CBDCs podem levar a ‘taxas de juros profundamente negativas', alerta o Wall Street Journal

LinkedIn

Segundo um artigo do Wall Street Journal, as moedas digitais do banco central (CBDCs) podem impactar negativamente as taxas de juros ao fornecer aos formuladores de políticas uma ferramenta adicional.

No artigo de 8 de setembro, ‘Moedas digitais abrem caminho para taxas de juros profundamente negativas’, o colunista sênior James Mackintosh argumenta que a diferença entre um CBDC e o dinheiro seria destacada se as taxas de juros caíssem abaixo de zero. As pessoas estariam mais inclinadas a manter o dinheiro físico para “ganhar zero” em vez de perder dinheiro com um dólar digital emitido pelo banco central.

Isso significa que o banco central terá mais alavancagem com as taxas de juros se emitir dólares digitais que não podem ser guardados fisicamente, acrescentou.

As taxas de juros negativas são usadas como último recurso pelos bancos centrais durante uma recessão para estimular a economia ao encorajar empréstimos e gastos, com juros sendo pagos aos tomadores em vez de aos credores.

As taxas de juros dos EUA são atualmente as mais baixas de todos os tempos, 0,25%, de acordo com o Federal Reserve Economic Research. O Fed cortou as taxas de juros para 0% em março de 2020, durante o crash do mercado induzido pela pandemia.

Benoît Coeuré, chefe do Centro de Inovação do Banco de Pagamentos Internacionais, disse ao WSJ que os bancos centrais estão trabalhando para garantir que as moedas virtuais emitidas pelo banco central não sejam vistas como “um possível instrumento de política monetária”.

“Taxas negativas não são fáceis de entender. Haverá uma relutância tanto dos bancos centrais quanto das instituições financeiras em ir lá [profundamente negativa]. ”

As taxas de juros negativas também podem ser usadas como uma ferramenta para combater a deflação, enfraquecendo a moeda nacional. Nesse cenário, as exportações para aquele país ficariam mais baratas e o aumento dos custos de importação pressionaria a inflação.

Mackintosh concluiu que “o dinheiro eletrônico pode dar aos bancos centrais mais liberdade com as taxas de juros”.

Vários bancos centrais já estão em território de juros negativos, o Banco Central Europeu tem uma taxa de -0,5% após sua mudança inicial abaixo de zero em 2014. O Banco do Japão está -0,1%, primeiro caindo abaixo disso em 2016, o Banco Nacional da Suíça Banco -0,75%, e a Dinamarca tem taxa de juros de -0,5%.

Além de dar aos bancos mais alavancagem com taxas de juros, Wolfram Seidemann, CEO da G + D Currency Technology, observou em julho que os CBDCs são uma forma de “dinheiro programável” que pode tirar poder do portador:

“Dinheiro programável é projetado com regras embutidas que restringem o usuário. Essas regras podem significar que o dinheiro expira após uma data fixa ou seu uso é restrito a um determinado conjunto de bens.”

Por Martin Young

Deixe um comentário