Federal Reserve mantém as taxas de juros estáveis e informa que reduzirá compra de títulos em breve

LinkedIn

O Federal Reserve na quarta-feira (22) manteve as taxas de juros de referência perto de zero, mas indicou que aumentos nas taxas poderiam ocorrer mais cedo do que o esperado, e reduziu significativamente suas perspectivas econômicas para este ano.

Junto com os movimentos amplamente esperados, oficiais do Comitê Federal de Mercado Aberto (Federal Open Market Committee) indicaram que começarão a retirar parte do estímulo que o banco central tem fornecido durante a crise financeira. Não havia nenhum sinal, porém, de quando isso poderia acontecer.

“Se o progresso continuar como esperado, o Comitê julga que uma moderação no ritmo de compras de ativos pode ser necessária em breve”, disse o comunicado pós-reunião do FOMC. As estimativas dos analistas esperam que a redução gradual das compras de títulos seja anunciada em novembro e comece em dezembro.

Diante dessas expectativas, o comitê votou por unanimidade para manter as taxas de curto prazo ancoradas perto de zero. No entanto, mais membros agora veem o primeiro aumento nas taxas acontecendo em 2022. Em junho, quando os membros divulgaram suas projeções econômicas pela última vez, uma pequena maioria colocou esse aumento em 2023.

Mais informações podem vir quando o presidente do Fed, Jerome Powell, falar durante sua coletiva de imprensa pós-reunião às 15h30 (horário de Brasília).

O mercado americano reagiu pouco às notícias do Fed inicialmente, com os principais índices das ações continuando fortes ganhos e os rendimentos dos títulos do governo mistos.

Houve algumas mudanças substanciais nas projeções econômicas do Fed, com redução das perspectivas de crescimento e expectativas de inflação mais elevadas.

O comitê agora vê o PIB crescendo apenas 5,9% este ano, em comparação com uma previsão de 7% em junho. No entanto, o crescimento de 2023 agora é definido em 3,8%, em comparação com 3,3% anteriormente, e 2,5% em 2023, um décimo de um ponto percentual a mais.

As projeções também sinalizaram que os membros do FOMC veem a inflação mais forte do que as projeções de junho. O núcleo da inflação deve aumentar 3,7% este ano, em comparação com a previsão de 3% da última vez que os membros deram suas expectativas. As autoridades então veem a inflação em 2,3% em 2022, em comparação com a projeção anterior de 2,1%, e 2,2% em 2023, um décimo de ponto percentual acima da previsão de junho.

Incluindo alimentos e energia, as autoridades esperam que a inflação chegue a 4,2% este ano, ante 3,4% em junho. Espera-se que os dois anos subsequentes caiam para 2,2%, pouca alteração em relação à perspectiva de junho.

Em outra medida, o Fed disse que dobraria o nível de recompra de suas operações diárias de mercado de US$ 80 bilhões para US$ 160 bilhões.

Os mercados esperavam pouco em termos de decisões importantes da reunião, mas estiveram nervosos em parte com a data em que o Fed começará a reduzir o ritmo de suas compras mensais de títulos.

Powell indicou em agosto, durante o simpósio anual do Fed em Jackson Hole, Wyoming, que ele e outros eram da posição de que o banco central havia cumprido sua meta de inflação e poderia começar a reduzir o mínimo de US$ 120 bilhões por mês na compra de títulos do Tesouro.

Os investidores também esperavam pela reunião para ver a posição das autoridades do Fed quanto às perspectivas para a inflação.

A medida de inflação preferida do Fed – o índice de despesas de consumo pessoal menos os preços de alimentos e energia – acelerou 3,6% em julho, o maior nível em 30 anos. No entanto, Powell disse repetidamente que espera que as pressões sobre os preços diminuam à medida que os fatores da cadeia de suprimentos, a escassez de produtos e os níveis incomumente altos de demanda retornam aos níveis pré-pandêmicos.

-Com CNBC

Deixe um comentário