Pequim irá distribuir US$ 6 milhões em novo teste de yuan digital

LinkedIn

A capital da China, Pequim, irá distribuir 40 milhões de yuans (cerca de US$ 6,3 milhões) no mais recente teste de sua moeda digital emitida por banco central (CBDC, na sigla em inglês).

Ao anunciar a notícia na terça, o Departamento Local de Administração e Supervisão Financeira de Pequim disse que irá distribuir 200 mil envelopes vermelhos contendo 200 yuans digitais (cerca de US$ 31) cada, para residentes locais.

Residentes que queiram participar da loteria terão de se registrar por meio dos aplicativos do Banco Central da China e do Banco Industrial e Comercial da China. O prazo vai até a próxima segunda-feira (7).

Esta é a segunda distribuição da cidade chinesa. Em fevereiro, Pequim doou 10 milhões de yuans digitais (cerca de US$ 1,5 milhão na época) para 50 mil residentes locais. A cidade planeja inclusive usar yuan digital nas Olimpíadas de Inverno de 2022.

→ 9 dicas que você precisa saber antes de começar a investir em Criptomoedas

Até o momento, a China conduziu mais de dez campanhas de loteria de yuan digital em cinco cidades, segundo cálculos feitos pelo The Block. Essas campanhas tiveram início em outubro de 2020 e um total de 230 milhões de yuans digitais (aproximadamente US$ 36 milhões) já foram distribuídos.

Especificamente, as cidades de Shenzhen e Suzhou conduziram, cada uma, três campanhas de doação da moeda digital. Atualmente, Pequim está passando por seu segundo teste, enquanto as cidades de Chengdu e Changsha já completaram suas primeiras rodadas de testes.

O país mais que dobrou o valor total distribuído em testes recentes de yuan digital. Em fevereiro, essa quantia foi de US$ 17 milhões e distribuída em três cidades.

A China começou a pesquisar e desenvolver yuan digital em 2014 e ainda deverá divulgar uma data para o lançamento oficial de sua Moeda Digital/Pagamento Eletrônico (DCEP).

No entanto, o país está à frente de várias grandes economias que ainda estão explorando a ideia de uma moeda digital, como é o caso dos Estados Unidos e do Reino Unido.

 

Deixe um comentário