Canal de Suez: bloqueio pode custar de US$6 a US$10 bi diários ao comércio global

LinkedIn

Nesta semana, um navio porta-contêineres de 400 metros encalhou no Canal de Suez e os impactos já estão sendo sentidos em todo o mundo. Segundo cálculos do time de economistas da seguradora de crédito Euler Hermes, cada dia de imobilização poderia custar ao comércio global de US$ 6 a 10 bilhões.

O Canal de Suez é a porta de entrada para a movimentação de mercadorias entre a Europa e a Ásia e recebeu mais de 19.000 navios em 2019, ou 1,25 bilhão de toneladas de carga. Isso representa cerca de 13% do comércio mundial, portanto, qualquer bloqueio provavelmente terá um impacto significativo, de acordo com os economistas.

“Em particular, esse incidente provavelmente resultará em atrasos no envio de itens de uso diário para consumidores em todo o mundo. De acordo com a Lloyd’s List, a cada dia que leva para limpar a obstrução, haverá um valor adicional de US$ 9 bilhões em mercadorias”, afirma Ludovic Subran, economista-chefe da Euler Hermes.

Cálculos aproximados sugerem que o tráfego no sentido oeste vale cerca de US$ 5,1 bilhões por dia, enquanto o tráfego no sentido leste vale US$ 4,5 bilhões. No entanto, os mecanismos de enfrentamento estão em vigor. De acordo com a estimativa da seguradora, cada semana de fechamento deve custar de -0,2 pp a -0,4 pp de crescimento anual do comércio. Segundo as previsões comerciais, os economistas da Euler Hermes presumem que o navio bloqueará o Canal de Suez por apenas uma semana.

“O problema é que o bloqueio do Canal de Suez é a gota d’água que quebra o comércio global. As disrupções na cadeia de abastecimento desde o início do ano (escassez de contêineres, semicondutores, etc.) podem custar um crescimento comercial real de -1,4 pp ou cerca de US $ 230 bilhões de impacto direto, além da imobilização no canal”, explica Ludovic.

Segundo o economista, os prazos de entrega dos fornecedores aumentaram desde o início do ano e agora são mais longos na Europa, quando comparados com o pico da pandemia em 2020 (Figura 1). A queda do indicador, do pico à depressão em março de 2021, é equivalente ao que aconteceu em 2020 entre janeiro e abril na Europa e é quase duas vezes pior nos EUA. O alongamento dos prazos de entrega para os EUA pode ser explicado pelo rápido esgotamento dos estoques no setor manufatureiro, já que as empresas antecipam um aumento na demanda causado pelo estímulo do presidente Biden (Figura 2).

A análise aponta ainda que, ao todo, a deterioração dos prazos de entrega dos fornecedores na Europa e nos EUA poderia subtrair -1,4 pp do crescimento do comércio global real em 2021 e custar cerca de US $ 230 bilhões em termos de valor (Figura 3).

Figura 1: Prazos de entrega dos fornecedores no setor de manufatura (quanto menor o índice, maiores são os prazos de entrega

img1_suez

Figura 2: Estoques de produtos acabados na indústria de transformação (acima de 50 = expansão)

img2_suez

Figura 3: Previsão de crescimento do comércio global para 2021,%, ano / ano

IMG3_suez

Efeitos secundários

De acordo com Subran, os efeitos secundários serão muito mais importantes, pois o principal impacto será sentido nos preços. “A disrupção da cadeia de suprimentos está afetando, em particular, os preços dos insumos europeus. Olhando para a relação entre os prazos de entrega dos fornecedores no setor de manufatura e os preços dos insumos, descobrimos que, a cada ano, o impacto é maior na Europa (coeficiente de -1,38, R² de 63%) e sua transmissão é relativamente rápida (um mês), enquanto nos EUA a dependência é menor (coeficiente de -0,95, R² de 38%). Portanto, esperamos que as margens das empresas europeias sejam atingidas com mais força em comparação com as americanas. (Figura 4).

Por último, levando em consideração interrupções negativas e fatores positivos, a Euler Hermes projeta que o comércio global crescerá +7,9% em 2021. No entanto, excluindo os efeitos de base, o crescimento do volume deve atingir apenas +5,4%. As interrupções na cadeia de suprimentos devem afetar especialmente a previsão da seguradora para o segundo trimestre de 2021, que será apenas ligeiramente positiva (e a mais baixa em 2021) e estará sob o risco de ser negativa caso as interrupções persistam.

Figura 4: Preços de insumos vs. produtos no setor manufatureiro (acima de 50 = expansão)

IMg4_suez

Entenda o caso

O navio Ever Given, que tem tem em comprimento o mesmo que o Empire State Building tem de altura, bloqueou a passagem em uma das rotas comerciais mais importantes do mundo, que liga Europa e Ásia, causando um prejuízo diário de US$ 9,6 bilhões.

As equipes de resgate da Holanda e do Japão que trabalham há três dias para tentar desencalhar o cargueiro Ever Given no Canal de Suez dizem que a embarcação só será liberada na quarta-feira da semana que vem.

A hidrovia artificial de 193 quilômetros de comprimento, conhecida como Canal de Suez, tem sido um ponto potencial de conflito geopolítico desde sua inauguração em 1869.

Onde fica o Canal de Suez?

O canal fica no Egito, conectando Porto Said, no Mar Mediterrâneo, ao Oceano Índico, através da cidade egípcia de Suez, no Mar Vermelho, no sul do país. A passagem permite um transporte mais direto entre a Europa e a Ásia, eliminando a necessidade de circunavegar a África e reduzindo o tempo de viagem em semanas.

O canal é o mais longo do mundo sem eclusas, as obras que permitem às embarcações subirem ou descerem os rios ou mares em locais onde há desníveis (barragem, quedas de água ou corredeiras).

Sem bloqueios para interromper o tráfego, o tempo de trânsito de ponta a ponta é em média de 13 a 15 horas, de acordo com a descrição do canal feita pela GlobalSecurity.org.

O navio encalhado, o Ever Given, que é operado pela Evergreen Shipping line, é um dos maiores navios porta-contêineres do mundo, com aproximadamente 400 metros de comprimento.

Embora o canal tenha sido originalmente projetado para atender navios muito menores, seus canais foram alargados e aprofundados várias vezes, mais recentemente, há seis anos, a um custo de mais de US$ 8 bilhões.

O que levou ao encalhe da embarcação e o que está sendo feito a respeito agora?

Acredita-se que a má visibilidade e os ventos fortes, que fizeram com que os contêineres empilhados do Ever Given agissem como velas, o tenham desviado do curso e levado ao seu encalhe.

(Fonte Euler Hermes – Race Comunicação, Estadão)

Deixe um comentário