Vendas no varejo dos EUA permaneceram inalteradas em abril

LinkedIn

As vendas no varejo dos Estados Unidos estagnaram inesperadamente em abril, à medida que o impulso dos cheques de estímulo diminuiu, mas uma aceleração é provável nos próximos meses em meio a economias recordes e uma economia em reabertura.

O Departamento de Comércio disse nesta sexta-feira, que a leitura inalterada nas vendas no varejo no mês passado seguiu um aumento de 10,7% em março, uma revisão para cima do aumento de 9,7% relatado anteriormente.

Economistas previam que as vendas no varejo aumentariam 1,0%. Muitas famílias qualificadas receberam cheques adicionais de US$ 1.400 em março, que faziam parte do pacote de resgate da pandemia COVID-19 de US$ 1,9 trilhão da Casa Branca, aprovado no início daquele mês.

As vendas no varejo respondem pelo componente de bens dos gastos do consumidor, com serviços como saúde, educação, viagens e hospedagem em hotel compondo a outra parte. As famílias acumularam pelo menos US$ 2,3 trilhões em poupança excedente durante a pandemia, o que deve sustentar os gastos este ano.

Seguindo a notícia deste mês de que as contratações desaceleraram em abril em meio à escassez de trabalhadores, as vendas fracas podem causar ansiedade em relação à recuperação econômica. Embora mais de um terço dos americanos tenham sido totalmente vacinados contra COVID-19, os temores sobre o vírus persistem e as escolas não foram totalmente reabertas para o aprendizado presencial, mantendo muitos trabalhadores em casa.

Excluindo automóveis, gasolina, materiais de construção e serviços alimentícios, as vendas no varejo caíram 1,5% no mês passado, após um aumento revisado para cima de 7,6% em março. Essas chamadas vendas de varejo básicas correspondem mais intimamente ao componente de gastos do consumidor no produto interno bruto. Anteriormente, estimava-se que eles haviam disparado 6,9% em março.

 Os gastos do consumidor, que respondem por mais de dois terços da atividade econômica dos EUA, cresceram a uma taxa anualizada de 10,7% no primeiro trimestre, adicionando 7,02 pontos percentuais ao ritmo de crescimento anualizado de 6,4% da economia.

Grande parte do aumento nos gastos do consumidor no último trimestre ocorreu em março, o que definiu uma base de crescimento mais elevada para o consumo que se dirige para o segundo trimestre.

(Com informações do CMA, Reuters e CNBC)

Deixe um comentário