, crescendo cerca de 29% na base anual. O lucro líquido da companhia foi de R$ 86 milhões, crescendo quase 80%. A Tegra vem também apresentando melhoras em suas margens, que cresceu 200 pontos base na comparação com 2019.

Deixe um comentário