A Mastercard faz uma grande aposta em blockchain comprando a startup CipherTrace

LinkedIn

A Mastercard (NYSE:MA) concordou em adquirir a CipherTrace, start-up de análise de blockchain, no último sinal de como as grandes empresas estão se entusiasmando com as criptomoedas.

A gigante dos pagamentos disse na quinta-feira que firmou um acordo para comprar o CipherTrace por um valor não revelado. Com sede em Menlo Park, Califórnia, a CipherTrace desenvolve ferramentas que ajudam empresas e órgãos de aplicação da lei a erradicar transações ilícitas de moeda digital. Os concorrentes da empresa incluem Chainalysis, com sede em Nova York, e a start-up Elliptic, em Londres.

“Os ativos digitais têm o potencial de reimaginar o comércio, desde atos cotidianos como pagar e receber até economias em transformação, tornando-as mais inclusivas e eficientes”, disse Ajay Bhalla, presidente de cibernética e inteligência da Mastercard, em um comunicado. “Com o rápido crescimento do ecossistema de ativos digitais, surge a necessidade de garantir que ele seja confiável e segur”.

Os termos financeiros do negócio não foram divulgados. As ações da Mastercard subiram cerca de 0,6% na quinta-feira de manhã, mas se estabilizou em uma alta de 0,2% no fim da tarde.

A Mastercard também é negociada na B3 através da BDR (BOV:MSCD34). A MSCD34 subiu 0,3% na quinta-feira, ou mais R$ 0,17 centavos, a um último preço de R$ 60,19.

A principal preocupação com bitcoin e outras criptomoedas é que as pessoas que as transacionam são anônimas. Isso fez dos ativos digitais a moeda preferida de vários hackers e outros criminosos. No entanto, o blockchain é um livro-razão público de todas as transações de moeda digital e serviços como o CipherTrace analisa os movimentos de fundos para verificar se eles são duvidosos.

A Mastercard disse que o acordo ajudará seus clientes a se protegerem e cumprirem as regulamentações à medida que começam a desenvolver suas próprias ofertas de moeda digital. A CipherTrace afirma que sua plataforma é usada por alguns dos maiores bancos e bolsas de criptografia do mundo.

O negócio é o mais recente sinal de como as grandes empresas estão demonstrando maior interesse no mercado de criptografia. A própria Mastercard disse que abriria sua rede para selecionar criptomoedas este ano, enquanto a rival Visa revelou recentemente que mais de US$ 1 bilhão em criptografia foi gasto pelos consumidores que usam seus cartões de pagamento vinculados a criptografia.

O Bitcoin estava sendo negociado por cerca de US$ 47.000 na quinta-feira, um aumento de quase 2% nas últimas 24 horas. A maior moeda digital do mundo caiu drasticamente na terça-feira, depois que El Salvador a adotou como moeda legal.

Os defensores das criptomoedas viram o movimento como um passo em direção à adoção mais ampla da classe de ativos. No entanto, a implementação do bitcoin em El Salvador teve seus problemas, com o país desativando temporariamente sua carteira oficial de bitcoin para aumentar a capacidade de seus servidores.

Deixe um comentário