240% a mais na conta: esse foi o lucro das empresas da Bolsa no 1T21

LinkedIn

No ano passado, o primeiro trimestre foi marcado pela chegada real e oficial da Covid-19 ao Brasil. Os primeiros casos foram registrados em fevereiro e, desde então, as incertezas só aumentaram. Porém, após um ano, e agora já com vacina, o cenário está bem diferente. Se antes havia dúvidas e inseguranças, neste momento há ao menos uma certeza: o lucro das empresas de capital aberto no primeiro trimestre de 2021 superou em 240% o obtido no mesmo período do ano passado!

Mais do que isso, as vendas também aumentaram exponencialmente nessa base comparativa. Para os curiosos de plantão, vale sempre entender ainda mais esses resultados, portanto vamos destrinchar tudo isso para conferir como ficou a performance por setor e também destacar algumas empresas nessa trajetória.

Balanço geral

Antes de tudo, é importante conhecer como foi feito o levantamento. Realizado pela companhia de informações financeiras Economatica, os valores analisados se baseiam naqueles entregues à CVM por 268 companhias não financeiras de capital aberto, todos referentes ao primeiro trimestre de 2020 e de 2021, e sem nenhum tipo de ajuste extraordinário ou de inflação, ou seja, seguindo o padrão contábil do órgão.

E, quando se fala em um estudo realizado com várias empresas de capital aberto, é fato que resultados de empresas como Vale (VALE3) e Petrobras (PETR3 e PETR4) acabam se sobressaindo, portanto não apenas elas, mas também a Suzano (SUZB3) ficou de lado dessa vez na pesquisa. “Foram desconsideradas as empresas Vale, Petrobras e Suzano, porque os dados delas acabam distorcendo a amostra”, explica a Economatica.

E é fácil entender isso, afinal a Vale, por exemplo, só no primeiro trimestre deste ano teve um lucro líquido de R$ 30,5 bilhões, o maior já registrado por uma companhia de capital aberto no primeiro trimestre de um ano. Considerar os números das gigantes pode não mostrar a realidade do mercado no período analisado.

Dito isso, vamos aos resultados do levantamento: o lucro líquido das empresas no primeiro trimestre de 2021 foi de R$ 33,2 bilhões, o que significa uma performance 245,7% superior à do mesmo período de 2020, quando as companhias registraram um prejuízo líquido de R$ -22,8 bilhões.

Em se tratando da receita líquida (vendas) das empresas no primeiro trimestre de 2021, o valor acumulado somou R$ 551,1 bilhões, resultado 22,3% superior ao apresentado no mesmo período do ano passado. Com os dados de lucro e receita, alcançamos então a margem líquida, que foi de 6,03% no 1T21, contra -5,06% no 1T20, um incremento de 11,09 pontos percentuais.

O lucro Ebit, que é obtido antes dos encargos financeiros das empresas (juros e variação cambial), ficou em R$ 81,5 bilhões no 1T21, valor 101,5% superior ao do 1T20. O caixa acumulado pelas companhias no primeiro trimestre de 2021 foi 28,0% superior ao do mesmo período de 2020. Já o estoque de dívida também cresceu 5,8% sobre o primeiro trimestre do ano passado.

O resultado financeiro somou R$ -30,5 bilhões neste ano, valor -48,4% inferior ao de 2020. Lembrando que uma diminuição do resultado financeiro ajuda no resultado antes de imposto de renda, aumentando o lucro líquido. E, por fim, o ROE (retorno sobre o patrimônio) anualizado no primeiro trimestre de 2021 ficou em 3,34%, contra -2,59% observado no mesmo período de 2020, o que demonstra um crescimento de 5,93 pontos percentuais.

Setores em destaque

O setor que registrou o maior lucro líquido acumulado no primeiro trimestre deste ano foi o de energia elétrica (representado por 32 empresas). Ao todo foram R$ 11,7 bilhões em lucro. Mas, quando se compara com o resultado do setor de bancos (com 26 empresas), este lucrou R$ 24,9 bilhões no mesmo período.

