P&G tem lucro líquido de US$ 2,9 bilhões (US$ 1,13 por ação) no quarto trimestre

LinkedIn

A Procter & Gamble (NYSE:PG) superou na sexta-feira (30) as estimativas dos analistas para ganhos e receitas do quarto trimestre, à medida que os consumidores compravam mais produtos de saúde e cuidados pessoais.

Mas a empresa alertou que o aumento dos custos das commodities pode afetar seus ganhos no próximo ano. Ele segue a rival Unilver sinalizando um aviso semelhante na semana passada de que estava enfrentando custos mais altos com embalagem, ingredientes e transporte.

As ações da P&G subiram menos de 1% no acumulado do ano. A empresa tem valor de mercado de US$ 341,4 bilhões.

As ações da P&G saltaram 1,4% no início do pregão.

A P&G também é negociada na B3 através da BDR (BOV:PGCO34), com um preço de abertura de R$ 50,45 reais por ação.

Aqui está o que a P&G relatou para o trimestre encerrado em 30 de junho em comparação com o que Wall Street esperava, com base em uma pesquisa com analistas da Refinitiv:

  • Lucro por ação: US$ 1,13 contra US$ 1,08 esperado
  • Receita: US$ 18,95 bilhões contra US$ 18,41 bilhões esperados

A P&G reportou lucro líquido para o período encerrado em 30 de junho de US$ 2,9 bilhões, ou US$ 1,13 por ação, em comparação com US$ 2,8 bilhões, ou US$ 1,07 por ação, um ano antes. Analistas consultados pela Refinitiv esperavam lucro por ação de US$ 1,08.

A receita líquida aumentou 7%, para US$ 18,9 bilhões, de US$ 17,7 bilhões um ano antes. Isso superou as expectativas de Wall Street de US$ 18,41 bilhões. As vendas orgânicas aumentaram 4%.

A P&G relatou o maior crescimento em seus negócios de beleza e saúde, à medida que os consumidores se preparavam para voltar ao escritório e às reuniões sociais.

O negócio de saúde viu as vendas orgânicas subirem 14%. Muito desse crescimento veio dos produtos de higiene bucal do segmento, que incluem as escovas de dente Oral B.

O segmento de beleza da P&G relatou um crescimento orgânico da receita de 6%. A empresa viu uma demanda contínua por sua marca premium SK-II. Mas ele disse que alguns dos ganhos foram compensados ​​pelos menores volumes de vendas na América do Norte, devido a problemas de estoque.

O segmento de tecidos e cuidados domésticos da empresa, que inclui os detergentes de louças Dawn e Cascade, registrou um crescimento orgânico nas vendas de 2%. O crescimento neste segmento está desacelerando, à medida que os consumidores compram menos produtos de limpeza para suas casas.

O segmento de higiene da empresa, que inclui Gillette e Venus, teve um crescimento orgânico de vendas de 6%.

Os produtos para bebês, mulheres e famílias foram o único segmento com queda nas vendas de orgânicos, reportando uma queda de 1% em relação ao ano anterior.

Para o ano fiscal de 2022, a P&G está prevendo que as vendas do ano fiscal cresçam de 2% a 4% em relação ao ano anterior. Prevê-se que as vendas orgânicas aumentem na mesma faixa.

Ele está pedindo um crescimento do lucro por ação principal de 3% a 6% em comparação com US$ 5,66 do ano fiscal anterior.

A P&G disse que sua perspectiva atual estima um impacto de cerca de US$ 1,9 bilhão após os impostos devido aos custos mais altos das commodities e frete.

Analistas consultados pela Refinitiv procuravam lucro ajustado por ação de US$ 5,90 no ano fiscal de 2022 sobre vendas de US$ 78,17 bilhões.

A P&G anunciou na noite de quinta-feira que o atual diretor operacional Jon Moeller se tornará CEO em novembro, substituindo David Taylor , que se tornará presidente executivo do conselho de administração da empresa. Taylor, 62, é CEO desde 1º de novembro de 2015.

A empresa – cujo portfólio inclui detergente Tide, papel higiênico Charmin e fraldas Pampers – está a caminho de aumentar os preços de alguns produtos neste outono em resposta aos custos mais elevados das commodities. A rival Kimberly-Clark , que fabrica a Huggies, também anunciou aumentos de preços em vários itens.

Depois que os aumentos de preços entrarem em vigor, a P&G está planejando manter a participação no mercado, tentando aumentar a percepção dos consumidores sobre o valor de seus produtos e introduzindo itens novos ou atualizados. Empresas como P&G e Kimberly-Clark apostam que os consumidores estarão dispostos a pagar mais pela versão da marca, em vez de optar por uma marca mais barata.

Fontes: CNBC, FX empire, FX Street, Wall Street, Reuters

Deixe um comentário