A vacina da Johnson & Johnson será enviada à Comissão da União Europeia para aprovação ainda na quinta-feira

LinkedIn

O regulador de drogas da Europa recomendou na quinta-feira (11) a aprovação da vacina de uma dose contra o coronavírus criada pela Johnson & Johnson (NYSE:JNJ), potencialmente acrescentando outra arma no arsenal que está sendo usada para combater a Covid-19.

A Johnson & Johnson também é negociada na B3 através das BDR (BOV:JNJB34).

A vacina agora será enviada à Comissão da UE para aprovação ainda na quinta-feira.

A vacina tem o benefício adicional de requerer apenas uma única dose e pode ser armazenada na maioria dos refrigeradores padrão a temperaturas de 2 a 8 graus Celsius (ou cerca de 36 a 46 graus Fahrenheit), tornando-o mais fácil e barato de transportar e armazenar.

Assim que os suprimentos começarem a ser entregues, a injeção pode reforçar o difícil programa de imunização da Europa e é a quarta a ser aprovada pela EMA. As vacinas de duas doses desenvolvidas pela Pfizer-BioNTech , Moderna e AstraZeneca e pela Universidade de Oxford também foram aprovadas.

Embora seja mais fácil de distribuir, a vacina não foi considerada tão eficaz quanto as injeções da Pfizer e Moderna na prevenção da infecção por Covid-19. No entanto, os dados mostram que oferece um nível decente de proteção: dados de ensaios clínicos dos EUA mostraram que a vacina da J&J é 72% eficaz na proteção contra Covid moderada a grave (embora tenha sido considerada menos potente em ensaios em outros lugares, dando-lhe uma eficácia geral de 66%), em comparação com cerca de 95% para as outras duas vacinas.

A velocidade com que a UE será capaz de lançar a vacina J&J ainda não está clara. A UE encomendou 200 milhões de doses da vacina, com opção de mais 200 milhões, disse a Johnson & Johnson em um comunicado em outubro passado.

Na quarta-feira, no entanto, foi relatado que, como outros fornecedores de vacina para a UE (Pfizer-BioNTech e AstraZeneca), o fornecimento da vacina J&J para o bloco poderia ser mais lento do que o esperado.

Segundo a Reuters, a Johnson & Johnson disse à UE que está enfrentando problemas de abastecimento que podem complicar os planos de entregar 55 milhões de doses de sua vacina ao bloco no segundo trimestre do ano.

Por sua vez, a Comissão Europeia, braço executivo da UE, disse na quarta-feira que não foi informada sobre nenhum atraso da J&J.

Um atraso adicional no fornecimento de vacinas agravaria a já letárgica implementação da vacinação da UE, que tem enfrentado dificuldades devido a um processo de pedidos mais lento do que no Reino Unido e nos EUA, entregas mais lentas, burocracia e hesitação da vacina.

Nos EUA, a J&J tem um acordo com o governo americano para fornecer 100 milhões de doses até o final de junho e, na quarta-feira, o governo Biden anunciou planos para comprar 100 milhões de doses adicionais. O anúncio foi feito enquanto a Casa Branca trabalha para aumentar a produção da vacina, depois que soube no início do ano que a produção da empresa estava atrasada.

Na semana passada,  Biden anunciou que a gigante farmacêutica Merck ajudaria a fabricar a vacina da J&J. Segundo o acordo, a Merck vai dedicar duas instalações nos EUA para a vacina da J&J. Um fará a vacina e o outro prestará serviços de “preenchimento e acabamento”, quando a vacina for colocada em frascos.

Deixe um comentário