Apenas a título de curiosidade, já que falamos dos bancos, adicionando à amostra as companhias do setor financeiro (que inclui bancos, seguradoras, corretoras de seguros), o lucro no primeiro trimestre de 2021 fica em R$ 61,2 bilhões, valor superior em R$ 63,2 bilhões com relação ao mesmo período de 2020 e que representa crescimento de 3.241,5%. Mas vale uma ressalva: “Devemos salientar que no primeiro trimestre de 2020 as empresas do setor financeiro registraram prejuízo de R$-1,95 bilhão”, explica a Economatica. Colocando no grupo da amostra agora Petrobras, Vale e Suzano, o lucro do primeiro trimestre de 2021 fica em R$ 90,2 bilhões, que é 243,4% superior ao do mesmo período de 2020.

Voltando aos resultados dentro da primeira base de análise (considerando somente as empresas não financeiras e excluindo Vale, Petrobras e Suzano), apenas dois setores registraram queda de lucratividade no primeiro trimestre de 2021 com relação ao ano de 2020, sendo eles: locadora de imóveis e educação. No caso do primeiro, a queda no lucro foi de 77%, enquanto as companhias educacionais viram o lucro reduzir 94% sobre o primeiro trimestre de 2020.

E mais um dado importante: “Dos 24 setores não financeiros, três setores têm prejuízo no 1º trimestre de 2021. Transportes e serviços com R$ -4,50 bilhões, telecomunicações com R$ -2,33 bilhões e veículos & peças com R$-138 milhões”, complementa a Economatica.

Já em se tratando de vendas, ou receita líquida, o setor que registrou o maior volume no primeiro trimestre de 2021 foi o de alimentos e bebidas, com R$ 134,8 bilhões, valor que é 30,88% superior ao de 2020. Na contramão, quatro setores registraram queda de vendas no mesmo comparativo temporal. Um deles é o de transportes & serviços, com queda de -12,18%, seguido pelo setor de telecomunicações, que amargou uma queda de -11,84% nas vendas. Acompanharam a performance negativa as locadoras de imóveis, com queda de -10,02%, e educação, caindo -9,10% no volume de vendas.

Também quatro setores tiveram lucro Ebit negativo no comparativo: telecomunicações, com menos R$ 203 milhões; assistência médica e social perdendo R$ 45 milhões; educação com menos R$ 125 milhões; e as locadoras de imóveis com valor negativo em R$ 386 milhões.

Empresas em destaque

E Economatica traz um ranking das 20 companhias mais lucrativas no primeiro trimestre deste ano e revela: “Entre as 20 mais lucrativas temos cinco bancos, quatro de energia elétrica, os setores de alimentos & bebidas, mineração e siderurgia & metalurgia participam com duas empresas cada um e outros cinco setores aparecem com uma empresa cada”.

Lidera o ranking a já mencionada Vale, que teve o maior lucro líquido já registrado em um primeiro trimestre por uma companhia de capital aberto, seguida pelos bancos Bradesco (BBDC3 e BBDC4) e Itaú Unibanco (ITUB3 e ITUB4). Veja a tabela completa:

dcdogcalaonfkdph

Por outro lado, também temos um ranking com as empresas que tiveram os maiores prejuízos. Sobre isso, a Economatica explica que o “setor de comércio tem cinco empresas na lista dos maiores prejuízos, já o setor de transporte & serviços tem quatro. A empresa Oi SA tem o maior prejuízo, com R$ -3,50 bilhões, valor inferior ao do ano de 2020, quando o prejuízo foi de R$ -6,28 bilhões. Azul registra o segundo maior prejuízo, com R$ -2,78 bilhões. Em comparação ao 1º trimestre de 2020, a empresa registra recuperação de 44%, no mesmo período de 2020 a empresa registrou prejuízo de R$ -6,15 bilhões”. Acompanhe:

mnhddajdlpienfcc

E aí, gostou de conhecer essas informações? Em qual das empresas ou setores você está investido, naqueles que demonstraram os melhores ou piores números? Conta aqui embaixo para a gente, na caixa de comentários, e aproveite para compartilhar este conteúdo com seus amigos, afinal são dados bem interessantes e que mexem com a carteira de todos os investidores brasileiros. Aproveitem e ótimo$$ investimento$$!

Deixe um comentário