B2W passa a ser negociada na B3 sob o ticker AMER3

LinkedIn

A fusão de B2W e Lojas Americanas chega, a um novo capítulo. Na junção dos negócios, o caixa e os ativos operacionais da Lojas Americanas (BOV:LAME) (BOV:LAME4) foram incorporados pela B2W Digital (BOV:BTOW3), que, por sua vez, passou a ser renomeada para Americanas S.A. O último passo, que se concretiza no início da semana, é a empresa resultante da fusão passar a ser negociada na B3 sob o ticker AMER3.

As ações de Lojas Americanas permanecerão listadas na bolsa, mas passarão a representar uma participação de 38,9% na nova companhia (AMER3). Antes, elas refletiam tanto a operação de lojas físicas quanto a participação de 62,5% na B2W Digital. A movimentação deve fazer o valor dos papéis da empresa-mãe caírem, mas os analistas indicam que isso deve ser compensado pelos papéis que os investidores vão ganhar no novo ticker.

Os acionistas que têm os papéis LAME3 ou LAME4 receberão 18 ações de AMER3 para cada 100 papéis que possuíam. Ou seja, um investidor que tem 1.000 ações de LAME4, receberá 180 ações de AMER3, aos preços de mercado.

A dúvida que fica, portanto, é quanto deve valer cada papel ao fim dessas mudanças. De acordo com os analistas da XP Danniela Eiger, Thiago Suedt e Gustavo Senday, no caso das ações de Americanas S.A, esse preço dependerá da reavaliação de múltiplo (EV/GMV – Valor da Empresa sobre o Volume Bruto das Mercadorias Vendidas) que o mercado irá atribuir à nova companhia.

Ao Broadcast, Danniela Eiger disse que a Americanas SA possibilitará uma reavaliação por parte dos investidores, uma vez que, agora, passará a ser, de fato, uma companhia multicanal. “Os resultados vão passar a refletir uma empresa realmente integrada. A junção deve trazer celeridade e agilidade e, eventualmente, destravar valores”, afirmou. Ela pontua ainda que a dinâmica de preços nesta segunda deve ser “peculiar, como foi com a cisão de GPA e Assaí”. Na ocasião, os papéis do Assaí subiram nada menos do que 385,73%, enquanto o GPA perdeu quase dois terços de seu valor em um só dia. Na prática, as duas empresas separadas passaram a valer mais do que juntas.

“Já para as ações de Lojas Americanas, além da reavaliação de múltiplo, os preços dependerão dos descontos entre LAME3 e LAME4 e de holding que o mercado irá incorporar nas ações. Em nossa visão, consideramos o atual desconto de holding de aproximadamente 20% como justo, enquanto não vemos mais motivos para a diferença entre as cotações de LAME4 e LAME3 existir com a efetivação da fusão dado que ambas as classes de ações receberão a mesma quantidade de ações da AMER3”, escreveram os analistas da XP em relatório. Em suma, eles explicam que as ações da LAME devem ter sua queda de valor compensada pelos papéis que o investidor deve ganhar na Americanas SA.

“Seguimos otimistas com a perspectiva para Lojas Americanas e Americanas S.A. Reiteramos nossas recomendações de compra para AMER3 com um preço-alvo de R$82 por ação e para Lojas Americanas (LAME3/4) com um preço-alvo de R$12 por ação”, concluem.

Antecipação

No pregão desta sexta-feira, as ações da empresa-mãe e sua cria digital se destacaram dentre as demais companhias do varejo, que também operavam em alta. As ações da B2W chegaram a subir mais de 5%, enquanto as preferenciais de Lojas Americanas avançavam mais de 3% no início da tarde. Para analistas, o mercado se antecipou à combinação dos negócios entre as companhias.

Para Luis Sales, estrategista-chefe da Guide, o movimento é benéfico “pois é um processo há muito tempo pedido pelo mercado, para juntar sinergias entre o físico e o digital, redução da estrutura de custos e melhor governança, por estar no Novo Mercado”.

Na avaliação de Julia Monteiro, da MyCap, a alta também refletiu a expectativa positiva em relação à futura listagem da Lojas Americanas. “Esse foi um dos grandes cases apresentados pela empresa nessa fusão”, observa. Essa etapa deve se concretizar até o fim do ano, segundo informou o diretor de relações com investidores da Americanas, Fabien Picavet.

VISÃO DO MERCADO

XP Investimentos 

No caso das ações de Americanas S.A (AMER3), este preço dependerá da reavaliação de múltiplo (EV/GMV) que o mercado irá atribuir à nova companhia. Já para as ações de Lojas Americanas, além da reavaliação de múltiplo, os preços dependerão dos descontos entre LAME3 e LAME4 e de holding que o mercado irá incorporar nas ações.

Em nossa visão, consideramos o atual desconto de holding de ~20% como justo, enquanto não vemos mais motivos para a diferença entre as cotações de LAME4 e LAME3 existir com a efetivação da fusão dado que ambas as classes de ações receberão a mesma quantidade de ações da AMER3.

Para melhor ilustrar a dinâmica de preços após a fusão, vamos assumir que a AMER3 passe a negociar a 1,0x EV/GMV 2021e (vs. 0,8x hoje), o que implicaria em um preço de R$ 66,5/ação. Abaixo, calculamos o retorno hipotético para investidores de LAME e BTOW neste cenário, assumindo que o desconto implícito de holding atual (~20%) se mantenha e o desconto de entre LAME3 e LAME4 deixe de existir:

A B2W e Lojas Americanas pretendem divulgar os resultados do 2T21 no dia 12 de agosto.

Informações Broadcast

Deixe um comentário