Biden diz que a guerra do Afeganistão foi uma causa perdida e promete diplomacia e ajuda

LinkedIn

O presidente Joe Biden defendeu sua decisão de retirar as tropas americanas do Afeganistão na tarde de segunda-feira (16), seu primeiro comentário desde que o Taliban derrubou o governo nacional afegão no domingo.

“Eu apoio totalmente minha decisão. Depois de 20 anos, aprendi da maneira mais difícil que nunca era um bom momento para retirar as forças dos EUA”, disse Biden na Sala Leste da Casa Branca.

Os comentários do presidente ocorreram em meio a crescentes críticas ao modo como seu governo lidou com a situação, à medida que o caos tomou conta de partes de Cabul e o governo civil entrou em colapso.

“A verdade é que isso se desenrolou mais rapidamente do que esperávamos”, disse Biden sobre a ofensiva de iluminação do Taliban, que capturou o país inteiro em menos de duas semanas.

Ainda assim, Biden disse que sua determinação não vacilou e que a semana passada provou efetivamente que 20 anos de guerra não produziram um exército afegão que possa defender o governo, ou um governo disposto a permanecer no país enquanto o Taliban se aproxima.

“As tropas americanas não podem e não devem estar lutando em uma guerra e morrendo em uma guerra que as forças afegãs não estão dispostas a lutar por si mesmas”, disse Biden. “Demos a eles todas as chances de determinar seu próprio futuro. Não poderíamos dar-lhes vontade de lutar por esse futuro”.

“Sei que minha decisão será criticada, mas prefiro receber todas essas críticas do que passar essa decisão para um futuro presidente”, disse Biden.

Apesar de ser amplamente superado em número pelos militares afegãos, que há muito são auxiliados pelas forças da coalizão dos EUA e da OTAN, o Taliban realizou uma sucessão de avanços chocantes no campo de batalha nas últimas semanas.

Quando o Taliban se aproximou da capital no fim de semana, o presidente afegão Ashraf Ghani fugiu do país e as nações ocidentais correram para evacuar as embaixadas em meio a uma situação de segurança em deterioração.

O conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, Jake Sullivan, em entrevista à NBC na manhã de segunda-feira, admitiu que a velocidade da tomada do Taliban pegou o governo de surpresa, mas disse que as forças dos EUA foram pré-posicionadas na região para responder no caso de um rápido colapso.

“É certamente verdade que a velocidade com que as cidades caíram foi muito maior do que qualquer um antecipou, incluindo os afegãos, incluindo muitos dos analistas que analisaram o problema com atenção”, disse Sullivan.

Biden ordenou o envio de aproximadamente  5.000 soldados americanos a Cabul para evacuar os funcionários da Embaixada dos Estados Unidos durante o fim de semana. O Departamento de Estado confirmou na noite de domingo que todos os funcionários diplomáticos dos EUA na embaixada foram transportados com segurança para o aeroporto internacional de Cabul.

O pessoal da Embaixada dos EUA no terreno foi instruído a destruir o material de informações confidenciais antes de sua partida.

Milhares de afegãos invadiram a pista do aeroporto , desesperados para escapar de um país agora completamente dominado pelo Taleban.

Dois oficiais de defesa dos EUA confirmaram à NBC News que o Talibã tomou a Base Aérea de Bagram no domingo, um acontecimento que ocorre menos de dois meses depois que  os militares dos EUA entregaram a outrora robusta base aérea  para a Segurança Nacional e Força de Defesa do Afeganistão.

O Taliban começou a esvaziar a prisão de Parwan ali, que tem cerca de 5.000 a 7.000 prisioneiros, incluindo o Taleban e combatentes da Al-Qaeda, de acordo com as autoridades que falaram sob a condição de anonimato.

Em 2012, em seu auge, Bagram viu mais de 100.000 soldados americanos passarem. Foi a maior instalação militar dos EUA no Afeganistão.

Em abril, Biden ordenou que o Pentágono retirasse  as tropas americanas do Afeganistão  até 11 de setembro, uma decisão que ele disse ter sido tomada em conjunto com as forças da coalizão da OTAN.

Na semana passada, o presidente disse a repórteres na Casa Branca que  não lamentava sua decisão de retirar as forças dos EUA do Afeganistão, efetivamente encerrando a guerra mais longa da América.

“Veja, gastamos mais de um trilhão de dólares em 20 anos, treinamos e equipamos com equipamentos modernos mais de 300.000 forças afegãs”, disse Biden na terça-feira. “Os líderes afegãos precisam se unir”, acrescentou.

Biden, em um comunicado no sábado em meio à deterioração da situação de segurança, mas antes do colapso do governo afegão, permaneceu firme em sua posição.

“Mais um ano, ou mais cinco anos, de presença militar dos EUA não teria feito diferença se os militares afegãos não pudessem ou não quisessem manter seu próprio país”, disse o presidente. “E uma presença americana interminável no meio do conflito civil de outro país não era aceitável para mim.”

(Com Christina Wilkie e Amanda Macias/CNBC)

Deixe um comentário